NEGÓCIOS

Cartão ELO elege a TI como protagonista no combate às fraudes e expansão de negócios

Por Roberta Prescott* ... 15/03/2019 ... Convergência Digital

Criada em 2011, a companhia 100% brasileira Elo tem seu negócio baseado na tecnologia da informação. A área foi e tem sido fundamental para suportar o crescimento da bandeira de cartão, que nasceu da união dos bancos Bradesco, Caixa e Banco do Brasil e já está presente nos mercados internacionais. Em palestra no FICO Forum São Paulo, realizado na quarta-feira 13/03, Eduardo Chedid, presidente da Elo, observa que a empresa entrou em operação em um mercado marcado pelo duopólio - Visa e Master dominando 95% - e com apenas 5% do mercado na mão de outras bandeiras.

"Depois de sete anos, conseguimos 14% de market share", enfatizou o executivo em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital. "Somos fundamentalmente uma empresa de tecnologia e com tudo em tempo real. Todos os sistemas que operamos são desenvolvidos e operados aqui no Brasil", completou. A Elo começou operando com um sistema core mais simples, mas, em julho de 2017, quando a companhia tinha aproximadamente 1,8 bilhão de transações, migrou para um mais robusto e desenvolvido localmente pela empresa. A empresa também tem a plataforma APIs aberta para desenvolvedores. 

"Tivemos de desenvolver do zero e isto possibilitou colocar os adquirentes para trabalhar com a Elo", disse. A companhia também tem aumentado o número de emissores de cartões, contando, atualmente, com Banco Original, Alelo, CBSS, Pernambucanas. "Isto tem sido um novo motor de crescimento para gente. Temos como meta que 20% do nosso volume ao fim de 2020 deve vir de novos emissores." Em 2018, a Elo anunciou que assumiu a bandeira Diners, que era emitida pelo Citi que foi comprado pelo Itaú.

Em 2018, a Elo chegou a 125 milhões de cartões emitidos, responsáveis por um volume de vendas de R$ 160 milhões e foram 2,5 bilhões de transações feitas pelos cartões da bandeira. Até 2015, 2 milhões de estabelecimentos aceitavam Elo, um contingente que saltou para 7,5 milhões no ano passado.Inserida em um ambiente propício a fraudes, Eduardo Chedid esclareceu que o número total absoluto de fraude é grande, mas, quando é contextualizado, ele representa pouco frente ao total transacionado. Segundo ele, em 2018 foram USD 800 milhões em fraudes no Brasil, 94% no crédito e 6% no débito, mas isto equivale a 0,2% do total.

Na Elo, 57% das fraudes ocorrem no que o setor chama de CNP, ou seja, uso de cartão não presente, um número, disse Chedid, inferior à média brasileira, que, segundo ele, está na casa dos 80%. "Temos investido muito em tecnologia, em inteligência artificial, em machine learning behavior modeling para que consigamos detectar as fraudes com mais precisão e também habilitar as transações não fraudulentas, porque, se você não tem muita tecnologia, você acaba negando transações que não deveria", disse.

Entre as prioridades para 2019 estão plataforma de detecção de fraude, autenticação débito e crédito, aprovisionamento em carteiras digitais com o desenvolvimento de uma plataforma que permite estabelecer regras de uso no digital, como, por exemplo, comparando a língua do aparelho com a do país emissor do cartão. O CEO também enfatizou os benefícios de a empresa prestar consultoria personalizada em prevenção a fraude para os emissores.

Dentro da Elo, a solução antifraude, desenvolvida junto com a FICO, foi batizada de Áquila e atualmente está hospedada em nuvem. "Foi uma decisão que demoramos para tomar, mas acabamos optando por fazer a solução na nuvem. Estamos feliz com a decisão que tomamos; não era uma decisão fácil, afinal, estamos falando de 2,5bilhões de transações no ano passado escoradas na nuvem", disse. Assistam a entrevista com o presidente da Elo, Eduardo Chedid.


Cloud Computing
Hotel Urbano migra para Google Cloud e reduz quantidade de servidores

O engenheiro de desenvolvimento da agência online, Leandro Souza, conta que na black friday, em novembro passado, chegou a ter 39 mil acessos no site e 9 mil usuários simultâneos no aplicativo móvel.

Crescem fusões e aquisições de internet e TI

Segundo relatório da KPMG, ano de 2018 registrou 62 empresas estrangeiras adquirindo brasileiras na web.

CADE diz que conluio de empresas de cabos submarinos prejudicou o Brasil

Exsym Corporation, LS Cable LTD, Nexans, Prysmian S.p.A, Taihan Electric Wire e Viscas Corporation teriam dividido entre si territórios e projetos, discutido e combinado preços a serem cotados em projetos específicos.

TI avança dois dígitos e mercado de TICs tem crescimento previsto de 4,9% no Brasil

Projeção otimista é da IDC Brasil. "O mercado está dizendo que vai ter mais budget, que está mais otimista", afirmou Pietro Delai, gerente de consultoria e pesquisa da consultoria.

Metade dos PCs do mundo roda com software desatualizados

Relatório aponta que 55% dos usuários de PCs negligenciam a parte de segurança das suas aplicações. Um dos aplicativos menos atualizado é o Skype. Estudo também mostra que mais de 20% dos usuários Windows usam versões antigas e/ou não mais suportadas pela Microsoft.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G