SEGURANÇA

Oi: cidades conectadas exigem um ecossistema que converse entre si

Ana Paula Lobo ... 10/05/2019 ... Convergência Digital

O momento é mais do que propício para as soluções de monitoramento, em especial, com a segurança pública como carro-chefe, mas o ecossistema fornecedor precisa entender que as soluções precisam ser interoperáveis, observou o diretor de desenvolvimento de serviços de Tecnologia da Oi, André Ituassu, que participou nesta quinta-feira, 08/05, do evento de lançamento da nova estratégia para o Brasil da Huawei Enterprise, parceira da operadora em projetos de videomonitoramento na cidade do Rio de Janeiro e em Búzios.

"As soluções precisam se comunicar para que se possa, de fato, criar uma rede, uma cidade conectada, serviços inteligentes conectados. Hoje, infelizmente, ainda há soluções 'isoladas'. Nós temos que trabalhar para encontrar um padrão para que todas se falem. Só assim vamos massificar os benefícios da tecnologia", afirmou Ituassu, ao Convergência Digital. O piloto feito no carnaval, no Rio de Janeiro, no bairro de Copacabana, identificou cerca de 8 mil pessoas foragidas, suspeitas ou desaparecidas, e armazenou, no banco de dados da segurança pública, imagens de cerca de 3 milhões de rostos.

"Os dados são da segurança pública e nós não ficamos com nenhum deles nem trabalhamos na identificação", assegurou Ituassu, ao ser indagado sobre a questão de privacidade das informações. Ituasssu sustenta que há uma série de oportunidades na iniciativa privada a partir da adoção do videomonitoramento em tempo real. "Condomínios, shoppings, indústrias, redes de lojas, todos são potenciais compradores desse modelo de serviço e não apenas a segurança pública", diz. O diretor da Oi, no entanto, admite que, agora, fornecedores e clientes sentam para negociar o melhor modelo de precificação, já que é um novo produto entrando no mercado.

Parceira da Oi, no Rio de Janeiro e em Búzios, a Huawei Enterprise tem essa área como uma da sua atuação no Brasil. O diretor de canais da companhia, Ricardo Matsui, revelou que no país, 85% dos negócios foram fechados pelos canais. "A Huawei Enterprise não vai vender diretamente para o cliente que o canal está trabalhando. Nós não vamos nos clientes do canal para vender sozinho", disparou, referindo-se aos seus rivais.

A empresa, que quer crescer no Brasil, decidiu que toda e qualquer venda de hardware e software feita por um canal será rentabilizada. "Queremos ter um canal engajado na nossa estratégia. A premiação por venda é um benefício justo", completou. A Huawei Enterprise nomeou Valued Added Partners no Brasil. Entre eles estão a 3Corp, a Agora Telecomunicações e a Zoom Tecnologia.


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Ransomware Sodin ataca vulnerabilidade desconhecida do Windows

Ransomware adota uma técnica chamada de 'Heaven's Gate', que permite um programa mal-intencionado executar código de 64 bits de um processo em execução de 32 bits, o que não é uma prática comum e mais incomum em ransomware, alerta a Kaspersky.

Governo do Rio contrata reconhecimento facial da Oi para o Maracanã

Solução -que permite localizar pessoas e veículos suspeitos e identificar padrões de comportamento e situações de riscos- será usada na partida final da Copa América 2019. Os dados coletados são de domínio do Governo do Rio de Janeiro. Os valores do acerto não foram revelados.

Quase 1000 brasileiros caem por hora em golpe do dinheiro fácil no WhatsApp

Ataque, que circula há sete dias, já atingiu 180 mil pessoas. Elas caem no golpe que promete liberar 13° salário para beneficiários do Bolsa Família.

Brasileiros têm pé atrás e classificam criptomoedas como 'moda que vai passar'

Estudo global da Kaspersky mostra o quanto a criptomoeda está distante de se tornar uma forma comum pde pagamento. Quase 40% dos brasileiros dizem que as criptomoedas são voláteis e não vão durar para sempre. Quase 20% dizem que as criptomoedas estão apenas 'na moda' e 3% admitiram já terem sido vítimas de fraudes.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G