INOVAÇÃO

Intel: Brasil fica fora dos mercados de IA, IoT e 5G se olhar apenas para o 'próprio umbigo'

Ana Paula Lobo ... 28/11/2017 ... Convergência Digital

A Intel está reconstruindo a sua estratégia e busca se redimir dos erros do passado para abrir suas frentes de negócios e ir além dos PCs, que seguem o carro-chefe das receitas. Entram no radar, datacenters, onde a empresa já reúne 30% do market share, Internet das Coisas, 5G e a velha e boa memória para processamento. "Quem acha que memória é produto do passado está muito enganado. Vai se precisar de mais e mais memória para consumir os dados. Há uma tremenda oportunidade pela frente", observou o diretor-geral da Intel Brasil, Maurício Ruiz, em entrevista ao portal Convergência Digital.

Indagado se esse boom por memória poderia, enfim, trazer uma unidade fabril da Intel para o Brasil, Ruiz foi taxativo: Com as atuais regras do jogo, não há como. "Uma fábrica não é feita para atender a demanda de um país. Ela tem de ser global. E o ambiente de negócios no Brasil é muito desafiador. Está na hora de rever a Lei de Informática. O Brasil pode escolher ficar apenas como consumidor de tecnologia, mas deixará de ser um ator do primeiro time. A produção de tecnologia para a exportação é absolutamente necessária", pontuou o executivo.

Há um ano e meio à frente da Intel Brasil e há quase 18 anos na empresa, Maurício Ruiz sabe que a fabricante precisa reparar os erros estratégicos cometidos em telecomunicações para assegurar um lugar de protagonista nos mercados de Internet das Coisas e 5G. "Estamos fazendo a lição de casa. IoT e 5G são cruciais na nossa estratégia na produção de modems e outros dispositivos", afirmou o diretor-geral da Intel. A Olimpíada de Inverno, em 2018, em Seul, em parceria com a SK Telecom, é o desafio da vez no 5G.

Os carros autônomos também são uma iniciativa da Intel. A fabricante participa de várias implantações de carros autônomos, entre eles, o Waymo, da Google. No Brasil, o cenário do carro autônomo está mais distante, mas Ruiz lembra que a maior parte dos carros está saindo das fábricas já L2 e L3. Para ser autônomo, precisa ser L5. "Vai ser mais devagar, mas é uma tecnologia que chegará", projeta o executivo.

A menina dos olhos é a Inteligência Artificial. "Estamos nesse jogo para vencer", decretou Ruiz. Segundo ele, a meta é fazer com que os sistemas se aproximem o máximo possível do ser humano. Questionado se o Brasil está atrasado em Inteligência Artificial, Ruiz disse que decisivamente não. Mas que será necessária uma política de Estado para incentivar Pesquisa e Desenvolvimento no país. "Somos ávidos consumidores de tecnologia. Temos que ir além e fazer tecnologia. Temos a agricultura para crescer. Mas pensamos em soluções de século 20. Já é mais do que hora de virar para o século 21. O Estado tem que ter política pública para as novas tecnologias", completa o executivo. Nesta segunda-feira, 27/11, a Intel promoveu o Intel Press Summit 2017, em São Paulo.


Cloud Computing
Backup e arquivamento de dados pessoais são os maiores riscos à privacidade de dados

Nos próximos dois anos, as organizações que não revisarem as políticas de retenção de dados para reduzir o volume de informações armazenadas e, por extensão, os dados que são copiados, enfrentarão um enorme risco de não conformidade, bem como os impactos, no bolso, de uma eventual violação.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

DBServer: competitividade exige uma nova maneira de fazer software

Ao completar 25 anos, a companhia gaúcha investe em novas tecnologias, entre elas, Blockchain, com o lançamento, em setembro, de um projeto dedicado à área de saúde, conta Verner Heidrich.

Serviços de voz estão mais vivos do que nunca na jornada digital

Quem pensa que os serviços de voz serão secundários está cometendo um erro, pontuou Douglas Silva, executivo da AWS. "Acreditamos que nos próximos 24, 36 meses a voz vai evoluir de apenas serviço informacional para transacional".

Febraban: o céu é o limite para modelos de negócios com blockchain

A blockchain bancária é ainda uma produção pequena, mas é um marco para o setor, observa o diretor setorial de Tecnologia da Febraban, Gustavo Fosse. Sobre o Open Banking, a única certeza é que ele vai vir e já no ano que vem.

Distributed Ledger: open source e blockchain unem esforços

Para o diretor de DCX das Capgemini, Thiago Nascimento, a tecnologia de livro-razão (Distributed Ledger) será disruptiva e exigirá a interoperabilidade do setor financeiro.

AWS vira aceleradora virtual de projetos voltados à educação no Brasil

Iniciativa, que foi lançada há dois anos nos EUA, já destinou US$ 2 milhões para startups e empresas de tecnologias da área educacional. Prazo para a análise de um projeto é de 12 dias. "É para fazer acontecer mesmo", disse o country manager do setor público da AWS, Paulo Cunha.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G