INOVAÇÃO

CNJ cria laboratório de inteligência artificial para processo eletrônico

Convergência Digital* ... 07/12/2018 ... Convergência Digital

O Conselho Nacional de Justiça anunciou durante o 12o Encontro Nacional do Poder Judiciário, nesta semana, que trabalha na criação de um laboratório de inteligência artificial. O foco será o desenvolvimento de soluções de ponta para os processos judiciais eletrônicos.

“Informação é poder. Vivemos em um país com uma vida altamente judicializada. Quanto não valem as informações depositadas nos bancos de dados dos tribunais?”, afirmou o presidente da Comissão Permanente de Tecnologia da Informação e Infraestrutura do CNJ, Márcio Schiefler.

Segundo o presidente da Comissão de TI, o Poder Judiciário deve assumir protagonismo nesse campo em que o setor privado já oferece serviços aos tribunais em troca do livre acesso às informações processuais. Ou seja, o CNJ e as cortes devem assumir a liderança.

A iniciativa será desenvolvida por meio de um convênio com o Tribunal de Justiça de Rondônia, que desenvolveu um sistema para criar modelos de inteligência artificial na área de processamento de linguagem natural, aquela com maior aplicação no Judiciário.

Segundo o CNJ, o primeiro produto desse novo laboratório de inteligência artificial é um gabinete inteligente para atuação dos magistrados. Ele será entregue no primeiro semestre de 2019, pois já é utilizado no TJRO e está sendo customizado para o PJe.

Entre os exemplos citados para atuação da IA figura a busca por maior qualidade nas execuções fiscais, um dos maiores gargalos da Justiça brasileira. Ao fazer o anúncio, o CNJ lembrou que esse campo já conta com ferramentas desenvolvidas, caso do sistema Victor, do Supremo Tribunal Federal, e o Sinapses, do TJ-RO.

* Com informações do CNJ


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Arquitetura distribuída: uma tendência que vai chegar ao Brasil

Na China, conta Daniel Leung, chefe de Fintechs e Arquitetura na Forms Syntron, ao trocar a arquietura tradicional pela distribuída, um banco ficou apto a suportar até 100 milhões de contas correntes.

Adarsh Kumar, Capgemini: open banking é transformador, mas dados pertencem aos clientes

O open banking vai mudar o modelo de serviços bancários, afirma o CTO e líder de cibersegurança para a América Latina da Capgemini.

Thales Teixeira, da Harvard: disrupção digital vai muito além da tecnologia

"Unidades de negócios podem se tornar desnecessárias em empresas estabelecidas, e o CEO terá de tomar decisões relevantes", adverte o professor Thales Teixeira, da Harvard Business School.

Bradesco: Next não vai 'matar' o banco tradicional

O diretor-presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, garante que os dois modelos de negócio irão conviver, mas admite que as agências físicas vão mudar de perfil. Também revela que o Next mira um público mais jovem.

Brasileiro quer dar adeus às senhas com o uso maior da biometria

Sonho de consumo, revelado em estudo da IDEMIA, é de usar biometria para pagamentos online e para acessar ambientes dentro da própria casa. Brasil desponta em primeiro lugar no uso da biometria pela impressão digital, mas despenca posiçoes no uso do reconhecimento facial.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G