Clicky

Teles reduzem número de reclamações. Cobrança ainda é o calcanhar de aquiles

Convergência Digital* ... 15/01/2018 ... Convergência Digital

Em novembro do ano passado foi registrado um total de 263,3 mil reclamações de usuários contra prestadoras dos serviços de banda larga fixa, de telefonia móvel, de telefonia fixa e de TV por Assinatura na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), redução de 47,1 mil queixas (-15,2%) quando comparado com o mesmo mês do ano passado. A telefonia móvel apresentou queda de 27,7 mil reclamações (-17,9%), seguida da telefonia fixa com redução 13,7 mil queixas (-19,3%), da banda larga fixa com diminuição de 3,9 mil reclamações (-8,8%), e da TV por Assinatura com menos 2,3 mil queixas (-6,1%).

Na telefonia móvel e na telefonia fixa todos os grupos acompanhados individualmente pela Anatel apresentaram redução nas reclamações em novembro deste ano quando comparado com o mesmo mês de 2016. Na telefonia móvel, a Vivo com 13,4 mil reclamações a menos teve a maior redução de queixas (-32,7%), seguida pela Claro com menos 4,6 mil (-15,3%), TIM com diminuição de 3,9 mil (-7,0%), Nextel com redução de 3,3 mil (-35,1%), e Oi com menos 2,6 mil reclamações (-13,1%). Na telefonia fixa, a OI registrou 9,9 mil reclamações a menos (-25,0%), seguida da Vivo com redução de 3,6 mil (-16,8%) e da NET com menos 0,5 mil reclamações (-5,7%).

Nos grupos acompanhados individualmente pela Anatel na TV por Assinatura, a Sky com acréscimo de 1,6 mil reclamações (+13,5%) foi o único grupo que registrou aumento em novembro de 2017 em relação ao mesmo mês do ano passado. No entanto, apesar de o Grupo NET/Claro ter registrado 2,1 mil reclamações a menos (-11,5%), separadamente a NET registrou aumento de 0,4 mil queixas (3,1%) e a Claro redução de 2,5 mil reclamações (-38,6%). A Oi teve menos 1,4 mil queixas (-30,8%) e a Vivo menos 0,3 mil (-12,2%).

Na comparação entre novembro de 2017 e novembro de 2016, a NET apresentou um acréscimo de 0,8 mil reclamações na banda larga fixa (+ 12,5%). A Oi registrou queda de 4,1 mil (-20,3%) e a Vivo menos 2,5 mil queixas (-18,5%).

Reclamações por serviço

A telefonia móvel pós-paga respondeu pelo maior conjunto de queixas sendo que o ponto central foi relativo à cobrança (48,0%), seguido por reclamações relativas às ofertas e promoções (9,8%) e à qualidade, funcionamento e reparo (9,4%). Nos pré-pagos móveis, as reclamações relativas a crédito formaram o maior conjunto no mês (46,0%), ofertas e promoções ficaram em segundo (16,5%), seguidas das queixas sobre qualidade, funcionamento e reparo (13,9%).  Na telefonia fixa, cobrança formou o principal conjunto de reclamações em novembro (40,0%), seguida das de qualidade, funcionamento e reparo (21,5%) e de cancelamento (7,7%).

Na TV por Assinatura, a cobrança foi principal motivo de queixa dos usuários do serviço (46,9%), seguido de bloqueio ou suspensão (11,0%) e de ofertas e promoções (9,9%). Na banda larga fixa, qualidade, funcionamento e reparo foram os principais motivos de queixas dos usuários (46,2%), seguido de reclamações relativas à cobrança (22,8%) e à instalação ou ativação do serviço (9,5%).


Internet Móvel 3G 4G
É hora de cumprir a promessa do 5G

A afirmação é do VP e chefe de Negócios de rede da Ericsson, Fredrik Jedling. Segundo ele, a digitalização feita pelo 5G terá papel central na recuperação do mundo pós-pandemia de covid-19.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

TIM emite R$ 1,6 bilhão em debêntures vinculadas à ESG

Operação é a primeira realizada por uma empresa de telecomunicações no país. Tele diz que todos os recursos arrecadados serão investidos em infraestrutura, em especial, no 5G.

Justiça condena Claro e Mercado Pago a indenizar dono de celular sequestrado

Jusitça usou o Código de Defesa do Consumidor como base para estabelecer a punição aos prestadores de serviços. Consumidores tiveram telefone registrado em outro chip e dinheiro sacado de plataforma de intermediação de pagamentos.

Pernambucanas investe em chip próprio de telefonia móvel

Varejista investe em telefonia MVNO em parceria com a Surf Telecom. Modelo de negócio não exige fidelidade e não cobra multas e não há plano fixo.

Anatel busca consultoria para implementar acesso dinâmico a espectro

Contratação será feita pela União Internacional de Telecomunicações e envolve análise do arcabouço normativo e proposta de novas possibilidades de regulação.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G