INOVAÇÃO

Inteligência artificial ética está longe de ser algo simples

Por Roberta Prescott* ... 13/03/2019 ... Convergência Digital

O uso ético de inteligência artificial e do aprendizado de máquina (machine learning), evitando um viés preconceituoso é um dos desafios que as companhias têm — e está longe de ser algo simples, sinalizou o chief analytics officer da Fico, Scott Zoldi, que está em São Paulo para o FICO Forum São Paulo, que acontece nesta quarta-feira 13/03. Em palestra, o evangelista dedicou boa parte do tempo para explicar sobre os perigos que a modulação dos dados pode levar a interpretações equivocadas.

"Com machine learning é difícil assegurar que a máquina não vai discriminar. Não podemos ser cegos com relação as características e ignorar raça no desenvolvimento de modelos de negócios. Há, sim, a possibilidade de se ter um viés preconceituoso. Na verdade, é preciso alinhar os modelos de subpopulação através do escalonamento de probabilidades de logs", observou.

Zoldi, que trabalha na FICO há 19 anos e é autor de 96 patentes, sendo 45 já asseguradas e 51 em processo, destacou o fato de machine learning figurar no pico do hypecycle do Gartner, mas explicou que as expectativas infladas podem apressar o uso de aprendizado de máquina sem o real entendimento de suas ramificações. "No momento, todos estão animados e isto é ótimo, mas implantar machine learning é difícil e requer precaução, já que há diversos problemas com interferência erradas", insistiu.

Os modelos de aprendizado de máquina, segundo Zoldi, precisam ser interpretáveis. "Remoção de viés é importante para uma inteligência artificial ética. Também é preciso entender que a cobertura de dados é crítica em todos os grupos. A capacidade de reforçar a palatabilidade, a monotonicidade e a engenharia podem ajudar a lidar com vieses preconceituosos. E novas redes neurais de recursos latentes interpretáveis expõem a relação de direcionamento da análise de dados", completou.

Confira a entrevista exclusiva com o chief analytics officer da Fico, Scott Zoldi.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Adarsh Kumar, Capgemini: open banking é transformador, mas dados pertencem aos clientes

O open banking vai mudar o modelo de serviços bancários, afirma o CTO e líder de cibersegurança para a América Latina da Capgemini.

Bradesco: Next não vai 'matar' o banco tradicional

O diretor-presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, garante que os dois modelos de negócio irão conviver, mas admite que as agências físicas vão mudar de perfil. Também revela que o Next mira um público mais jovem.

Brasileiro quer dar adeus às senhas com o uso maior da biometria

Sonho de consumo, revelado em estudo da IDEMIA, é de usar biometria para pagamentos online e para acessar ambientes dentro da própria casa. Brasil desponta em primeiro lugar no uso da biometria pela impressão digital, mas despenca posiçoes no uso do reconhecimento facial.

Com novo aporte de US$ 150 milhões, Loggi é o mais novo unicórnio brasileiro

Startup voltada para entregas expressas atingiu valor de US$ 1 bilhão com nova rodada de investimentos. Empresa afirma que vai montar uma equipe com mais de 1000 desenvolvedores para ser referência mundial em Inovação.

Vivo reduz em 36% suas emissões de CO2

Desde outubro de 2018, 100% do consumo de energia da Vivo passou a ser proveniente de fontes renováveis, a partir da contratação de energia incentivada com atributo renovável no mercado livre.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G