TELECOM

Brasileiro prefere acessar Wi-Fi público sem registro de login e senha

Ana Paula Lobo ... 20/05/2015 ... Convergência Digital

Setenta e três por cento dos brasileiros estão em risco de perda de privacidade e roubo de identidade por meio de redes Wi-Fi públicas, de acordo com um recente estudo da Avast Software. Outro levantamento da empresa, realizado com mais de 23 mil brasileiros,constatou que os consumidores preferem utilizar redes Wi-Fi públicas gratuitas, muitas das quais não necessitam de registro ou senha, para evitar o compartilhamento de seus dados ou simplesmente por conveniência.

Além disso, 55% dos pesquisados nunca ou só às vezes desligam seus transmissores de Wi-Fi e ainda permitem que seus celulares ou tablets se conectem automaticamente a redes públicas de Wi-Fi, deixando uma grande janela para hackers acessarem facilmente informações pessoais. A pesquisa aponta que apenas 7% dos brasileiros usam uma rede virtual privada (VPN, em inglês) para proteger seus dispositivos móveis, quando conectados a uma rede pública. No geral, oito em cada dez pesquisados acessam redes públicas mensalmente, e quase metade de todos os usuários se conecta diariamente ou várias vezes por semana (48%).

"Com a popularização do armazenamento em nuvem e a crescente busca por acesso Wi-Fi, as redes abertas que não necessitam de senhas tornam-se um grande risco para consumidores desprotegidos", afirma Vince Steckler, CEO da Avast. "A maioria dos brasileiros não percebe que todas as informações pessoais em seus dispositivos móveis ficam indefesas em redes Wi-Fi públicas, se usadas sem proteção. Estas redes facilitam o acesso para ataques de hackers a milhões de consumidores brasileiros diariamente”, completa.

A pesquisa também apontou que, quando conectados a uma rede Wi-Fi aberta, 28% dos entrevistados preocupam-se em ter informações de login (nomes de usuário e senhas) roubadas. Quase um quinto deles se preocupa com ataques a suas fotos privadas, conteúdo de salas de bate-papo e e-mails pessoais (17%). Apenas 26% estão preocupados em ter suas informações financeiras roubadas e somente 13% temem que e-mails e documentos relacionados ao trabalho sejam acessados por um terceiro. Por outro lado, 16% dos pesquisados afirmaram "que não têm nada a esconder".

Em visita ao Brasil, o CEO da Avast, Vince Steckler, reforçou que o mercado nacional é prioritário para a companhia. Tanto que ele próprio faz visitas regulares ao país. A maior preocupação do executivo é com relação à pirataria de software. "O Brasil não pode ficar próximo da China onde há muita pirataria na área de segurança. Trabalhamos muito forte para que os nossos produtos cheguem aos consumidores", revelou Steckler, em entrevista ao portal Convergência Digital. Indagado se a empresa teria um representante local no país, Steckler disse que o modelo da Avast - baseado no software gratuito via Internet - precisa construir um legado de credibilidade junto ao consumidor final.

"Os produtos de segurança precisam ter um grau de confiabilidade junto ao consumidor. Só assim, o usuário vai instala-lo nos seus computadores e é isso que trabalhamos", acrescenta. A busca por contratos de OEM segue sendo também uma estratégia para a Avast. "Esse é um modelo que nos interessa, especialmente para os dispositivos móveis que estão vulneráveis", diz o CEO da Avast. O mercado de software pago também começa a crescer, mas ainda responde por pouco menos de 10% da base total de usuários, calculada em 220 milhões no mundo.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Aloo Telecom: Brasil precisa de um cadastro único de redes de fibra ótica

O crescimento das redes de fibra ótica é desorganizado e faltam informações disponíveis para definir onde investir e maximizar os recursos, afirma o CEO da operadora, Felipe Cansanção. Aloo Telecom analisa a participação no leilão 5G. "Nunca se vendeu tanta capacidade de espectro", adiciona o CEO.

Ufinet, da Enel, entra no mercado de rede neutra no Brasil

Chairman da empresa, Stefano Lorenzi,  assegura que Ufinet não terá vantagem no uso dos postes por ter a distribuidora elétrica como uma das acionistas. "Vamos competir igual com os outros", diz.

Falta um orquestrador para resolver o conflito do uso dos postes

"Não é falta de lei. Não é falta de resolução. É falta de agenda prioritária. Falta uma orquestração efetiva para se tentar resolver o problema", diz o diretor de estratégia e regulatório da Algar Telecom, Renato Paschoareli.

Abranet: Revisão do marco de telecom tem que abrir espaço para voz no SCM

Entidade diz que a revisão do marco legal de telecom exige uma avaliação do mercado de telefonia no Brasil, com ajustes regulatórios capazes de abrir o segmento aos prestadores de SCM, com recursos de numeração e sistemas de áreas de tarifação nos moldes da telefonia celular.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G