INTERNET

Escanteado na TV aberta, Ginga escreve seu futuro no IPTV

Luís Osvaldo Grossmann ... 10/04/2015 ... Convergência Digital

Ainda sem conquistar as emissoras de televisão no Brasil, o Ginga parece ter um futuro mais promissor em IPTV. Totalmente brasileira, é com o middleware desenvolvido no país a recomendação de interatividade na televisão sobre protocolo de Internet da União Internacional de Telecomunicações (UIT). A primeira recomendação aprovada é de 2009. A mais recente, deste 2015.

“Foi a primeira recomendação sobre interatividade em IPTV e uma vitória muito grande por ser uma recomendação inteiramente brasileira, todas as 112 páginas. Acho que foi a primeira vez que uma tecnologia nacional foi completamente aceita e especificada na UIT”, diz o relator do tema na entidade, Marcelo Moreno.

Doutor em informática pela PUC-RJ, onde participou do desenvolvimento do Ginga-NCL, e hoje professor adjunto da Universidade Federal de Juiz de Fora, Moreno se dedica mais particularmente à interatividade em IPTV desde 2008 dentro da UIT. Nesta sexta, 10/4, contou um pouco desse processo em palestra na Anatel, em Brasília.

Ele acredita que o IPTV tende a se tornar dominante – no lugar das televisões por assinatura atuais – como já começa a acontecer no Japão, onde as conexões de fibra óptica são a regra e quatro empresas disputam um mercado que passa já de 15 milhões de usuários.

“A gente tem uma tecnologia que, querendo ou não, cedo ou tarde estará na casa de todo mundo. Todo mundo vai ter banda larga. Em países como o Brasil isso ainda pode demorar, mas vai ter. E é importante uma padronização. Porque é muito custo ter equipamentos proprietários. E se já está em cima de um protocolo onipresente, vai colocar solução proprietária em cima? Não é racional”, acredita.

No caso do mercado japonês, o detalhe é que das quatro competidoras em IPTV, nenhuma é a provedora de conexões, a detentora das redes – é a mesma para todas, da NTT. Não por menos, a ideia da padronização é de que um usuário possa comprar seu set top box que funciona com qualquer provedor do serviço. No Brasil, porém, os provedores são também as operadoras, donas das redes.

A incorporação do Ginga traz vantagens evidentes. Embora os padrões da Europa e dos EUA também contemplem alguma interatividade, há questões importantes onde a tecnologia brasileira é superior – ou nem existe nos demais – como a sincronização de diferentes mídias: ou a facilidade de o conteúdo ser acessado pela televisão, tablet, smartphone etc e isso ser gerenciado pelo provedor.


Comissão Européia: Facebook, Google e Twitter fizeram pouco contra Fake News

Redes sociais prometeram em outubro do ano passado adotar medidas contra a divulgação de notícias falsas relativas às eleições do Parlamento Europeu, que acontecem entre 23 e 26 de maio.

Moradora chama prefeito de "mentiroso" pelo Whatsapp e é multada em R$ 5 mil

TJMG aceitou a queixa do prefeito da cidade de Frei Inocêncio e determinou indenização contra moradora que distribuiu áudio no aplicativo chamando-o de “mentiroso”, “trapaceiro” e “cretino”.

Autoridade de Dados, no Executivo, não terá reconhecimento internacional

“Congresso precisa garantir um modelo interoperável com outros países, que sejamos considerados como país adequado na proteção de dados”, adverte a professora de Direito da UnB e do IDP, Laura Schertel Mendes.

Bibliotecas e museus sofrem para digitalizar e oferecer acervos online

Embora o Plano Nacional de Cultura estabeleça que acervos devem estar disponíveis na internet até 2020, só 31% digitalizam parte do acervo e 22% ofertam na rede.

Para o governo, regulamentação da LGPD exige criação imediata da autoridade de dados

Inserir a autoridade na Presidência foi a solução possível."Queremos a autoridade funcionando um ano antes da vigência da lei. Não dá para discutir eternamente”, diz Luiz Felipe Monteiro.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G