Home - Convergência Digital

Brasscom: É urgente incluir computação no currículo do ensino médio e fundamental no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo - 08/05/2019

É urgente que o Governo inclua, o quanto antes se possível, computação e programação no currículo dos alunos do ensino médio e fundamental no Brasil, sustenta o presidente-executivo da Associação Brasileira das empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, Brasscom, Sergio Paulo Gallindo, que participou de encontro com a imprensa nesta quarta-feira, 08/05, em São Paulo, para a divulgação do relatório setorial de TIC 2018.

"Colocar computação e programação no currículo é uma ação que tem de acontecer ontem. É uma política pública obrigatória. As empresas privadas investem em treinamento, mas é preciso fazer com que os jovens se apaixonem por tecnologia. O Brasil precisa estar pronto para a economia digital ou vai ficar de fora", observou o executivo. O estudo setorial prova que apenas Internet das Coisas - que ainda está incipiente no País - terá uma demanda de 110 mil profissionais até 2024.

"Nem estou pensando neste ano ou mesmo no próximo ano. Mas de 2020 a 2024 há muitos negócios acontecendo em IoT. Vamos precisar de mão de obra e não temos. Hoje há 45 mil profissionais de TICs sendo formados no Brasil. A demanda já de 70 mil. O gap anual já está em 24 mil especialistas. Isso só tende a crescer com e economia real migrando para a economia digital", adverte.

Indagado sobre o papel das empresas privadas, Sergio Paulo Gallindo assegura que os associados da Brasscom têm investido de forma bastante significativa em capacitação de profissionais. "Muitos dos profissionais formados chegam ao mercado precisando passar por capacitação. As empresas fazem esse investimento. Mas a base tem de vir do governo. Eles têm de ter formação de mão de obra em computação como política pública. Economia digital é inexorável. O Brasil tem de se preparar para ontem", reforça.

O relatório setorial de TIC, produzido pela Brasscom, constata que o setor de TICs responde por 7% do Produto Interno Bruto. O País, hoje, responde por 44,8% do mercado da América Latina, o que significa ter uma participação de 2,2% do mercado mundial. Em termos de emprego, o setor empregou em 2018, 1,520 milhão, com a criação de 43 mil novos postos de trabalho, mesmo com a estagnação econômica e as turbulências da política. Nas contas da Brasscom, até 2024, se o setor conseguir dobrar a sua participação no PIB, serão necessários 420 mil novos profissionais.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

08/05/2019
Brasscom: É urgente incluir computação no currículo do ensino médio e fundamental no Brasil

30/04/2019
Brasscom endossa unificação de tributos de consumo em um único imposto

30/04/2019
Brasil pode ser um dos líderes em rastreabilidade se tiver política pública para IoT no campo

29/04/2019
Reforma Tributária só acontece se for 'fatiada' com governo à frente

29/04/2019
Semeghini: A hora é de desatar vários nós que travam o investimento no Brasil

29/04/2019
Brasil só vai mudar com a transformação digital

29/04/2019
Serpro e Dataprev terão de se reinventar para a economia digital

26/04/2019
Governo confirma que vai fazer ajustes no eSocial

26/04/2019
TI precisa de 420 mil novos profissionais até 2024

26/04/2019
Salários em TICs são três vezes maiores que a média nacional

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

TI precisa de 420 mil novos profissionais até 2024

Formação de mão de obra, que já sofre para atender a demanda, vai ficar longe dos 70 mil novos empregos por ano. IoT, Big Data e segurança são áreas de maior demanda.

Salários em TICs são três vezes maiores que a média nacional

Em software e serviços, onde estão 75% das vagas das empresas de tecnologia da informação, remuneração média em 2018 foi de R$ 5 mil, contra R$ 1,8 mil do salário médio nacional.

TICs podem formar 1 milhão a cada quatro anos com recursos já existentes

Segundo o presidente da Contic, Edgar Serrano, atualização do marco legal de telecom e a criação do Sistema S das TICs são medidas de transformação digital sem impacto fiscal.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site