INOVAÇÃO

FINEP: Fim dos programas é a pior coisa para a Inovação

Ana Paula Lobo e Pedro Costa ... 27/04/2015 ... Convergência Digital

Em entrevista exclusiva à CDTV, do portal Convergência Digital, o presidente da FINEP, Luis Fernandes, que já esteve à frente da agência de fomento de 2007 a 2011, fala dos seus planos e do momento econômico do governo Dilma Rousseff. 

Segundo Fernandes, o processo para tornar a FINEP em uma instituição financeira está 'maduro', mas assume que ele não andou como o esperado. "Temos que agilizar o processo até porque será necessário para realizar mudanças internas. Vamos ter que fazer ajustes, sendo o principal deles, os mecanismos de provisionamento para eventuais perdas financeiras, que devem seguir estritamente as regras de Autoridade Monetária", disse.

A pouca participação da iniciativa privada nos processos de Inovação no Brasil é visto como um grande desafio a ser superado. Segundo Fernandes, o nosso modelo hoje é uma herança da reserva de mercado. "Hoje o governo é o grande investidor com 0,75% e as empresas privadas, com 0,5%. Do ponto de vista de governo, os aportes são bem parecidos com os dos países de primeiro mundo, mas lá, a participação das empresas é o triplo da registrada no Brasil. É aqui que temos de trabalhar para atrair essas empresas", pondera.

Para Fernandes, o momento exige uma ampla e imediata revisão dos mecanismos de política industrial. "O governo não pode ter dois braços - um que dá e outro que tira ao mesmo tempo. Precisamos de consistência. Só assim vamos atrair as empresas privadas para a Inovação", sustentou.

O presidente da FINEP falou ainda das reivindicações das pequenas e médias empresas; da fiscalização às grandes empresas e destaca que, hoje, um dos males da Inovação é a descontinuidade de programas. "Não se pode pensar em Inovação sem ter planejamento de longo prazo. Não há como ter inovação sem pensar à frente", ponderou.

Uma das prioridades do executivo à frente da agência de fomento é a recomposição do FNDCT-Fundo Nacional de Desenvolvimento Cientifico Tecnológico. "Nos últimos anos, ele foi reduzido à metade. Precisamos muito dele recomposto, mesmo cientes do ajuste fiscal do governo. Vou trabalhar muito para conseguir essas verbas".

O presidente da FINEP falou ainda sobre o momento do mercado de TICs e a sua relevância para a Era do Conhecimento. Falou ainda sobre os legados em TICs da Copa do Mundo e das Olimpíadas 2016.  Assistam a entrevista exclusiva com Luis Fernandes, feita na sede da FINEP, no Rio de Janeiro.


Cloud Computing
Embraer cria sistema de big data e analytics com AWS e Claranet

Companhia criou o IKON, sistema para captação, armazenamento e análise de alto volume de dados para manutenção preditiva de aeronaves da família E-Jets. Com o novo produto, a coleta automática de dados passou de 12 dias para um processo imediato, garantindo que os dados estejam prontos para serem analisados ​​5 minutos após sua geração na aeronave.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Arquitetura distribuída: uma tendência que vai chegar ao Brasil

Na China, conta Daniel Leung, chefe de Fintechs e Arquitetura na Forms Syntron, ao trocar a arquietura tradicional pela distribuída, um banco ficou apto a suportar até 100 milhões de contas correntes.

Adarsh Kumar, Capgemini: open banking é transformador, mas dados pertencem aos clientes

O open banking vai mudar o modelo de serviços bancários, afirma o CTO e líder de cibersegurança para a América Latina da Capgemini.

Thales Teixeira, da Harvard: disrupção digital vai muito além da tecnologia

"Unidades de negócios podem se tornar desnecessárias em empresas estabelecidas, e o CEO terá de tomar decisões relevantes", adverte o professor Thales Teixeira, da Harvard Business School.

Bradesco: Next não vai 'matar' o banco tradicional

O diretor-presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, garante que os dois modelos de negócio irão conviver, mas admite que as agências físicas vão mudar de perfil. Também revela que o Next mira um público mais jovem.

Brasileiro quer dar adeus às senhas com o uso maior da biometria

Sonho de consumo, revelado em estudo da IDEMIA, é de usar biometria para pagamentos online e para acessar ambientes dentro da própria casa. Brasil desponta em primeiro lugar no uso da biometria pela impressão digital, mas despenca posiçoes no uso do reconhecimento facial.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G