Clicky

INCLUSÃO DIGITAL

MCTIC abre consulta para plano que prioriza a banda larga em Telecomunicações

Luís Osvaldo Grossmann ... 18/10/2017 ... Convergência Digital

O governo federal apresentou nesta quarta, 28/10, o que pretende ser o sucessor do PNBL, ou seja, uma nova política pública com o mesmo objetivo: levar conectividade para as regiões que ainda não contam com infraestrutura relevante, notadamente redes de transporte em fibra óptica, além de acessos em tecnologias mais modernas, como 3G ou preferencialmente 4G. 

As diretrizes gerais dessa nova política estão em um Decreto, cuja minuta pode ser consultada e está aberta a sugestões pelos próximos 30 dias. Em essência, trata-se de induzir investimentos para regiões desprovidas. “O principal objetivo é levar conectividade para onde ela não existe. E o Decreto esclarece quais são as prioridades”, resume o secretário de telecomunicações, André Borges.

“O Decreto fala de toda estrutura governamental de atuação no setor, do papel do MCTIC, as diretrizes para a Anatel, e o papel da Telebras, especialmente no que diz respeito ao plano de conectividade, papel que foi absolutamente mantido exatamente como está no Decreto 7175/2010”, disse Borges ao se referir ao Decreto que criou o Plano Nacional de Banda Larga, ou PNBL. “Além disso, a gente prevê a utilização dos imóveis do governo federal para instalação infraestrutura”, completou. 

As diretrizes são: 

I – expandir as redes de transporte terrestre de alta capacidade, priorizando:

a) cidades, vilas e aglomerados rurais que ainda não disponham dessa infraestrutura; e

b) localidades com projetos aprovados de implantação de cidades inteligentes;

II – aumentar a cobertura de redes de acesso em banda larga móvel, priorizando o atendimento de:

a) vilas, aglomerados rurais e rodovias federais que não disponham de, no mínimo, tecnologia 3G; e

b) cidades que não disponham de, no mínimo, tecnologia 4G;

III - ampliar a abrangência de redes de acesso em banda larga fixa, priorizando setores censitários sem oferta de acesso à Internet por meio desse tipo de infraestrutura.” 

O Decreto menciona ainda que “os compromissos de investimento priorizarão preferencialmente localidades com maior população potencialmente beneficiada, de acordo com critérios objetivos divulgados pela Agência e observadas as metas fixadas pelo MCTIC”. 

Na prática, trata-se do guia de como usar recursos esperados pela transformação de concessões em autorizações, como prevê o PLC 79/16, com acordos de troca de multas por investimentos, nos TACs da Anatel, e, se der certo, com novos recuros do fundo de universalização das telecomunicações (leia aqui). O novo Decreto também vai unificar em um só outros três que de alguma forma tratam do tema, que são os decretos Presidenciais 4733/03; o do PNBL (7175/2010) e do programa Brasil Inteligente (8776/2016). 

Veja a apresentação do secretário André Borges no lançamento do Plano Nacional de Conectividade.


CCT da Câmara quer rediscutir impacto da venda da Telebras no satélite brasileiro

Proposta de debate foi feita pelo deputado Vitor Lippi (PSDB/SP). Parlamentares querem convocar a estatal, o ministério das Comunicações, o TCU e o ministério da Defesa. Contrato com a Viasat será central no debate.

Mapa de Conectividade avalia oferta de banda larga em 27 mil escolas

Desenvolvida pelo NIC.br, ferramenta permite identitificar acesso à internet, redes disponíveis, medições de desempenho e pode chegar às 140 mil escolas estaduais e municipais.

Engenharia social é um risco grave para crianças e adolescentes

A Internet se tornou o ar que respiramos e para os jovens mais ainda e cabe aos pais terem a noção que segurança da informação é educação de base, recomenda o pesquisador de ameaças na Trend Micro e fundador da comunidade Mente Binária, Fernando Mercês.

Toxicidade da Internet: seu filho pode não ser a vítima, mas o agressor

"Tem uma série de regras de educação, valores da família, formas de se comportar que não valem só para o jogo, para a rede social, valem para a vida”, diz a professora e psicoterapeuta, Ivelise Fortim.

Cert.br: Pais aprendam com as crianças a fazer uma Internet Segura

"Vamos ouvir mais do que falar. Os pais precisam fazer os filhos falarem como atuam na Internet. É uma aprendizagem mútua e necessária", recomenda a analista de segurança Miriam von Zuben. 

Mais de 70% das escolas no Brasil assumem casos de cyberbullying

É imperativo que se trate a Internet como um lugar real e que se responsabilize as pessoas pelos seus atos para evitar os ataques, observou a especialista em comportamento e psicopedagoga Érica Alvim.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G