GOVERNO

Antena que vai controlar satélite geoestacionário brasileiro é instalada em Brasília

Convergência Digital* ... 14/01/2016 ... Convergência Digital

Mais uma etapa da construção do primeiro satélite geoestacionário brasileiro foi concluída com a instalação da antena que fará o controle do equipamento em terra. A antena foi montada no Centro de Comando e Controle do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), localizado no 6º Comando Aéreo Regional (COMAR), em Brasília.

O lançamento do Satélite Geoestacionário está previsto para ocorrer entre setembro de 2016 e fevereiro de 2017. Orçado em R$ 1,7 bilhão, o artefato é construído pela Thales Alenia Space (TAS), empresa franco-italiana, e supervisionado pela Visiona, parceria entre a Embraer e Telebras. O satélite vai permitir cobrir áreas isoladas com internet, atendendo às demandas do Plano Nacional de Banda Larga, e também servir às comunicações estratégicas do Governo Federal.

O secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, Maximiliano Martinhão, reforça que a instalação da antena é uma etapa fundamental no cronograma de construção do satélite geoestacionário. Ele explica que essa antena, de 18 metros de altura, será utilizada para controlar remotamente o satélite, que ficará posicionado a uma distância de 36 mil quilômetros da superfície da Terra.

De acordo com o gerente de Satélite da Telebrás, Sebastião Nascimento, a montagem da antena é muito importante no processo de instalação da estação de controle do satélite. Segundo ele, o trabalho é muito delicado e difícil de ser implementado por se tratar de uma antena de alto desempenho, com requisitos técnicos bastante rígidos.

Uma nova etapa já foi iniciada com testes do mecanismo de movimentação da antena para ajuste dos motores do sistema de apontamento. Técnicos do governo federal estão sendo capacitados na França para assumir as atividades de comando do satélite. Outro estágio do projeto são as plataformas de comunicação e estações de acesso (gateways), de interligação do sistema, cujas licitações estão em andamento. Uma segunda antena auxiliar no comando do satélite também vai ser montada em outro centro de operações, no Rio de Janeiro.

Estrutura

O satélite está sendo fabricado em Cannes, na França. Esse será o primeiro satélite totalmente controlado pelo governo brasileiro e o projeto envolve os Ministérios das Comunicações, da Defesa e da Ciência e Tecnologia. Ele começou a ser construído em janeiro de 2014.

O Satélite Geoestacionário vai pesar 5,8 toneladas e terá capacidade de transmitir 54 gigabits por segundos. A banda Ka – que corresponde a 75% da sua capacidade - será usada para ampliar a oferta de internet no pais. Todo o território brasileiro estará coberto pelo satélite e, assim, será possível levar internet de alta performance a municípios brasileiros onde existe limitação física de acesso, incluindo a região da chamada Amazônia Legal.

O satélite permitirá ainda a extensão da oferta de internet em mais de mil cidades onde a rede terrestre da Telebras – rádio e fibra óptica - não é suficiente para atender toda a população.

O equipamento também estará equipado com a banda X, uma faixa de frequência destinada ao uso militar, que corresponderá a 25% da sua capacidade. Atualmente, as comunicações militares são realizadas por meio do aluguel da banda X em dois satélites da Embratel. Quando o satélite geoestacionário for lançado, o satélite privado será usado apenas como backup.

*Com informações do Ministério das Comunicações


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Assespro: Marco Legal de Startups possui falhas graves

Em documento enviado à Comissão Especial do Marco Legal de Startups, entidade lembra que a legislação não resolve, por exemplo, a questão da falta de garantias de recibmento para a venda ao governo. "Governo demora a pagar os serviços contratados e muitas startups podem entrar em falência".

LGPD: Não fique parado. A Lei pegou e exige mudança cultural

Corporações não devem temer as obrigações da proteção de dados, mas implementá-las passo a passo. Mudanças trarão maturidade aos negócios e vão impulsionar o crescimento, afirmaram Mariana Blanes, do Martinelli Advogados, e José Pereira Junior, da Intelit, no CD em Pauta.

Portal Gov.br soma mais de 80 milhões de brasileiros com login e senha

Portal está unificando toda a oferta de serviços digitais do governo federal. Dados do Ministério da Economia revelam ainda que 2368 serviços estão 100% digitalizados, dos 3870 oferecidos por 190 órgãos federais.

BNDES abre licitação para manter plano de venda do Serpro e Dataprev

Banco de fomento lançou a RFI n° 04/2020 para a contratação de uma consultoria especializada na prestação de serviços de Due Diligences e avaliação econômico-financeira. O prazo para os interessados vai até o dia 13 de outubro.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G