TELECOM

Cemig vende infraestrutura de telecom para American Tower e Algar por R$ 649 milhões

Ana Paula Lobo* ... 08/08/2018 ... Convergência Digital

A Cemig fechou nesta quarta-feira, 08/08, a venda dos seus ativos de telecomunicação para a norte-americana American Tower, que comprou as torres de celulares e prepara uma rede para Internet das Torres, e para a Algar Soluções por um valor total de quase R$ 649 milhões. O negócio, que faz parte de um amplo plano de desinvestimentos da companhia para reduzir dívidas, recebeu propostas finais mais de 70% acima do preço mínimo pelos ativos, projetado em R$ 367,5 milhões.

Em sessão presencial realizada na sede da companhia em Belo Horizonte, Minas Gerais, a American Tower fez uma proposta de R$ 571 milhões pelo primeiro e maior lote, que compreende a rede óptica da companhia em cidades de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, além de infraestrutura de pontos de presença e equipamentos da rede. A Claro até chegou a entrar no data room, mas não apresentou proposta. A TIM, que era esperada, nem entrou no data room.

O segundo lote foi arrematado pela Algar Soluções, com lance de R$ 77,89 milhões, superando uma oferta da American Tower de 38 milhões de reais. Esse lote inclui a rede ótica da Cemig em cidades de Goiás, Bahia, Pernambuco e Ceará, além da infraestrutura de pontos de presença e equipamentos associados. A aquisição é relevante até porque a Algar está investindo pesado na região Nordeste.

Os ativos chegaram a ser avaliados por 16 grupos, mas apenas duas operadoras concretizaram as propostas. Agora, o leilão tem prazo até 16 de agosto para apresentação de recursos por parte de interessados.

*Com agência Reuters


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

PGR:Lei de Santa Catarina que proíbe cobrança de valor adicionado é inconstitucional

“Lei estadual que proíbe a oferta e a cobrança de serviços de valor adicionado pelas prestadoras de serviços de telecomunicações é inconstitucional por usurpação da competência material e legislativa da União”, sustenta o procurador-geral da Repúublica interino, Alcides Martins.

TJ-RJ mantém condenação da Oi em R$ 200 milhões por contrato na área de games

Por não enxergar nulidade no laudo pericial que atestou as perdas e danos sofridas pelo rompimento do contrato de prestação de serviços de jogos eletrônicos, a 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, negou o agravo da operadora.

Força-tarefa da Anatel interrompe 25 emissoras clandestinas em São Paulo

Operação estava interferindo no controle de tráfego aéreo do aeroporto de Guarulhos. Também foram desmantelados 20 pontos onde a energia elétrica que alimentava os equipamentos de transmissão era furtada, com apreensão de cerca de uma tonelada de cabos de energia, em conjunto com a distribuidora local.

Prazo para questionar serviço não contratado de telefonia é dez anos

Superior Tribunal de Justiça entendeu que se aplica o artigo 205 do Código Civil. Seguindo o voto do relator, ministro Og Fernandes, a Corte aplicou ao caso o entendimento que resultou na Súmula 412 para as tarifas de água e esgoto.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G