GOVERNO » Legislação

Governo prepara tratamento diferenciado para startups

Luís Osvaldo Grossmann e Pedro Costa ... 28/05/2019 ... Convergência Digital

O governo federal lançou uma primeira consulta pública com o objetivo de criar um marco legal específico para as startups. A ideia é reconhecer que se trata de um novo tipo de arranjo produtivo e com alto risco de investimento para garantir um tratamento tributário, trabalhista e societário diferenciado às empresas iniciantes.

“Em um cenário em que a inovação, agregação de valor, as grandes companhias todas vêm desse setor, a gente tem que modernizar as relações de trabalho, que é um dos eixos dessa consulta pública; melhorar a relação das startups com o governo, hoje é muito difícil também para o governo contratar e a startup vender; facilitar a atração de investimentos, a gente tem questões preocupações com investidores serem responsáveis pelo passivo trabalhista, por exemplo. E a gente olha para questões fundamentais de como definir startups”, explica o diretor de ecossistemas inovadores do MCTIC, Otávio Caixeta.

A consulta pública é uma iniciativa conjunta dos ministérios da Economia e de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Em uma série de perguntas, aborda desde o conceito do que seriam startups, inclusive se deve ser relacionado ao tempo de constituição da empresa, nível de faturamento, número de empregados, proporção do faturamento investido em P&D, por exemplo. Também aborda se esse segmento merece um regime tributário especial. As sugestões devem ser registradas no site www.startuppoint.gov.br até 23 de junho.

“É um documento moderno em que a sociedade participa desde o começo, desde a elaboração. É uma estratégia que a gente tem adotado nas últimas ações e que tem funcionado muito bem”, diz Caixeta. De certa forma, é como permitir um tratamento especial para as startups assim como já existem regras diferenciadas para PMEs. Mas não com uma lei única sobre o assunto.

“Não vai ser uma única lei como acontece com as micro e pequenas empresas. A ideia é alterar algumas leis que são essenciais, criando possibilidades para que startups se desenvolvam melhor”, explica Caixeta. Portanto, o trabalho também envolve ajustar normas infralegais como decretos, regulamentos e instruções normativas.

Como explica o diretor de ecossistemas inovadores, o potencial existe, mas há questões que ainda fazem do ambiente nacional menos atraente do ponto de vista dos investidores. “O Brasil ainda precisa ganhar competitividade. Melhoramos muito. Ano passado começamos sem nenhum ‘unicórnio’, que é uma startup que vale mais de 1 bilhão de dólares, e terminamos com oito. Então a gente está crescendo.”


Veja edição 12 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 12
Especial 20 Anos de Internet no Brasil


Há 20 anos os provedores de Internet escrevem suas histórias no País. A trajetória não foi nada fácil. Houve decisões políticas e econômicas significativas. Infraestrutura, modelo de negócios e fidelização de clientes foram relevantes no passado e continuam sendo no presente. Ao longo de duas décadas, os ISPs tiveram de se reinventar diversas vezes para não deixar de existir.

Clique aqui para ver outras edições

MP entra com pedido para TCU fiscalizar terceirizações no Governo Federal

Subprocurador-geral, Lucas Rocha Furtado, diz que as terceirizações são uma forma de driblar a obrigatoriedade de concurso público, previsto na Constituição. Também alega que as terceirizações estão sendo feitas para 'satisfação de interesses pessoais', mediante direcionamento na indicação de profissionais.

Governos precisam de CIOs para liderar a incorporação das inovações

“Existem passos fundamentais para que o governo faça sua transformação digital, e vemos que eles estão acontecendo no Brasil. Mas certamente ter uma liderança nesse processo faz diferença”, afirma a vice-presidente global da Amazon Web Services para o Setor Público, Teresa Carlson. 

MCTIC vai cruzar dados com a Receita em novo formulário da Lei do Bem

Segundo a diretoria de apoio à inovação da pasta, foco do novo FORMP&D é a segurança. “Ideia é assegurar que quem está prestando os registros são os representantes dessas empresas”, diz a diretora Adriana Martin.

Serpro e Dataprev unificam mais de 22 milhões de contas de brasileiros

Usuários, agora, terão um único login para acessar a plataforma gov.br e as mais de 80 soluções disponíveis de governo digital, entre elas, INSS e ComprasNet. Acesso ao portal poderá ser feito por CPF, senha e certificado digital A3, que serve para pessoas físicas e jurídicas.

Operações com criptomoedas terão que ser informadas à Receita

Nova instrução normativa da Receita exige informações quando as operações com ‘criptoativos’ ultrapassarem os R$ 30 mil mensais. No valor  de mercado desta terça-feira, 07/05, um bitcoin vale US$ 5.940,00, ou R$ 23.760. Ou seja, brasileiro com 2 bitcoins terá de prestar contas com o Fisco.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G