Home - Convergência Digital

Para geração Z brasileira, tecnologia vai tornar ambiente de trabalho mais justo

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 13/11/2018

Uma pesquisa encomendada pela Dell Technologies, realizada pela Dimensional Research, identificou que a maioria dos jovens brasileiros (85%), entre 16 e 23 anos, deseja trabalhar com o desenvolvimento ou implementação de novas tecnologias. O estudo, realizado em 17 países, incluindo o Brasil, mostra as expectativas e a relação da Geração Z (nascidos entre 1995 e 2002) com a tecnologia no mercado de trabalho. O estudo, que entrevistou 704 jovens no Brasil, mostra que a Geração Z aposta que os novos recursos e o volume de dados analíticos oferecidos pela tecnologia permitirão ambientes de trabalho mais justos e igualitários, que prevenirão a descriminação baseada em sexo, raça ou idade.

Além de otimistas com os benefícios que a tecnologia trará em suas carreiras, os entrevistados também apontam que trabalhar com novos formatos tecnológicos é um dos principais atrativos para entrada no mercado de trabalho – 79% dos jovens brasileiros consultados estão interessados em trabalho com tecnologia de ponta e 94% indicam que a tecnologia oferecida pelo futuro empregador será um dos fatores decisivos para escolher entre empregos similares.

Outro dado apurado pelo estudo, aponta que a Geração Z brasileira tem expectativas em relação ao trabalho que vão além da compensação financeira. A meta da maioria dos entrevistados (48%) é trabalhar em uma empresa que tenha consciência ambiental e social, enquanto 38% querem um trabalho que tenha significado e propósito, além do salário. Diferentemente do senso comum, a maioria dos jovens consultados (39%) ainda valoriza a comunicação presencial como a forma preferida no ambiente de trabalho. Curiosamente, mensagens de texto em aplicativos como WhatsApp, ficaram em último lugar.

“O estudo traça o perfil de um jovem conectado que vê a tecnologia como uma parte essencial da equação em busca do equilíbrio entre a vida pessoal e a profissional”, explica Diego Puerta, Vice-presidente para Consumidor Final e Pequenas Empresas da Dell Brasil. “Esse contexto demanda que as empresas preparem sua estrutura de tecnologia para que combine os atributos e os benefícios que a Geração Z procura, com a segurança e confiabilidade que o negócio precisa”, conclui.

Embora a maioria dos jovens (79%) observe a segurança dos dados pessoais e corporativos como uma alta prioridade, apenas 38% deles afirmam que estão fazendo tudo que podem para proteger suas informações. Quase em sua totalidade (97%), a Geração Z reconhece que suas postagens em redes sociais podem ter um impacto em suas futuras vidas profissionais.

O otimismo e o desejo de trabalhar com a tecnologia no ambiente de trabalho, no entanto, não se traduz na confiança para encarar os primeiros desafios do mercado de trabalho. No estudo, 95% dos consultados estão preocupados com a transição da escola e da faculdade para uma profissão – 42% citaram a falta de experiência, 30% mencionaram a instabilidade dos empregos oferecidos para recém-formados e 19% estão receosos por ainda não saberem o que querem fazer profissionalmente.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

13/06/2019
Senai faz acordo com AWS para ensinar tecnologia a 2,5 milhões de alunos

10/06/2019
Plataforma gratuita CODE-IoT da Samsung qualifica mais de 50 mil pessoas no Brasil

16/05/2019
Assespro é contra a regulamentação da profissão de TICs

10/05/2019
Startup de Curitiba cria plataforma gratuita com mais de 77 cursos diferentes

06/05/2019
Quem são os novos CIOs, CDOs e CTOs na TI brasileira?

02/05/2019
São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul lideram a busca por profissionais de TI

18/04/2019
Ciência na Escola terá R$ 100 milhões para formar cientistas

12/04/2019
O profissional do futuro de TI é alguém que ninguém conhece

09/04/2019
TICs podem formar 1 milhão a cada quatro anos com recursos já existentes

01/04/2019
Inteligência emocional faz a diferença na escolha do profissional de TIC

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

Falta de mão de obra qualificada espanta investidores no Brasil

Mais de 50% dos jovens brasileiros podem ficar fora do mercado de trabalho por falta de qualificação e de habilidades digitais. A advertência foi feita por especialistas que debateram sobre educação e capacitação digital no Painel Telebrasil 2019.

Assespro é contra a regulamentação da profissão de TICs

Entidade das empresas de TI se posiciona contrária ao PLS 317/17. que passa a exigir diploma de profissões como Analista de Sistemas, desenvolvedor, engenheiro de sistemas, analistas de redes, administrador de banco de ados, suporte e profissões correlatas.

Mais de meio milhão de brasileiros trabalham com TICs

Raio-X do mercado de trabalho nos últimos 10 anos, feito pela Softex, mostra que o salário médio de R$ 6 mil.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site