Home - Convergência Digital

EUA quer ter controle da rede 5G para evitar espionagem chinesa

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 29/01/2018

A equipe de Segurança Nacional do presidente Donald Trump defende que o governo dos Estados Unidos controle a rede 5G do país como forma de evitar espionagem da China. Um documento com essa estratégia foi divulgado neste domingo, 28/01, pelo site de notícias Axios.com, mais tarde reafirmado em entrevista à agência Reuters. 

A justificativa colocada é a tentativa de impedir que a China seja capaz de ouvir as conversas dos norte-americanos e se baseia no que é visto como superioridade tecnológica chinesa nas modernas redes de telecomunicações móveis. Segundo o documento divulgado pelo Axios, “a China alcançou posição dominante na manufatura e operação de infraestrutura de rede”. 

Sob essa lógica, a estratégia – que ainda não teria sido apresentada à Trump – prevê a criação de uma rede nacional 5G nos próximos três anos sob controle estatal, que então poderia ser ‘alugada’ para as operadoras privadas dos Estados Unidos. 

A ideia parece um contrassenso em um país que defende a privatização generalizada. Mas é fato que tanto o governo como o Congresso dos EUA já vêm adotando uma postura restritiva a interesses chineses no país. Em 2012, vale lembrar, Huawei e ZTE foram carimbadas como ameaças à segurança nacional. 

Além disso, se uma rede nacionalizada 5G é coisa de sonhos de assessores de segurança, os aparelhos smartphones chineses já são alvo de medidas práticas. Em janeiro, segundo reportagem da Reuters, a AT&T foi obrigada a desistir de oferecer aparelhos fabricados pela Huawei para seus clientes. A pressão é no sentido de que negócios com empresas de telecomunicações da China poderão prejudicar contratos com o governo americano. 

Não custa lembrar que quando das denúncias de Edward Snowden sobre a espionagem global praticada pelos EUA, uma das ferramentas mencionadas era a facilidade de acesso que o governo americano tem sobre comunicações, notadamente quando utilizados equipamentos de rede fabricados nos Estados Unidos. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

18/10/2019
Proposta para 5G reserva espectro em 26 GHz para redes privadas

17/10/2019
Campina Grande, na Paraíba, recebe laboratório de 5G

17/10/2019
Anatel surpreende na proposta do modelo para leilão 5G

16/10/2019
Queremos o 5G apenas nas grandes cidades?

14/10/2019
Alemanha ignora pressão dos EUA e mantém Huawei no páreo para 5G

11/10/2019
TIM leva para as lojas a experimentação do 5G

10/10/2019
Algar Telecom faz testes comerciais com 5G em Uberlândia

10/10/2019
Edge computing é base para aplicações 5G

07/10/2019
Satélites x 5G: GSMA sobe o tom em defesa da nova geração nas ondas milimétricas

07/10/2019
Com OpenRAN, Intel quer abocanhar mercado 5G de Ericsson, Huawei e Nokia

Destaques
Destaques

5G chegará a 75 milhões de conexões na América Latina até 2023

Até lá, a tecnologia LTE segue com um crescimento considerável. Em junho foram 4,7 bilhões de conexões, ou 53% de todas as conexões celulares no mundo, revela a 5G Americas.

TVs defendem migração da banda C para Ku e calculam custo em R$ 2,9 bilhões

Abratel, que representa Record e Rede TV!, apresentou formalmente à Anatel uma proposta de migração das transmissões como forma de evitar a interferência do uso da faixa de 2,5 GHz nas antenas parabólicas.  

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site