Convergência Digital - Home

Governo fica para trás no uso de serviços na nuvem

Convergência Digital
Convergência Digital* - 28/08/2015

Um estudo, produzido pela IDC, a pedido da Cisco, revela que 53% das empresas esperam que a adoção da nuvem gere um aumento de suas receitas ao longo dos próximos dois anos. Porém, o dado também representa um desafio para muitas companhias, já que apenas 1% delas dispõe de uma estratégia de nuvem otimizada e 32% não possuem qualquer estratégia. Na América Latina - e não dados específicos para o Brasil, o grau de maturidade para o uso da nuvem é de 29%. Nos Estados Unidos esse percentual é de 34%.

O levantamento identifica cinco estágios de maturidade de adoção da nuvem: ad hoc (temporária, provisória), oportunista, repetível, gerenciada e otimizada. O estudo revelou que as empresas que aumentam sua maturidade de nuvem do nível mais baixo - ad hoc - para os mais altos de nuvem otimizada, apresentam os seguintes resultados:

·10,4% de aumento nas receitas;

·77% de redução dos custos de TI

·99% de diminuição no tempo de prestação de serviços e aplicações de TI

·72% maior capacidade do departamento de TI em atender ao nível de serviço (SLAs)

·Capacidade duplicada de investimento em novos projetos para impulsionar a inovação.

Ainda de acordo com o relatório, cerca de quatro em cada 10 organizações já adotaram serviços de nuvem pública ou privada. Os executivos inquiridos - de 3.400 empresas em 17 países - informam que, até agora, o principal objetivo da adoção do modelo de Cloud Computing tem sido a de aumentar a eficiência e reduzir os custos.

Mas uma "segunda onda" de adoção da nuvem começa a acontecer. Tanto é assim que 54% das corporações entrevistadas esperam que a nuvem - pública, privada, e cada vez mais híbrida - permitam alocar orçamento de TI de forma mais estratégica; e 53% acreditam que a nuvem irá ajudar a aumentar as suas receitas.

Segundo ainda o levantamento da IDC/Cisco, a cloud privada é adotada com mais frequência do que a pública: 44% dos inquiridos já utiliza ou tem prevista a utilização da cloud privada, face a 37% que já utiliza a cloud pública. A cloud privada e a utilização do software de código aberto (como o OpenStack) é associada a maior valor de negócio e a melhores resultados empresariais. A a utilização de cloud híbrida também está crescendo: 64% das organizações consultadas fazem uso, quer em aplicações de mobilidade (48%) ou na combinação de recursos de TI públicos/privados (50%).

Em termos de indústria, acrescenta ainda o levantamento, o setor de manufatura tem a maior porcentagem de empresas em um dos níveis de adoção de nuvem (com 33%), seguido de TI (30%), finanças (29%) e saúde (28%).

Os níveis mais baixos de adoção registrados, na classificação por setor, foram governo/educação e serviços profissionais (22% cada) e varejo/atacado (20%). Ainda na classificação por indústria, os setores de serviços profissionais, tecnologia, transporte, comunicações, e serviços públicos esperam maior impacto sobre seus indicadores-chave de desempenho (KPIs).

*Com informações da Cisco





Destaques
Destaques

Uma empresa utiliza, em média, 1295 serviços na nuvem

Relatório Netskope Cloud Report aponta que as três principais violações de política detectadas em serviços de nuvem corporativa incluem Prevenção a Perda de Dados (DLP), política de atividade na nuvem e, violações de atividade atípica.

Nuvem pública é usada no Brasil para back-up de dados e fluxos locais

A terceira edição da pesquisa Global Data Protection Index, encomendada pela Dell Technologies, mostra ainda que mais de 70% das empresas de médio e grande porte registraram incidentes com dados no Brasil, com um prejuízo médio de R$ 1,5 milhão.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site