Home - Convergência Digital

TST diz que curso pela internet vale em contagem de horas extras

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 17/05/2019

A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho deferiu a uma bancária de Caldas Novas-GO o pagamento como horas extras do tempo dedicado à realização de cursos pela internet durante os cinco anos em que trabalhou para o banco Bradesco. Conforme o entendimento do colegiado, os cursos serviam de critério de promoção na carreira e, por isso, o tempo despendido foi considerado à disposição do empregador.

Segundo a bancária, o Bradesco compelia os empregados a participar do chamado “Programa Treinet”, que oferecia cursos de interesse do banco. De acordo com as testemunhas, a participação no treinamento era obrigação contratual, e não mera faculdade.

O pedido de pagamento de horas extras foi deferido pelo juízo de primeiro grau em relação a quatro cursos mensais de 12 horas cada. Para o Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (GO), no entanto, “não ficou robustamente comprovada a obrigatoriedade da realização de cursos”, pois algumas testemunhas afirmaram que eles eram obrigatórios, mas não informaram se havia alguma punição no caso de não realização. Para o Tribunal Regional, o fato de o empregador incentivar a participação nos cursos e utilizá-los como critério para promoção, por si só, não pressupõe obrigatoriedade.

No recurso de revista, a bancária sustentou que havia metas mensais de cursos “treinet” para os empregados. Segundo ela, o gerente-geral exigia e acompanhava a participação dos empregados e havia um mural para indicar quem tinha feito cursos. Argumentou ainda que a participação em treinamentos integra de forma efetiva o tempo de serviço e deve ser considerada como tempo à disposição do empregador.

O relator, ministro Augusto César Leite de Carvalho, assinalou que a circunstância de o banco incentivar a realização dos cursos e utilizá-los como critério para promoção demonstra a obrigatoriedade, ainda que implícita, da participação do empregado. “Por isso, o tempo respectivo deve ser considerado como de serviço efetivo, nos termos do artigo 4º da CLT”, concluiu. A decisão foi unânime.

* Do TST

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

20/08/2019
Pela primeira vez, Brasileirão terá jogo transmitido exclusivamente na web

20/08/2019
STJ pressiona por PJe e vai recusar processos eletrônicos a partir de outubro

19/08/2019
Justiça condena site a pagar R$ 100 mil por uso indevido de imagem para 'memes'

31/07/2019
Assistir vídeo na internet é hábito predominante no Brasil

31/07/2019
Brasil é top 3 entre os países que mais originam ataques a credenciais na internet

30/07/2019
Justiça nega recurso da Anatel e mantém Fox+ liberada na internet

29/07/2019
Governo Trump ameaça a França por imposto cobrado às gigantes da Internet

26/07/2019
STJ cancela domínio ‘Decolando’ e arbitra dano de R$ 50 mil à Decolar.com

26/07/2019
Monopólio na Internet pode doer no bolso dos ISPs e dos clientes no Brasil

25/07/2019
Fake News: especialistas advertem para o perigo nas eleições municipais de 2020

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

TICs vão demandar 700 mil novos profissionais na Indústria em cinco anos

Dados são do Mapa do Trabalho Industrial, feito pelo SENAI, que indicam ainda a urgência na qualificação de 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais por conta da indústria 4.0. Um dos especialistas em alta é o condutor de processos robotizados, com um incremento de 22% no número de vagas.

Técnicos são os que mais procuram especialização em Big Data

Cursos voltados para desenvolvimento Full Stack e Segurança Cibernética também são bastante demandados. No caso do big data, dos alunos formados nesta área, 45% possuem mais de 10 anos de experiência (sênior); 36% até nove anos (pleno) e 19% até três anos (recém-formados).

Agile reescreve a carreira do desenvolvedor de software

Ao mudar a entrega dos serviços – quebrando a prática dos longos projetos –, a metodologia também exige novos profissionais.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site