TELECOM

Decreto com metas de 4G não pode ser cumprido em um terço das cidades

Luís Osvaldo Grossmann ... 23/04/2019 ... Convergência Digital

As novas metas de universalização da telefonia, aprovadas no apagar das luzes do governo Michel Temer, em 20 de dezembro, determinam a instalação de antenas 4G em 1.473 localidades do país. Mas além de ter incluído 259 cidades onde essas antenas já existem, o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações incluiu várias onde as estações radio-base são inviáveis, pois não há rede para escoar o tráfego de dados.

“Dentre as 1.473 localidades sem tecnologia 4G identificadas como passíveis de atendimento, distribuídas em 1.048 municípios brasileiros, aproximadamente em 300 desses municípios não existe disponibilidade de infraestrutura de transporte (backhaul) na tecnologia de fibra ótica”, diz ofício da Anatel ao MCTIC onde o presidente da agência, Leonardo de Morais, sugere que o Decreto seja revisto.

Como explica o mesmo documento, “considerando que o art. 21 do PGMU IV prevê que o cumprimento da referida meta deve ocorrer por meio da implantação de uma estação rádio base em cada localidade, forçoso reconhecer que esses municípios não contam com a capacidade de escoamento de tráfego necessária para o adequado funcionamento das redes na tecnologia proposta”.

A Anatel já indicava, desde a publicação do novo PGMU, não ser favorável a misturar tecnologia sem fio nas metas de universalização da telefonia fixa. O próprio Morais descreveu a medida como um “puxadinho”. Nesta terça, 23/4, ao voltar ao tema durante reunião no Senado, sustentou que os investimentos em backhaul devem anteceder o acesso.

“O Decreto do PGMU orienta investimentos na rede de acesso quando nosso maior gargalo são investimentos de transporte. A implantação de toda rede de acesso deve ser precedida da rede de transporte. É como ter uma torneira muito bonita sem a estrutura hidráulica para escoar a água”, afirmou.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Dataprev contrata Claro por R$ 236 mil para ter fibra ótica no Rio de Janeiro

Contrato, publicado no Diário Oficial da União, prevê a interligação dos prédios do data center da estatal de TI no Rio de Janeiro à filial na mesma cidade, no bairro de Botafogo.

Autor da nova Lei das teles lidera entidade para brigar por banda larga

Ex-deputado Daniel Vilela vai presidir a Aliança Conecta Brasil F4, que nasce com apoio da Huawei, FiberX e da consultoria Teleco, mas quer novos associados. “Não existe economia digital sem infraestrutura”, afirma.

Consumidores: Banda larga é o serviço com menor satisfação, celular o melhor

Para a Anatel, como o padrão de consumo exige estar sempre online, percepção de qualidade é especialmente rigorosa com a conexão à internet.

Decreto da nova Lei de Telecom depende de acerto sobre renovação de frequências

“Entendemos que é melhor que a Lei também seja aplicada para os contratos vigentes e estamos tentando construir uma posição única de governo”, explica o secretário executivo do MCTIC, Julio Semeghini. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G