GOVERNO

Marcos Mazoni deixa o Serpro depois de oito anos no comando da estatal

Luiz Queiroz ... 07/05/2015 ... Convergência Digital

Um dia alguém ainda escreverá sobre a ascensão e queda do PT e como um partido pode ser tão autofágico. Enquanto isso não ocorre, segue mais um capítulo na guerra interna do partido: Marcos Mazoni deixa nesta sexta-feira, 08/05, depois de oito anos, o cargo de presidente do Serpro.

Havia uma articulação para que Mazoni ficasse por mais um ano, pois a presidenta Dilma Rousseff ainda queria que ele concluísse alguns projetos que considera importantes para o governo. Mas Mazoni mexeu com "forças ocultas" no PT, as quais, há meses, trabalhavam pela sua queda. Junto com ele , também deixam o Serpro, Wilton Mota ( diretoria de Operações) e José Aquino (diretoria de Desenvolvimento).

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não queria a renovação dos mandatos de direção do Serpro, embora estivesse disposto a atender ao anseios da presidenta e, pelo menos, deixar Mazoni e demais diretores ficarem por mais um ano, mas o ministro mudou de opinião quando recebeu um telefonema do ministro da Previdência Social, Carlos Gabas.

No telefonema, Gabas informou Levy de que tinha acabado de publicar no Diário Oficial da União uma intervenção no fundo de pensão dos funcionários do Serpro - o SERPROS - sem nenhuma razão aparente, pelo menos de domínio público, já que o fundo está superavitário, diferentemente do Postalis, dos funcionários dos Correios, ou do Petros - da Petrobras, entre outros.

A intenção de Gabas era uma só: impedir a recondução de Marcos Mazoni. Ainda que sejam desconhecidos os interesses que este ministro tem na área de Tecnologia da Informação e Telecomunicações. Nos bastidores do PT sabe-se que Carlos Gabas sempre atuou nesta área. Por várias vezes, ele teria tentado interferir na substituição de Mazoni na presidência do Serpro e os rumores dão conta de que ele poderá fazer, agora, o futuro presidente, ainda não escolhido por Levy.

Ao anunciar a intervenção, Carlos Gabas matou dois coelhos com um único telefonema para o ministro da Fazenda. Primeiro, eliminou a possibilidade de Marcos Mazoni ficar por mais um ano no comando do Serpro. Segundo, eliminou a possibilidade da atual diretoria do fundo de pensão SERPROS ser reconduzida, pois o próximo presidente da estatal terá condições, como patrocinador, de indicar os novos componentes.

O fundo de pensão, por sinal, foi obrigado a interromper o seu processo eleitoral por ordem do novo interventor, Walter de Carvalho Parente, designado pela Previc - Superintendência Nacional de Previdência Complementar, órgão vinculado ao Ministério da Previdência. A intervenção no SERPROS anunciada ontem será pelos próximos 180 dias. 

Levy, que não tinha interesse na permanência de Mazoni, mas cedia aos apelos da presidenta Dilma, ganhou um forte argumento para não reconduzí-lo no cargo, junto com os demais diretores. A exceção era apenas para Gilberto Paganotto, diretor-superintendente, que já havia manifestado o interesse de deixar o Serpro. Assim, procedeu em favor da queda de Mazoni, depois de oito anos  de presidência do Serpro.

Demissão por telefone

Marcos Mazoni ficou sabendo que não continuaria na presidência do Serpro numa ligação telefônica que recebeu ontem à noite, por volta das 22 horas, pelo secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Tarcísio Godoy. Naquele momento ele estava participando da festa de despedida de Gilberto Paganotto, com as presenças de Rogério Santanna, ex-presidente da Telebras e Rodrigo Assumpção, presidente da Dataprev.

"Fui demitido pelo telefone", reagiu desconcertado Mazoni. "Bem-vindo ao mundo", reagiu bem humorado, Rogério Santanna, que também foi exonerado por uma coluna do jornal O Globo, para somente depois ser comunicado oficialmente pelo então ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, no ínício do primeiro Governo Dilma Rousseff.

Até o fechamento desta reportagem, novos nomes já teriam sido indicados para a diretoria do Serpro, que ainda aguardará uma decisão de Joaquim Levy, quanto ao futuro presidente da estatal. Para o cargo de diretor-superintendente, no lugar de Gilberto Paganotto, teria sido escolhida a ex-diretora de TI do Banco do Brasil (é funcionária de carreira) e ex-secretária de Logística e TI do Ministério do Planejamento, Glória Guimãres. Atualmente ela estava trabalhando na diretoria de Tecnologia dos Correios.

Outros nomes citados, mas os cargos ainda estão indefinidos, pelo menos para conhecimento público são: Fernando Garrido (Secretaria do Tesouro Nacional), André de Cesaro (Serpro). Haveria ainda outra indicaçção oriunda dos Correios, além de Glória Guimarães. Permanecerão em seus cargos de diretoria, ou em breve poderão mudar de funções: Antonio João (Administrativo Financeiro) e Robinson Margato (Relacionamento com Clientes).


Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Operações com criptomoedas terão que ser informadas à Receita

Nova instrução normativa da Receita exige informações quando as operações com ‘criptoativos’ ultrapassarem os R$ 30 mil mensais. No valor  de mercado desta terça-feira, 07/05, um bitcoin vale US$ 5.940,00, ou R$ 23.760. Ou seja, brasileiro com 2 bitcoins terá de prestar contas com o Fisco.

Reforma Tributária só acontece se for 'fatiada' com governo à frente

A afirmação é do presidente da Frente Parlamentar Mista da Reforma Tributária do Congresso Nacional, deputado Luis Miranda, do DEM/DF. "Não dá para crer que governo federal, estados e municípios façam a reforma unificada", diz.

Serpro e Dataprev terão de se reinventar para a economia digital

O secretário Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, admite que um desafio a ser enfrentado para a transformação digital do governo federal é a interoperabilidade dos bancos de dados. "Há muitos que não se conversam", afirmou.

Falta de dinheiro exige exercício de criatividade na economia digital

Para o secretário de empreendedorismo e inovação do MCTIC, Paulo Alvim, a retomada da competitividade no Brasil passa por um ecossistema sólido unindo governo, iniciativa privada e academia.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G