Home - Convergência Digital

Amdocs: TV paga precisa mudar para sobreviver à nova era do conteúdo

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo - 13/02/2019

Os brasileiros estão, sim, cortando a TV paga tradicional (“cord cutters”) por conta dos aplicativos de conteúdo, os SvoD, onde a Netflix nada de braçada, e os OTTs, como You tube e, dentro de pouco tempo, o próprio Facebook, que está comprando a transmissão de conteúdos exclusivos, especialmente, o futebol, revela estudo feito pela Amdocs. Na disputa pelo assinante, adverte o VP para a América Latina da companhia, Renato Osato, não faz sentido e dói no bolso usar apenas o 4G - e a melhoria clara da sua cobertura - para suportar a demanda de streaming.

"As teles vão ter de repensar a estratégia de WiFi para enfrentar o novo momento. O conteúdo ainda é o dono da festa, mas a publicidade é o grande diferencial e quem vai pagar a conta e está entrando como conteúdo. A combinação 4G e WiFi é imperativa, como também será a fibra, com o 4G e o WiFi. A transmissão terá de ter qualidade cada vez melhor e estável, nas telas alternativas que não a da TV tradicional", reforçou o executivo, durante coletiva de imprensa, nesta quarta-feira, 13/02, na capital paulista.

A pesquisa deixa claro que a  TV paga tradicional vai continuar perdendo base se não mudar. O estudo apurou que grande parte dos consumidores brasileiros - 61% - já é assinante de mais de um provedor de conteúdo. E mais: 70% dos entrevistados estariam dispostos a assinar mais de um serviço de conteúdo se houvesse o chamado 'pacote perfeito', ou seja um bundle personalizado. Isso impõe uma mudança de atitude das programadoras, donas do conteúdo.

"A cadeia fica engessada mesmo. As programadoras querem vender mais e mais canais para ter rentabilidade. Mas muita gente não quer mais ter 150 canais, quando assiste 10 no máximo. Eles querem uma carteira personalizada", observou Osato. Corroborando a busca pelo pacote perfeito, 75% dos participantes brasileiros explicitaram não estarem satisfeitos com a variedade de conteúdo de vídeo e TV a qual têm acesso, mesmo gastando, em média, R$ 250,70 por mês nesse tipo de assinatura.

A pesquisa indica que enquanto o mercado de TV por assinatura deve ficar estável até 2022 na América Latina, para os OTTs, será de crescimento exponencial, num indicativo que eles conseguirão atrair clientes que nunca sequer assinaram contrato com uma operadora de televisão. O estudo adianta que o SVoD vai crescer de pouco mais de 20 milhões de usuários na América Latina em 2018, para 35 milhões em 2022.

“No Brasil, para cada contrato perdido por uma operadora de TV em 2017, os SVoD conquistaram três novos, o que significa que não é apenas um desligamento por crise econômica. É opção mesmo”, observa Jesus Luzardo, head de marketing da Amdocs para a América Latina e Caribe.

Dados do estudo mostram que a Netflix é líder absoluta e está presente em 24% das residências com alguma assinatura SVoD.  O relatório mostra ainda que  pacote 'perfeito' do brasileiro deveria ter: séries de 'binge-watching', ou seja, que tenha prioridade para quem vê primeiro, eventos e shows ao vivo e acesso aos jogos e comepetições do seu time específico.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

05/06/2019
TV Paga: conversor pirata é o 'barato que sai muito caro', adverte a Anatel

04/06/2019
Oi personaliza VOD para aumentar carteira de clientes na TV paga

29/05/2019
TV por assinatura: Quase 900 mil residências cancelaram o serviço em 12 meses

20/05/2019
Para MPF, Claro deve aceitar decodificadores de terceiros sem cobrança de ponto extra

14/05/2019
Nova lei prevê cancelamento de TV paga pela internet

28/03/2019
Sem mexer na estratégia, TV paga segue em queda livre

25/03/2019
Segunda maior operadora de TV paga nos EUA se rende aos vídeos online

28/02/2019
Cade aprova compra da Fox pela Disney, mas manda vender Fox Sports

27/02/2019
TV paga perde 2 milhões de assinantes em quatro anos de queda contínua

25/02/2019
TAC da Claro com MPF prevê R$ 4 milhões em campanhas de direitos humanos

Destaques
Destaques

Para injetar R$ 200 bilhões na economia, IoT tem de ficar livre das amarras tributárias

Relator da proposta de tributo zero para Internet das Coisas, deputado Eduardo Cury, do PSDB/SP, disse que o setor precisa municiar o Parlamento com dados para convencer à Casa a conceder a desoneração.

5G exige muito espectro para entregar tudo que se espera da tecnologia

Anatel, indústria e teles sustentam que a nova onda tecnológica só vai atender as demandas esperadas se tiver frequência suficiente para melhorar os serviços.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

O potencial pouco explorado da Internet das Coisas

Por Daniel Kriger*

A grande mudança que a Internet das Coisas (IoT – Internet of Things) trará para a vida das pessoas está além da facilidade de se preparar um café, programar um banho quente ou economizar na conta de luz. Dar conectividade a objetos e abrir espaço para comandos inteligentes em inúmeras tarefas do dia a dia é um dos principais propósitos de IoT. Mas não é só isso.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site