INCLUSÃO DIGITAL

Satélite e 44 novos contratos com governo aumentam receita, mas Telebras fecha 2018 no vermelho

Luís Osvaldo Grossmann ... 15/03/2019 ... Convergência Digital

As primeiras receitas do satélite geoestacionário de defesa e comunicações, especialmente via programa Gesac, e 44 novos contratos com o governo empurraram um salto de 172% nas receitas da Telebras em 2018, segundo relatório da administração divulgado ao mercado nesta sexta, 15/3.

A receita líquida da Telebras foi de R$ 199 milhões – foram R$ 73 milhões em 2017. Ajudou, mas a empresa voltou a encerrar o ano com prejuízo, desta vez de R$ 224,9 milhões, 8% abaixo do resultado registrado um ano antes, de R$ 243,8 milhões.

“Os resultados apenas não foram ainda maiores em 2018 em virtude de litigância de empresas concorrentes contra a parceria estratégica firmada pela Telebras com a ViaSat, que se arrastou ao longo de todo esse ano e atrasou a instalação e o faturamento dos circuitos satelitais”, diz o relatório da administração.

Ainda segundo o balanço, a estatal terminou 2018 com 3.654 circuitos instalados e em operação: 111% a mais do que os 1.731 circuitos em operação no ano de 2017. E chegou a 195 provedores parceiros para oferta de banda larga, em todos os estados do país.

Como destaca o relatório, o desempenho se deveu inicialmente aos 44 novos contratos com órgãos do governo, “principalmente os vinculados aos contratos da Dataprev, Ministério do Trabalho e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)”. No total, a estatal faturou R$ 169 milhões com Serviço de Comunicação Multimídia (contra R$ 98 milhões em 2017).

Além disso, o satélite nacional rendeu pelo lado da Defesa, com a capacidade em Banda X. “O valor deste serviço foi recebido antecipadamente pela Telebras e a receita será reconhecida ao longo de 15 anos, que é o prazo da prestação do serviço firmado em contrato entre a Telebras e Ministério da Defesa”.

E o satélite também começou a gerar receitas pela banda Ka, especialmente pela “receita antecipada no exercício de 2017 pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), no valor de R$ 60 milhões, referente à entrega da reserva de banda satelital para execução do programa Gesac”.


Carreira
Santander oferece 240 bolsas integrais para formar profissionais em programação

Selecionados participarão de curso de Web Full Stack , com duração de cinco meses, voltado ao mercado digital, e poderão ser convidados para os processos de seleção do banco. Iniciativa é feita em parceria com a Digital House.

Audima cria ferramenta para levar conteúdo aos analfabetos digitais

A partir da própria dor, uma vez que tem dislexia, Paula Pedrosa criou a Audima, uma startup que transforma palavras em áudios. "O império da visão exclui muita gente. Nosso desafio, hoje, é mostrar que inclusão monetiza", observa a executiva.

Nas favelas, há jovens ávidos para aprender e trabalhar com TICs

O projeto Vai na Web já formou 200 jovens em linguagem de programação, mas, agora,busca recursos para ensinar as profissões do futuro como Inteligência artificial e internet das coisas.

Anatel quer saber se há interesse em investir em satélites no Brasil

Consulta pública sobre o tema recebe contribuições até 7 de setembro. Ideia é saber se há empresas que queiram prover serviço ininterrupto de capacidade satelital por cinco anos a partir de 1 de janeiro de 2021.

Sem rede e velocidade de conexão, escola rural padece para acessar à Internet

Apenas 34% das escolas possuem ao menos um computador com acesso à internet e a velocidade de conexão é baixa para permitir uso pedagógico, na faixa de 2 Mbps, revela a pesquisa TIC Educação 2018, do CGI.br.

Anatel quer BNDES como agente financeiro para usar FUST na expansão da banda larga

Agência reguladora aprovou o Plano Estrutural de Redes de Telecomunicações, o PERT. De acordo com a Anatel, 3.542 dos 5.570 municípios do país não possuem acesso à rede de fibra óptica. Agência também diz que dos R$ 20 bilhões do FUST, apenas R$ 200 mil foram aplicados no setor.

Acesso à Internet reproduz desigualdade social e econômica no Brasil

Estudo do IPEA mostra que a falta de acesso à internet repete as mesmas adversidades e exclusões já verificadas na sociedade brasileira no que tange a analfabetos, menos escolarizados, negros, população indígena e desempregados.  Homens e mulheres têm comportamento semelhantes na Web.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G