Home - Convergência Digital

Cansou do trabalho e quer jogar tudo pro alto?

Convergência Digital - Carreira
Da redação - 24/04/2015

Insatisfação com chefe, colegas, empresa, cargo, salário e até mesmo carreira. Este é um sentimento que cresce a cada dia no mundo corporativo e vem levando muitos profissionais a jogarem tudo para o alto, nem sempre com o devido planejamento. Segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto Gallup, com 25 milhões de trabalhadores, em mais de 100 países, apenas 13% dos empregados se sentem engajados com a profissão. As principais causas de insatisfação são falta de comunicação entre líderes e liderados, ausência de alinhamento dos propósitos profissionais e pessoais com os da empresa, e baixa qualidade de vida.

O coach de carreira, Maurício Sampaio, afirma que esse desgosto é o tema mais recorrente nos atendimentos que realiza. “Muitas pessoas reclamam que seus chefes não dão feedbacks construtivos, apenas ligam para passar mais tarefas ou chamam para uma conversa para fazer mais cobranças. São poucos os líderes que querem ensinar algo novo ou se importam com o sucesso de seus colaboradores”, afirma o especialista.

Sampaio também relata que boa parte dos profissionais não se sente parte da empresa. “Eles não concordam com as políticas da companhia nem com a conduta dos seus líderes. Muitos permanecem apenas pelo salario e, com o tempo, acabam saindo para buscar uma maior realização.” Outra queixa comum é com relação à qualidade de vida. “As pessoas desejam estar mais próximas da família, dos filhos e dos amigos, até para recuperar o tempo perdido com viagens a trabalho e expedientes que entravam noite afora. Elas buscam flexibilidade de horário e controle dos próprios resultados.”

Para o coach, mudanças de emprego ou carreira são saudáveis, principalmente quando se esgotam todas as tentativas de melhorar as condições. “É preocupante quando o profissional, ao acordar, lamenta que vai começar tudo de novo ou não vê a hora de chegar a sexta-feira. Se isso for constante, deve-se tomar uma atitude. Aceite que seu tempo na empresa, profissão ou no negócio acabou. Passe a controlar o seu próprio destino.”

Sampaio lista abaixo 4 passos para fazer uma transição correta, bem planejada, e aumentar as chances de sucesso:

1) Autoconhecimento: avalie os aprendizados e as competências desenvolvidas, para que possam ser aplicadas em um novo desafio profissional.

2) Prazo: defina em quanto tempo você promoverá a mudança e tente seguir esse período à risca.

3) Pesquise: esta é etapa muito importante. Avalie as possíveis oportunidades e confronte-as com a realidade.

4) Estratégia: com a tecnologia e a internet, o mercado abriu várias possibilidades de negócios. Busque o ideal para você, baseado no estilo de vida desejado.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

07/06/2019
Vai à sanção lei que cria Carteira de Trabalho eletrônica

06/06/2019
Empresas de TI de Santa Catarina estão com mais de 700 vagas

05/06/2019
Grupo DB1 abre 80 vagas para home office

30/05/2019
Mesmo após quatro altas, emprego na indústria eletrônica é menor que 2018

29/05/2019
Integradora de TI tem 31 vagas de TI abertas

29/05/2019
Em 10 anos, faturamento e empregos em TI no Brasil crescem mais de 70%

20/05/2019
Empresa desenvolve algoritmo que seleciona candidatos a emprego

20/05/2019
Falsas ofertas de emprego fazem o Brasil campeão de phishing

02/05/2019
Mais de meio milhão de brasileiros trabalham com TICs

26/04/2019
TI precisa de 420 mil novos profissionais até 2024

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

Falta de mão de obra qualificada espanta investidores no Brasil

Mais de 50% dos jovens brasileiros podem ficar fora do mercado de trabalho por falta de qualificação e de habilidades digitais. A advertência foi feita por especialistas que debateram sobre educação e capacitação digital no Painel Telebrasil 2019.

Assespro é contra a regulamentação da profissão de TICs

Entidade das empresas de TI se posiciona contrária ao PLS 317/17. que passa a exigir diploma de profissões como Analista de Sistemas, desenvolvedor, engenheiro de sistemas, analistas de redes, administrador de banco de ados, suporte e profissões correlatas.

Mais de meio milhão de brasileiros trabalham com TICs

Raio-X do mercado de trabalho nos últimos 10 anos, feito pela Softex, mostra que o salário médio de R$ 6 mil.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site