TELECOM

Com revisão do modelo, Telecom espera desregulamentação para enfrentar a Internet

Luís Osvaldo Grossmann ... 23/11/2015 ... Convergência Digital

Foi aberto oficialmente o calendário de revisão do marco legal que rege o setor de telecomunicações no Brasil. O governo promete que terá um projeto de lei a apresentar ao Congresso Nacional lá por abril, pouco depois da abertura dos trabalhos legislativos de 2016 – embora ainda dê sinais dúbios sobre onde quer chegar. A pista mais recorrente envolve a premissa de que as operadoras incumbentes precisam de ajuda para conviver com a economia da internet.

De certa forma, das 27 perguntas listadas pelo Ministério das Comunicações há uma que resume a raiz e o objetivo da própria revisão legal: ‘como assegurar a viabilidade econômica das concessões em um cenário de concorrência com empresas autorizadas e Over The Top (OTTs)’, as empresas de alcance global que atuam ‘sobre’ a rede, como Netflix, Whatsapp, Google e Facebook.

Foi também como sintetizou o presidente da Anatel, João Rezende, ao prestigiar a cerimônia que reuniu os interessados de sempre no Minicom, nesta segunda, 23/11, e lembrar que o debate vai, naturalmente desaguar “nos efeitos da economia digital, dos aplicativos, sobre o mercado tradicional de telecomunicações”.

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse o mesmo de outra forma, ao apontar que os investimentos em telecom “permitem usar mais as TICs, um insumo básico como energia, como aço, essencial para a produtividade e o crescimento sustentável. Acesso a TICs de qualidade é, no século 21, uma prerrogativa da própria cidadania”.

Assimetria

A Anatel fala com a experiência de quem começou a trilhar o mesmo rumo institucional há um ano, igualmente com duas dezenas e meia de perguntas à sociedade sobre como salvar as concessionárias dos grilhões que as impedem de competir com as empresas da internet.

Essa lógica foi incorporada pelo Ministério das Comunicações. Está na mencionada pergunta, nas premissas adotadas na ‘contextualização’ do ‘problema’, e também exposta pelo secretário de Telecomunicações, Maximiliano Martinhão, quando aponta que “serviços disponíveis na internet são concorrentes com serviços regulados”.

Assim, tanto o problema como sua solução passam pelo mesmo fio, como acontece nos serviços oferecidos por teles e OTTs. “A infraestrutura hoje é única. Em cima da infraestrutura da telefonia fixa está passando banda larga, TV por assinatura”, pontua Martinhão.

O ânimo para regular OTTs é ainda escasso. “Regulação de aplicativos é um tema extremamente conturbado e uma regulação brasileira por si só não resolve. Tem que ter alguma ação internacional para que a gente possa discutir algo que aflige todos os países. Foros internacionais vão eventualmente propor algum tipo de regulação”, saiu-se o ministro André Figueiredo, das Comunicações.

Não é por menos, portanto, que o “mercado tradicional” defenda o caminho inverso. As maiores empresas do mercado repetidamente se queixam da “assimetria regulatória” e propõem a redução, preferencialmente a eliminação, de obrigações associadas às concessões de telefonia fixa. Em especial, aquela que envolve a reversibilidade de ativos à União.

A Anatel emite sinais de que compartilha dessas ideias – tendo como único senão a criação de um mecanismo fora dos contratos de concessão que permita ao Estado exigir a cobertura de áreas não rentáveis. No governo, ainda não é claro o rumo preferido. No grupo que prepara o projeto de lei há quem prefira outras soluções, inclusive de “regime público” – levar a oferta de banda larga para os contratos. 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Aloo Telecom: Brasil precisa de um cadastro único de redes de fibra ótica

O crescimento das redes de fibra ótica é desorganizado e faltam informações disponíveis para definir onde investir e maximizar os recursos, afirma o CEO da operadora, Felipe Cansanção. Aloo Telecom analisa a participação no leilão 5G. "Nunca se vendeu tanta capacidade de espectro", adiciona o CEO.

Ufinet, da Enel, entra no mercado de rede neutra no Brasil

Chairman da empresa, Stefano Lorenzi,  assegura que Ufinet não terá vantagem no uso dos postes por ter a distribuidora elétrica como uma das acionistas. "Vamos competir igual com os outros", diz.

Falta um orquestrador para resolver o conflito do uso dos postes

"Não é falta de lei. Não é falta de resolução. É falta de agenda prioritária. Falta uma orquestração efetiva para se tentar resolver o problema", diz o diretor de estratégia e regulatório da Algar Telecom, Renato Paschoareli.

Abranet: Revisão do marco de telecom tem que abrir espaço para voz no SCM

Entidade diz que a revisão do marco legal de telecom exige uma avaliação do mercado de telefonia no Brasil, com ajustes regulatórios capazes de abrir o segmento aos prestadores de SCM, com recursos de numeração e sistemas de áreas de tarifação nos moldes da telefonia celular.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G