Home - Convergência Digital

Com 5G, Internet das coisas entra no radar dos bancos no Brasil

Ana Paula Lobo - 07/05/2019

Se a massificação da banda larga transformou o aplicativo no celular o canal preferido do brasileiro para fazer transações bancárias, as instituições financeiras já estudam como usar a conexão dos objetos, oriunda da Internet das Coisas, quando o 5G estiver disponível no Brasil, afirmou o diretor de Tecnologia da Federação Brasileira de Bancos, Febraban, Gustavo Fosse.

"O trabalho é forte em robótica, em inteligência artificial, em big data, em analytics, em blockchain, mas também já há bancos estudando como vão usar Internet das Coisas quando o 5G ficar disponível. O futuro já se trabalha agora", observou Fosse, durante coletiva para a divulgação da 27ª edição da Pesquisa de Tecnologia Bancária 2019 da Federação Brasileira de Bancos - Febraban, nesta terça-feira, 07/05, em São Paulo.

O levantamento deixou claro que 80% dos bancos investem, hoje, em big data/analytics, 67% estão investindo em blockchain, 73% aplicam recursos para inteligência artificial e computaçao cognitivia, 60% investem em robotics e 60% estão trabalhando para ter o open banking e marketplaces, sendo que este último, dependerá muito do interesse de cada segmento em compartilhar informações, observa Fosse.

Os investimentos em novas tecnologias são tendência. Tanto assim em 2018, meio bilhão de reais foram aportados a mais para software e serviços, por conta do incremento do uso da computação em nuvem, do big data e da inteligência artificial. O estudo da Febraban mostra que o número de transações bancárias com movimentações financeiras cresceu cerca de 33%.

O avanço de 80% na quantidade de transações com movimentações financeiras por celular foi puxado, principalmente, pelo crescimento número de contas pagar por esse canal (que chegou a 1,6 bilhão, em 2018) e de 119% na quantidade de DOCs, TED e outras transferências de quantias em contas bancárias (862 milhões).O brasileiro também contratou mais crédito pelo celular: foram 359 milhões de contratações em 2018, com aumento de 60% em relação ao ano anterior.

A Pesquisa, que contou com a participação de 20 bancos, também aponta que as comunicações feitas digitalmente também cresceram de maneira considerável. As interações feitas entre clientes e bancos por web-chat tiveram um crescimento de 364%, e chegaram a 138,3 milhões no ano passado. Já os atendimentos via chatbot passaram de 3 milhões, em 2017, para 80,6 milhões no ano passado, ou seja, aumentaram 2.585%.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

02/07/2020
Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

19/06/2020
CEO da Algar: Banir fornecedor do 5G seria um tremendo equívoco

18/06/2020
Aumento de espectro para 5G está em consulta pública

17/06/2020
Qualcomm leva 5G para smartphones de baixo custo

Destaques
Destaques

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site