Clicky

GOVERNO » Política Industrial

Indústria teme que governo desista da Lei de Informática para cortar benefícios

Luís Osvaldo Grossmann ... 11/05/2017 ... Convergência Digital

Em que pese o empenho do Ministério de Ciência e Tecnologia, a indústria de bens de informática teme que o governo como um todo não esteja convencido da necessidade de manter uma política industrial para o segmento de tecnologia. Como visto durante a audiência que tratou do contencioso na OMC sobre a Lei de Informática (8.248/91), o tempo é curto e o momento de crise ameaça uma visão estreita sobre os R$ 5 bilhões por ano de renúncia fiscal. 

“Existe uma preocupação enorme que em função de um momento delicado por que passa o país em termos de crise fiscal tenhamos a tendência diminuir os investimentos que o país faz em apoio ao desenvolvimento industrial. Seria um tiro no pé em termos de futuro. É primordial vencermos as resistências internas”, afirmou durante reunião da Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara o presidente da Abinee, Humberto Barbato. 

O MCTIC fez coro, ao sustentar que o retorno, inclusive tributário, a partir da Lei de Informática, é superior aos benefícios fiscais. “A desoneração tributária da Lei de Informática, a renuncia fiscal, é da ordem de R$ 5,2 bilhões ao ano. Entretanto, a arrecadação quando se olha IPI, PIS/Cofins, ICMS das empresas beneficiadas é de quase R$ 9,8 bilhões”, destacou o secretário de Políticas de Informática, Maximiliano Martinhão. 

Como apontou, o conjunto das 673 empresas que se valem da Lei de Informática fatura mais de R$ 107 bilhões, mas apenas R$ 46 bilhões são relativos aos bens diretamente incentivados pela política industrial. Mais de R$ 60 bilhões são do que ele considera um transbordo positivo do instrumento. “Nosso papel é discutir alternativas que preservem esse ativo que o Brasil conquistou ao longo de 25 anos”, completou. 

O tempo para isso, no entanto, é curto. Em dezembro passado saiu a decisão do painel da OMC sobre os contenciosos abertos pela União Europeia e pelo Japão contra instrumentos da política industrial brasileira – além da Lei de Informática, também são questionados instrumentos para o setor automotivo, semicondutores, TV Digital, etc. O Itamaraty vai recorrer, mas não há grande confiança de que a decisão desfavorável ao Brasil seja revertida. 

“O argumento central foi que como os produtos incentivados pela Lei de Informática pagam IPI reduzido, a carga tributária desses produtos seria inferior aos similares importados. A apelação é um procedimento de 60 dias e deve ser concluído até o fim do ano. E como Japão e UE têm insistido em aplicação em 90 dias, o prazo talvez seja mais curto do que gostaríamos. Teríamos que dar cumprimento à decisão no primeiro trimestre do ano que vem”, explicou a chefe da divisão de contenciosos comerciais do Ministério de Relações Exteriores, Daniela Arruda.

Autor do requerimento de audiência, o ex-ministro do MCT Celso Pansera (PMDB-RJ), prega pela apresentação em breve de uma proposta de lei que faça mudanças na Lei de Informática para atender a OMC, mas que preserve a política. “Não deixemos essa coisa explodir no ano que vem, no meio do processo eleitoral, e ainda em meio ao processo conturbado que a gente vive. Não dá para ser uma Medida Provisória. Precisa ser projeto de lei, que é mais demorado, e as coisas precisam ser muito bem pensadas e articuladas. Se deixarmos para em cima da hora, pode muito bem prevalecer a visão simplista de acabar com a política.” Assistam a participação do presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato.


Ministério da Justiça exige cadastro de redes sociais no Consumidor.gov.br

Nova portaria da Secretaria Nacional do Consumidor amplia o rol de empresas que devem fazer parte do portal de mediação online de atendimento aos consumidores. 

Simples de março, abril e maio é prorrogado para segundo semestre

Recolhimento poderá ser feito a partir de julho, com opção de pagamento em duas parcelas. 

Transformação digital: Atenção do governo ao risco de digitalizar a burocracia

“A meta é digitalizar 100% dos serviços, mas o desafio é não fazer mera transposição do que existe para o digital”, afirma o secretário adjunto de governo digital, Ciro Avelino. 

Sobram candidatos e faltam cadeiras para TICs no Conselho Nacional de Proteção de Dados

Além de três das grandes entidades empresariais de tecnologia da informação, ABES, Assespro e Brasscom, os dois assentos setoriais são disputados pela Abert, Sebrae e bureaus de crédito. Pelo menos. 

Identidade Nacional vai funcionar como carteira digital

Governo e TSE formalizam acordo para fazer o Documento Nacional de Identificação (DNI) por meio da troca de dados.  A identidade digital será gerada por um aplicativo gratuito, que pode ser utilizado em smartphones e tablets com sistemas Android e iOS, a ser ofertado pelo governo federal.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G