Home - Convergência Digital

Ericsson e Vivo montam rede 3G/4G em Roraima para minimizar estado de calamidade pública

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo* - 15/03/2018

A Ericsson e a Vivo montaram uma rede 3G/4G para atender a cidade de Pacaraima, porta de entrada no Brasil dos imigrantes venezuelanos, que, hoje, já são quase 40 mil no Estado de Roraima. A parceria também prevê a implantação de um laboratório na Universidade Federal de Roraima (UFRR), para inclusão digital através de cursos de capacitação para os imigrantes. O acordo teve a participação do governo brasileiro, que permitiu acesso às torres de energia.

Atualmente, a cidade de Pacaraima conta apenas com cobertura 2G, o que inviabiliza, por exemplo, o registro e integração das informações dos venezuelanos que tentam dar entrada no pedido de asilo junto à Polícia Federal. Além disso, a falta de conectividade limita qualquer outra ação que possa ser desenvolvida no local. "Estamos colocando quatro enlaces de rádio para atender essa região. A Vivo puxou 200 km de fibra óptica para permitir que o 4G funcionasse nessa cidade, que fica na fronteira. É um modelo complexo, se fosse pensar apenas no lado financeiro, não haveria o retorno, a conta não fecha. Mas é uma iniciativa de inclusão. Estamos levando desenvolvimento econômico para essa cidade. Os serviços vão funcionar como não funcionavam. Inclusão digital e social", observa o presidente da Ericsson, Eduardo Ricotta.

Em Boa Vista, para onde os venezuelanos seguem para darem entrada ao pedido de asilo para obterem a condição de permanência legal no país, o problema de conectividade também impacta o dia a dia das atividades da Polícia Federal: a instituição não consegue enviar os dados para Brasília, uma vez que a internet usada pelo órgão tem capacidade muito limitada. Atualmente, estima-se que mais de 10% da população de Boa Vista seja de imigrantes venezuelanos.

Uma iniciativa que entusiasma é a a oferta dos cursos profissionalizantes. Eles serão divididos em módulos com dois meses de duração. Haverá desde cursos mais básicos para inclusão digital até cursos sobre temas mais avançados voltados para pessoas com um nível mínimo de escolaridade. As aulas serão ministradas no laboratório que será instalado na UFRR. "Vamos capacitar que não tem conhecimento da tecnologia móvel e vamos também levar conhecimento para quem já tem um nível mais avançado. Capacitar é a melhor maneira de reduzir diferenças", completa o presidente da Ericsson Brasil.

O projeto inclui também a conexão do novo Centro de Referência ao Refugiado e Migrante, que está em fase de instalação no campus da UFRR em parceria com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e a Polícia Federal, com o objetivo de melhorar o atendimento aos venezuelanos e à população local. As instalações atuais não comportam a demanda diária de pedidos de asilo por parte dos venezuelanos, o que tem provocado as cenas desumanas de grande concentração de pessoas dormindo em barracas e abrigos improvisados nos arredores da PF e em espaços públicos da cidade de Roraima. Os valores investidos não foram revelados pelas partes.


Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

07/02/2020
Femtocells terão tratamento igual a dos roteadores Wi-Fi na Anatel

14/11/2019
Liberação da faixa de 700 MHz aumentou velocidade e tempo de uso do 4G

25/10/2019
FCA e Sebrae lançam desafio de até R$ 100 mil para carro conectado

23/09/2019
UIT: Mundo tem dificuldade para levar Internet aos 3,7 bilhões desconectados

14/08/2019
Melhor horário para navegar no 4G é às 4 da manhã na América Latina

23/07/2019
TIM e Vivo vão compartilhar redes 2G e 4G em 700 Mhz

29/03/2019
Um terço dos brasileiros desperdiça dados móveis

18/01/2019
Brasil alocou 609 MHz para banda larga móvel

06/09/2018
América Latina restringe espectro e fica longe da meta da UIT

22/08/2018
MCTIC, Anatel e operadoras fazem força-tarefa por mais antenas no Brasil

Destaques
Destaques

Governo do Brasil ainda avalia restringir Huawei na implantação do 5G

MCTIC estuda a publicação de um novo Decreto, ou em forma de Portaria, com normas para cibersegurança específicas para o setor de telecomunicações. A estratégia Nacional de Segurança Cibernética, recém-lançada pelo Governo, tratou - de forma genérica- o tema 5G.

5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Tecnologia é apontada como 'uma revolução na comunicação de dados, no potencial de emprego de equipamentos de Internet das Coisas e na prestação de novos e disruptivos serviços".

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site