Home - Convergência Digital

4G e 5G são convergentes e vão coexistir na oferta de serviços

Convergência Digital - Carreira
Por Carmen Lucia Nery* - 26/04/2019

4G e 5G são tecnologias complementares, coexistentes e convergentes e a Huawei continuará dando suporte a ambas, pontuou o diretor de soluções da Huawei, Carlos Roseiro, ao participar do 5G&LTE Fórum, realizado no Rio de Janeiro. O especialista recomendou que o 5G seja implementado aonde faça sentido, como por exemplo, nos ambientes que requerem latência baixa ou que exijam throughput alto. Os demais casos, como para assistir um vídeo HD, é possível que o 4,5G seja suficiente.

“Atualmente, o melhor caminho de evolução do 4G para o 5G deve ser feito com a cloudificação do Core além de uma descentralização de Control Plane e User Plane, permitindo uma arquitetura distribuída para redução de latência, para Casos de Uso do 5G Stand-alone. No Padrão Non- Standalone, aprovado no final de 2017, a evolução do Core para 5G é feita com upgrade de software da aplicação”, explicou Roseiro.

Ainda de acordo com o diretor da Huawei, para evoluir para o Standalone, aprovado no final de 2018, que permite casos de uso mais complexos como aplicações de baixa latência requeridos pela Indústria Automobilística (Carros autônomos com controle centrlizado) ou de Entretenimento (AR/VR), se mantém a infra-estrutura do core mas é necessário que o software das aplicações evolua para CloudNative, com estrutura orientada às aplicações com microserviços, Containers e Operações automatizadas.

Hoje apenas a primeira das três aplicações do 5G, a banda larga aprimorada (e-MBB – enhanced Mobile BroadBand), que ficou pronta no release 15, está disponível e o principal ganho é o aumento do throughput. O release 16, previsto para dezembro, trará as duas outras aplicações. Com a Machine Type Communication, será possível ter conexões diretas entre múltiplos devices eletrônicos, ampliando o leque para as aplicações IoT. E a terceira aplicação, a Ultra Reliable Low Latency Communications (URLLC) garante a baixíssima latência. Roseiro explica que essas duas novas aplicações vão permitir alavancar soluções de Internet das Coisas combinando o uso massivo de dispositivos com baixa latência.

“Espera-se que os serviços sejam agregados e o consumo de dados cresça muito mais. A expectativa é de que, até 2025, o consumo de dados seja da ordem de 70 GB por usuário e o que se espera é que as operadoras possam cobrar mais por isso. Além disso, teremos o conceito de slicing, com oferta de redes segmentadas com SLAs distintos por indústria. Há que se pensar também em um novo modelo de negócios, não apenas baseado em pacote de dados, mas também na experiência”, sugere Roseiro.

O executivo da Huawei recomendou aos países da América Latina que façam uma evolução gradual para o 5G, evoluindo o LTE, mas garantindo que ele seja 5G ready, para estabelecer uma migração simples. Para Roseiro, ainda há muito espaço para o LTE evoluir aproveitando outros espectros e aumentando o throughput com Massive Mimo. “Não é bom retardar nem acelerar a migração para o 5G. O ideal é ter uma evolução gradual a medida em que o investimento tenha seu retorno. A tecnologia está disponível, a Huawei tem 40 contratos comerciais no mundo”, conclui o diretor de soluções da fabricante chinesa.




Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

20/09/2019
TIM terá antena 5G no Cubo Itaú, em São Paulo

19/09/2019
5G chegará a 75 milhões de conexões na América Latina até 2023

18/09/2019
TVs defendem migração da banda C para Ku e calculam custo em R$ 2,9 bilhões

09/09/2019
Microsoft sai da zona de conforto e levanta a voz em defesa da Huawei

09/09/2019
Na América Latina, 33% da população ainda não têm acesso ao celular

06/09/2019
TIM, Ericsson e Inatel inauguram laboratório 5G

06/09/2019
Brasil terá um ganho de R$ 40 bilhões por uso de faixas milimétricas no 5G

04/09/2019
Samsung anuncia produção de chip integrado 5G para celular

29/08/2019
Teles temem disparada no preço do leilão 5G

28/08/2019
EUA e Austrália pressionam Brasil sobre riscos à segurança nacional com o 5G

Destaques
Destaques

Na América Latina, 33% da população ainda não têm acesso ao celular

Estudo global da GSMA mostrou ainda que, em 2018, 31 milhões de empregos, entre diretos e indiretos, foram criados pela economia móvel, que gerou US$ 3,9 trilhões, ou R$ 15,8 trilhões. O 4G se tornou o padrão da telefonia móvel.

Smartphones receberam seis tentativas de ataques por minuto na América Latina

O Brasil é o país que lidera esse tipo de ataque, especialmente por meio do adware.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site