GOVERNO » Legislação

Autoridade de dados fica para trás em prioridade política

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/03/2019 ... Convergência Digital

Apesar da forte mobilização política e social ao longo de 2018 pela criação de uma autoridade nacional de proteção de dados, a Medida Provisória 869/18, que estabelece esse novo órgão ainda não despertou os parlamentares para o tema na nova legislatura.

Começo de novo governo e pautas de grande relevância, como a reforma da Previdência e o pacote com medidas de combate ao crime, para não mencionar a tragédia de Brumadinho-MG e a própria reorganização do Congresso com novas lideranças e comissões estão consumindo as energias políticas.

O sinal mais evidente no caso da autoridade de dados é que a MP 869/18 vai caducar em três semanas e sequer a comissão mista para analisa-la foi criada. Reflexo direto da nova pauta e desse tema ter sido deixado em segundo plano. No novo Congresso, são poucos os que conhecem o tema.

Deve-se reconhecer, no entanto, que houve interesse na apresentação de emendas à MP. Há 176 delas até agora. Boa parte, porém, são propostas repetidas, com intuito de recuperar o texto aprovado pela Câmara e pelo Senado, modificado por sanções do então presidente Michel Temer.

O campeão de emendas é justamente o relator do projeto na Câmara, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP). Em 18 emendas, ele propõe restituir os textos vetados. E especialmente retomar a criação da autoridade nacional com órgão independente, ligado ao Ministério da Justiça.

Da forma como a MP está, a autoridade nacional de dados ficou diretamente vinculada à Presidência da República, com mencionada “autonomia técnica”, mas sem a independência prevista inicialmente para um órgão que acabará também analisando o tratamento de dados feito pelo próprio governo.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Governo segue com privatização de Serpro, Dataprev e Telebras para 2021

O secretário de desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar, disse que não há mudança de planos do governo Bolsonaro, mesmo com o papel desempenhado pelas estatais de TI na pandemia, e está mantido o plano de vender 12 estatais no ano que vem.

Projetos estratégicos de TIC dependem do ajuste fino entre os 'novos' MCTI e Minicom

No 'novo' MCTI, ficam políticas de inovação, entre elas,  Inteligência Artificial. O Minicom assume a política de Telecom e a radiodifusão.

TSE manda Dataprev parar de usar dados da Justiça Eleitoral para avaliar auxílio emergencial

Pedido foi feito de forma oficial pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luiz Roberto Barroso. A alegação é que os BDs não informam o exercício de mandato eletivo.

Agência Espacial abre edital para lançamentos comerciais na base de Alcântara

AEB é responsável pelas tratativas iniciais com as empresas, nacionais ou estrangeiras, interessadas em utilizar a base brasileira para lançamento de veículos espaciais.

PL quer adiar venda do Serpro, Dataprev, Telebras e outras estatais

Proposta, que está em análise na Câmara dos Deputados, ressalta que o 'períodos de crise são um excelente momento para quem compra e péssimo para quem vende'. Privatizações estão agendadas para junho de 2021. Ideia é adiar as vendas para 12 meses após o fim da pandemia de Covid-19.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G