SEGURANÇA

Brasil está no top 3 do envio de anexos maliciosos

Ana Paula Lobo* ... 15/06/2015 ... Convergência Digital

O programa malicioso do tipo Trojan-Banker.Win32.ChePro.ink que, no ano passado ocupava a sexta posição, foi o mais popular dentre os enviados por e-mail no primeiro trimestre, revela estudo feito pelo Kaspersky Labs e divulgado nesta segunda-feira, 15/06.

Trata-se de um downloader implementado como um miniaplicativo CPL (componente do Painel de Controle) que baixa trojans para roubar informações financeiras confidenciais. Em sua grande maioria, os programas maliciosos desse tipo têm como alvo bancos brasileiros e portugueses.

Mas, segundo os especialistas de segurança, considerando não apenas os programas em si, mas as características típicas dos programas maliciosos, o Uprate ficou na primeira posição durante o período. Geralmente, os representantes da família Upatre baixam o trojan bancário Dyre (também conhecido como Dyreza ou Dyzap).

Por conta disso, o Upatre também ocupou o primeiro lugar nas estatísticas de ameaças voltadas para bancos. A família Andromeda, que liderou a lista em 2014, caiu para a segunda posição. Vale lembrar que, com esses programas, os criminosos têm controle oculto sobre os computadores infectados que, muitas vezes, se tornam parte de botnets.
 
Em terceiro lugar apareceu a família MSWord.Agent. Esses programas maliciosos são arquivos *.doc que contêm uma macro escrita em VBA executada ao abrir o documento. A macro baixa e executa outros programas maliciosos, por exemplo, um dos integrantes da família Andromeda.

Segundo ainda o Kaspersky Lab, a quantidade de spam detectada no tráfego de e-mail foi de 59,2%, seis pontos percentuais abaixo do registrado no trimestre anterior. Os e-mails indesejados diminuíram de forma gradativa de janeiro (61,68%) até março (56,14%).

A lista dos países que mais enviam spam é liderada pelos Estados Unidos, de onde saíram 14,5% deles, seguidos da Rússia, que mantém o segundo lugar com 7,27%, e da Ucrânia, com 5,56%. Na América Latina, a Argentina ocupa o 7º lugar (3,23%), o Brasil o 10º (2,78%) e o México o 16º (1,73%) dentre os “20 principais”.

O tráfego de spam no primeiro trimestre também incluiu muitos e-mails enviados por domínios de cores, como .pink, .red ou .black, usados com frequência para anunciar sites de namoro asiáticos. De Os especialistas de segurança destacam que os domínios primários dos sites mais importantes foram criados recentemente e alterados constantemente, porém, seu conteúdo não mudava, o que é característica típica dos spams.

“Ao analisar os tipos de spam dos novos domínios neste primeiro trimestre, um dos assuntos predominantes foi a oferta variados tipos de seguros: de vida, de saúde, de imóveis, carros, animais e funerários”, revela Tatyana Shcherbakova, analista sênior de spam da Kaspersky Lab.

O levantamento destaca ainda que, considerando os países que mais enviam anexos maliciosos, Inglaterra, Brasil e Estados Unidos ficam nas primeiras posições com, respectivamente, 7,85%, 7,44% e 7,18%. A Alemanha, que esteve durante muito tempo entre os três primeiros lugares, ocupa agora o quarto lugar, com 6,05%. Itália, Austrália, Índia, Turquia, França e Rússia completam a lista das maiores fontes de spam do mundo.

*Com informçãoes do Kaspersky Lab
 


Globo afirma que ataque hacker não 'roubou' dados de usuários

Houve duas invasões ao sistema de notificações push da Globoplay e da GShow no final de semana. O ataque teria sido conduzido por um grupo hacker da Arábia Saúdita. Segundo a Globo, 'invasores se limitaram a enviar mensagens para toda a base'.

Consciência é a maior vacina contra os riscos cibernéticos

Em tempos de home office por conta do coronavírus, o gerente de segurança do CAIS/RNP, Edilson Lima, diz que cabe ao usuário redobrar seu cuidado. "Cada um tem de fazer sua parte", afirma.

Cibercrime usa Coronavírus para roubar dados pessoais no WhatsApp

Golpe oferece suposto kit gratuito com máscara e álcool gel - a ser dado pelo Governo Federal - para atrair as pessoas mais nervosas em relação à pandemia.

RNP terá programa para formar profissionais em Segurança Cibernética

O diretor da área na Rede Nacional de Pesquisa, Emilio Nakamura, assegura que a intenção é 'acelerar a formação de novos profissionais não apenas na Academia, mas também na inovação aberta'.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G