NEGÓCIOS

Em 10 anos, faturamento e empregos em TI no Brasil crescem mais de 70%

Luís Osvaldo Grossmann ... 29/05/2019 ... Convergência Digital

Um novo estudo sobre o mercado de Tecnologia da Informação no Brasil, realizado pela Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro, a Softex, mostra que o setor avança em ritmo bem diferente da média nacional. Mesmo não sendo imune à crise econômica dos últimos anos, a TI continua exibindo vigor ímpar: na década encerrada em 2017 o faturamento cresceu 74% e os postos de trabalho, 72%.

“O número de profissionais empregados em TI em 2017 cresceu 72% num intervalo de 10 anos, passando de 241.905 em 2007 para 415.166 em 2017. A taxa média de crescimento anual do número de empregos no setor de TI no período foi de 5,7%, bem superior à média do PIB brasileiro no mesmo período, de 1,7%”. Não fosse a piora da crise em 2016 e 2017, a geração de postos de trabalho vinha ainda mais acelerada, com alta de 83% entre 2007 e 2015.

Como também ponta o documento ‘Overview do Setor de Tecnologia da Informação’, do Observatório Softex, “se em 2007 a receita bruta real do conjunto de empresas pesquisadas era de cerca de R$ 123 bilhões, em 2016 foi de R$ 213 bilhões, crescimento de 74%. Já a receita operacional líquida real teve aumento de 70% passando de R$117 bilhões em 2007 para R$198 bilhões em 2016”.

Não por menos, uma das conclusões do estudo é que, considerando o dinamismo da TI no país, “o setor apresenta potencialidade como vetor de promoção para o bem-estar da sociedade brasileira a partir da geração de políticas públicas para o fomento de TI e da promoção de emprego na área”. E isso tendo por base um período no qual o desemprego partiu de uma das menores taxas históricas no Brasil, 7% em 2007, para os quase 13% no fim de 2017.

No período analisado, vale ser destacado o crescimento de alguns segmentos como ‘portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na internet’ que tinha apenas 709 trabalhadores formais e saltou para 22.257, assim com outras áreas de tendência positiva na década mencionada, como ‘desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis’ e  ‘desenvolvimento de programas de computador sob encomenda’. Para a Softex, isso “reflete a tendência do mercado por necessidades mais personalizadas em relação aos serviços de TI”.

O raio-X do setor considera 24 mil empresas de TI no país, das quais 6,8 mil (28,3%) são de suporte, 3,8 mil de tratamento de dados e hospedagem na internet (16%), 3,4 mil de desenvolvimento de softwares sob encomenda (14,1%), 3,1 mil de desenvolvimento e licenciamento de customizáveis (12%), 2,4 mil consultorias (10,1%), 2,2 mil portais e provedores de conteúdo (9,3%) e 2,1 mil em licenciamento de não customizáveis (9%).

Além do bom desempenho pretérito, a Softex também lembra que outros estudos projetam perspectivas favoráveis para a TI se o país conseguir vencer as dificuldades de formação e qualificação, especialmente entre mulheres jovens, pessoas com mais de 55 anos e brasileiros de baixa renda. “O desenvolvimento de competências digitais tem potencial para adicionar US$ 70 bilhões ao PIB brasileiro até 2025. O upskilling dos brasileiros pode gerar um aumento do PIB em cerca de 0,4 pontos percentuais ao ano, o que representa um incremento de mais de 15% no crescimento projetado até 2025.”



Cloud Computing
Backup e arquivamento de dados pessoais são os maiores riscos à privacidade de dados

Nos próximos dois anos, as organizações que não revisarem as políticas de retenção de dados para reduzir o volume de informações armazenadas e, por extensão, os dados que são copiados, enfrentarão um enorme risco de não conformidade, bem como os impactos, no bolso, de uma eventual violação.

Por mercado de BPO, Lumen IT compra Superabiz

Valor da transação não foi revelado pelas partes. Expectativa da fusão é simplificar o acesso às soluções de compliance fiscal, jurídico e para o SPED.

#RioéTech abre programação do Rio Info 2019

Evento, que chega em 2019 a sua décima sétima edição, já gerou R$ 250 milhões em negócios. Pré-eventos serão realizados em diversas cidades do Estado do Rio de Janeiro para aproximar empresas e Academia.

TI fica ainda mais estratégica na disrupção digital

“Onde existir um elo mais fraco pode haver uma disrupção grande e entrar uma fintech, uma startup”, lembra o vice-presidente de serviços financeiros da BRQ, José Antonio Afonso Pires.

Unisys: open banking só existirá com a LGPD implementada no Brasil

"Os dois são interligados porque a premissa maior é a segurança da informação", observa o vice-presidente e líder da Vertical de Serviços Financeiros para América Latina, Luís Rego. Decisão do Banco Central de postergar a consulta pública sobre o tema tem pontos positivos e negativos.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G