INTERNET

Sob críticas, Internet.org muda nome para Freebasics.com

Luís Osvaldo Grossmann ... 24/09/2015 ... Convergência Digital

Em anúncio global que acontece nesta quinta-feira, 24/9, o Facebook vai promover mudanças no Internet.org, o aplicativo para acesso gratuito à rede mundial (ou a uma parte selecionada dela). A principal delas é no próprio nome, um dos alvos dos críticos ao projeto de Mark Zuckerberg: a partir de agora, Internet.org será Freebasics.com.

Ao menos o aplicativo em si, usado em celulares em 18 países – 19 a partir de hoje, com o lançamento no Peru – e que segundo o Facebook reúne mais de 1 bilhão de pessoas um ano depois de ser iniciado na Zâmbia, em julho de 2014. O conjunto de projetos de inclusão digital – como uso de drones – continua sob o guarda-chuva de Internet.org, como uma divisão específica do Facebook.

O Internet.org reúne aplicativos e páginas selecionadas da rede sobre as quais não é computado o uso de franquia de dados – daí sua gratuidade. Essa escolha, no entanto, é alvo de críticas de que a plataforma tenta criar um ‘jardim murado’ que, por ser limitado, não é internet. Daí as queixas de que o próprio nome cria confusão: nem é internet, nem é .org, não é exatamente sem fins lucrativos.

“Recebemos e ouvimos o feedback, no Brasil e no mundo. O nome pode ser confuso, mas nunca foi nossa intenção fazer isso”, afirma o vice-presidente de produto do Facebook, Chris Daniels, que lidera o Internet.org, ao reconhecer que a mudança é resultado direto das críticas. “O importante é garantir conectividade melhora a vida das pessoas, e isso está acontecendo”, sustenta.

A medida não vem só. O anúncio aproveita o lançamento do aplicativo no Peru, nesta mesma quinta, em acordo com a operadora móvel Entel, a segunda maior do país, 19o com o app agora chamado de Freebasic.com. Além da mudança no nome, três outros pontos respondem algumas críticas ao tentar: ampliar o acesso de apps à plataforma, usar mais criptografia e restringir uso de dados pessoais.

“Estamos fazendo uma atualização na política de segurança. Vamos ser muito específicos sobre o que coletado e como é usado. E buscamos mais segurança para encriptar sempre que possível, sempre que o dispositivo possibilitar”, explica Daniels ao Convergência Digital. O terceiro ponto é outra promessa, de que os critérios para inserção de apps no Freebasic.com serão menos restritivos.

Nesse sentido, além de uma plataforma que promete facilitar a vida de desenvolvedores de aplicativos, será possível ao usuário escolher quais quer incluir no Free Basics. “As pessoas poderão navegar por um menu onde podem selecionar quais os serviços querem adicionar à sua lista de serviços gratuitos”, resume o FB.

Em segurança, o anúncio é de que o suporte a HTTPS, já existente na versão Android do Free Basics, está sendo estendido para os serviços na versão web. Mas como reconhece o próprio Daniels, recursos de criptografia ainda dependem dos aparelhos usados – e celulares com tecnologia 2G, relevantes no público alvo do Internet.org, não a suportam.

Na questão dos dados pessoais, a ideia é ter uma política que não se misture com o que já é adotado na rede social Facebook, em particular no sentido de que os dados coletados restrinjam-se a informações brutas, como o volume de transferência de dados de determinado aplicativo incluído no rol daqueles oferecidos dentro do Internet.org, ou melhor, do Free Basics.

 


Dados de 2,4 milhões de brasileiros no SUS teriam vazados. Governo nega

Hacker teria encontrado brecha para divulgar informações do CadSUS, que é o Sistema de Cadastramento de usuários do Sistema Único de Saúde brasileiro (SUS). Ministério da Saúde descarta vazamento, mas encaminhou denúncia à Polícia Federal.

Sérgio Moro cria conta no twitter para “explicar propostas” da Justiça

“Quero explicar aqui o projeto de lei anticrime, além das medidas executivas em andamento do Ministério”, tuitou o ministro, ressaltando que “este twitter é meu mesmo”.

Provedores SCM encostam na Vivo na banda larga fixa

As PPPs fecharam fevereiro com 24,46% do mercado nacional, ou 7,65 milhões de contratos ativos. A Claro segue na liderança com 30,03% do mercado.

2018 foi o ano de consolidação de FTTH na América Latina

Mas para que o uso da fibra óptica continue crescendo serão necessárias ações regulatórias de fomento à banda larga, novas arquiteturas e o uso de novas tecnologias de FTTH, observou o presidente da Fiber Broadband Association, Eduardo Jedruch.

Estudo da Google mostra falta de habilidade dos brasileiros na internet

Embora dominem aspectos básicos como navegação e uso de aplicativos, os brasileiros têm dificuldades com comandos de voz, configurações, dados na nuvem e transações online.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G