Convergência Digital - Home

Google: Não nos descartem do jogo de computação em nuvem

Convergência Digital
Convergência Digital - 05/11/2018

O Google não desistiu do jogo da computação em nuvem, mesmo ficando atrás dos rivais Amazon e Microsoft. A afirmação é da CFO da Alphabet e Google, Ruth Porat. Segundo ela, os investimentos na plataforma Google Cloud seguem sendo prioridade. E uma estratégia é a aquisição de talentos para montar o melhor time do mercado.

De acordo com a CFO, o Google, hoje, possui 5314 funcionários,s endo a maioria engenheiros e gerentes de produtos, a maioria para os projetos voltados para o Google Cloud. "Da nossa perspectiva, não parece um jogo de soma zero", acrescentou o CEO do Google, Sundar Pichai.

Segundo o executivo, há uma grande oportunidade de mercado e parece ser muito cedo para definir quem são os 'vencedores' dessa partida. "Estamos alinhados ao que o mercado quer: uma arquitetura aberta capaz de não bloquear as empresas e com suporte aos diferentes ambientes da nuvem", completou o executivo. As afirmações foram feitas em teleconferência de resultados no final de outubro, nos Estados Unidos.


Destaques
Destaques

Computação em nuvem protagoniza investimentos no Brasil

Crescimento anual das ofertas de cloud é estimado em 26% até 2022. Já os aportes em em Inteligência Artificial vão crescer 29% nos próximos quatro anos.

Embratel: Ao definir preferência pela nuvem, governo agiliza jornada digital

Definição nas compras governamentais por cloud first transforma a contratação de serviço, pontua o gerente executivo de vendas de TI da Embratel, Odélio Horta Filho. Compras governamentais e o uso das novas tecnologias como IA, Machine Learning e IoT serão tema de debate no Brasscom TecFórum, em Brasília.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.

Intuição versus análise de dados na gestão

Por Douglas Scheibler*

O poder decisório significa alta responsabilidade e inúmeros riscos. Neste cenário caótico, analisar dados é indispensável e é o que justifica uma determinada medida ser considerada como correta, em um cenário específico, em detrimento de outras.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site