Convergência Digital - Home

RNP muda para ir ao mercado e oferecer serviços de nuvem

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 19/12/2018

Responsável pelo backbone e a conectividade das universidades e centros de pesquisa brasileiros, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa passa por uma reestruturação institucional que coincide e endereça o início da operação comercial de serviços de computação em nuvem.

Criada ainda em 1989, a RNP só começou a efetivamente implantar a rede que hoje interliga a Academia brasileira uma década depois. E outra década se passou. “Muita coisa mudou em 10 anos. As novas definições têm mais a ver com o momento e com o futuro da RNP”, afirma o diretor-geral Nelson Simões.

Mais do que a rede em si, restruturação formalizada pela portaria 3.825, conjunta entre MEC e MCTIC determina que a RNP agora deve “projetar, implantar, manter e desenvolver uma ciberinfraestrutura nacional para uso na educação, pesquisa e inovação brasileiras, ofertando serviços de comunicação, computação e armazenamento de alta capacidade e desempenho”, “infraestrutura de redes”, “serviços e aplicações avançadas”.

Há mais de um ano a RNP começou a oferecer serviços de nuvem, atuando como broker e orquestrando entre Google e Microsoft, no que até aqui é a oferta de conteúdos educacionais. “Fizemos essa oferta educacional como piloto e vamos para a oferta comercial em 2019, o que vai incluir acordos com outros provedores. Estamos fazendo em conjunto com as áreas de TI das universidades e para elas vai representar uma grande simplificação”, explica Simões.

Além dos backbones da Rede Ipê, a RNP ganhou capilaridade com o projeto de interiorização das redes (Veredas Novas) e com a criação de redes metropolitanas (Rede Comep). A expansão foi também impulsionada pela obrigação da Oi de fornecer infraestrutura, uma das condições para comprar a Brasil Telecom. Esse compromisso acaba em 2020 e a RNP avança na substituição por acordos com o setor elétrico.


LEIA TAMBÉM:
Destaques
Destaques

CNJ não libera contrato de R$ 1,3 bilhão do TJ/SP com a Microsoft

Mas autoriza o prosseguimento das negociações entre as partes. Decisão final sairá em plenária, ainda não agendada.

Big data e Analytics têm receita projetada em R$ 16,8 bilhões

A cloud pública também mostra crescimento e deve chegar a R$ 10 bilhões de receita no final do ano, de acordo com estudo da IDC, encomendado pela ABES. Com relação à Inteligência Artificial, o levantamento indica que, no Brasil,15,3% das médias e grandes empresas têm essa tecnologia entre as principais iniciativas e espera-se que isso dobre nos próximos quatro anos.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.

Intuição versus análise de dados na gestão

Por Douglas Scheibler*

O poder decisório significa alta responsabilidade e inúmeros riscos. Neste cenário caótico, analisar dados é indispensável e é o que justifica uma determinada medida ser considerada como correta, em um cenário específico, em detrimento de outras.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site