SEGURANÇA

Brasil está no top 3 do envio de anexos maliciosos

Ana Paula Lobo* ... 15/06/2015 ... Convergência Digital

O programa malicioso do tipo Trojan-Banker.Win32.ChePro.ink que, no ano passado ocupava a sexta posição, foi o mais popular dentre os enviados por e-mail no primeiro trimestre, revela estudo feito pelo Kaspersky Labs e divulgado nesta segunda-feira, 15/06.

Trata-se de um downloader implementado como um miniaplicativo CPL (componente do Painel de Controle) que baixa trojans para roubar informações financeiras confidenciais. Em sua grande maioria, os programas maliciosos desse tipo têm como alvo bancos brasileiros e portugueses.

Mas, segundo os especialistas de segurança, considerando não apenas os programas em si, mas as características típicas dos programas maliciosos, o Uprate ficou na primeira posição durante o período. Geralmente, os representantes da família Upatre baixam o trojan bancário Dyre (também conhecido como Dyreza ou Dyzap).

Por conta disso, o Upatre também ocupou o primeiro lugar nas estatísticas de ameaças voltadas para bancos. A família Andromeda, que liderou a lista em 2014, caiu para a segunda posição. Vale lembrar que, com esses programas, os criminosos têm controle oculto sobre os computadores infectados que, muitas vezes, se tornam parte de botnets.
 
Em terceiro lugar apareceu a família MSWord.Agent. Esses programas maliciosos são arquivos *.doc que contêm uma macro escrita em VBA executada ao abrir o documento. A macro baixa e executa outros programas maliciosos, por exemplo, um dos integrantes da família Andromeda.

Segundo ainda o Kaspersky Lab, a quantidade de spam detectada no tráfego de e-mail foi de 59,2%, seis pontos percentuais abaixo do registrado no trimestre anterior. Os e-mails indesejados diminuíram de forma gradativa de janeiro (61,68%) até março (56,14%).

A lista dos países que mais enviam spam é liderada pelos Estados Unidos, de onde saíram 14,5% deles, seguidos da Rússia, que mantém o segundo lugar com 7,27%, e da Ucrânia, com 5,56%. Na América Latina, a Argentina ocupa o 7º lugar (3,23%), o Brasil o 10º (2,78%) e o México o 16º (1,73%) dentre os “20 principais”.

O tráfego de spam no primeiro trimestre também incluiu muitos e-mails enviados por domínios de cores, como .pink, .red ou .black, usados com frequência para anunciar sites de namoro asiáticos. De Os especialistas de segurança destacam que os domínios primários dos sites mais importantes foram criados recentemente e alterados constantemente, porém, seu conteúdo não mudava, o que é característica típica dos spams.

“Ao analisar os tipos de spam dos novos domínios neste primeiro trimestre, um dos assuntos predominantes foi a oferta variados tipos de seguros: de vida, de saúde, de imóveis, carros, animais e funerários”, revela Tatyana Shcherbakova, analista sênior de spam da Kaspersky Lab.

O levantamento destaca ainda que, considerando os países que mais enviam anexos maliciosos, Inglaterra, Brasil e Estados Unidos ficam nas primeiras posições com, respectivamente, 7,85%, 7,44% e 7,18%. A Alemanha, que esteve durante muito tempo entre os três primeiros lugares, ocupa agora o quarto lugar, com 6,05%. Itália, Austrália, Índia, Turquia, França e Rússia completam a lista das maiores fontes de spam do mundo.

*Com informçãoes do Kaspersky Lab
 


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

TSE convoca profissionais de TI para testar segurança das urnas eletrônicas

Evento ocorrerá no período de 25 a 29 de novembro, na sede do TSE, em Brasília. Inscrições vão, agora, até o dia 22 de setembro.

Mais de 70% das empresas vão terceirizar adequação à LGPD

Sem tempo para preparar os seus profissionais, 72% das empresas ouvidas em pesquisa da Serasa Experian sustentam que vão ao mercado buscar profissionais para fazer a adequação dos sistemas à LGPD, que entra em vigor em 2020.

Governo: LGPD vai reavaliar o uso e o tratamento de dados

Para o coordenador geral do Centro de Tratamento de Incidentes de Redes de Governo, major Democlydes Carvalho, assim como o trânsito se tornou mais civilizado com a regulação, o mesmo vai acontecer com a segurança de dados a partir da vigência da Lei de Dados Pessoais.

LGPD: 'Invistam o máximo possível capacitação", aconselha especialista

Para o diretor de governança do Imperial College de Londres, Okan Kibaroglu, organizações, públicas ou privadas, precisam de um despertar generalizado para a proteção de dados.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G