Home - Convergência Digital

Senai faz acordo com AWS para ensinar tecnologia a 2,5 milhões de alunos

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann* - 13/06/2019

O Brasil precisa de 70 mil novos profissionais de tecnologia da informação por ano, mas dados do setor indicam que as escolas não dão conta de formar nem metade disso com conhecimentos atualizados. De olho nessa carência, o Senai acaba de firmar um acordo com a Amazon Web Services para acesso gratuito às plataformas educacionais da gigante americana da computação em nuvem, além de créditos para o desenvolvimento de aplicações na prática. 

“Colocar mão na massa é o meio mais efetivo de aprender. Não é apenas lendo e fazendo testes, mas praticando. Claro que os curso e o treinamento são muito importantes. Mas também damos créditos para que estudantes ou instrutores possam efetivamente desenvolver coisas, sem custos”, afirma o vice presidente internacional da AWS, Max Peterson, que esteve em Brasília na semana passada para firmar o que a empresa chama de aliança estratégica com o Senai. O acordo foi revelado ao Convergência Digital durante o AWS Public Sector Summit, em Washington.

A AWS Educate é uma plataforma de aprendizagem com 12 módulos, cada um deles com 30 horas de conteúdo sobre nuvem. Como reforçado pelos executivos da empresa, o acordo inclui os mencionados créditos para que os estudantes possam utilizar a nuvem da Amazon em diferentes projetos concretos. Se a partir daí essas ideias tiverem potencial de virar negócios, elas podem ir para uma outra plataforma, Activate, voltada para startups mas com a mesma mecânica. 

“Os conteúdos começam com conhecimentos básicos sobre computação em nuvem, mas vão até cibersegurança, desenvolvimento de aplicações móveis, análise de dados, por exemplo. É um programa 100% gratuito e auto-assistido para que os estudantes possam aprender sobre nuvem”, explica a gerente de desenvolvimento de negócios da AWS, Abby Daniell. 

Os cursos garantem uma certificação e a chance de distribuição dos currículos para as milhares de empresas parceiras da AWS. “Estamos atentos à questão dos empregos e nossa ideia é acompanhar isso mais de perto, de forma a demonstrar o impacto da qualificação em posteriores contratações. Nosso objetivo é que o aluno termine o curso na sexta-feira e esteja contratado na segunda”, revela o gerente geral de setor público da empresa para América Latina, Caribe e Canadá, Jeffrey Kratz. 

* Luís Osvaldo Grossmann participa da Public Sector Summit a convite da AWS, em Washington, nos Estados Unidos

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

19/06/2019
Embraer cria sistema de big data e analytics com AWS e Claranet

18/06/2019
"Somos obcecados pelo cliente", diz Cleber Morais, da AWS Brasil

13/06/2019
Senai faz acordo com AWS para ensinar tecnologia a 2,5 milhões de alunos

12/06/2019
AWS: Brasil dá passos importantes para ser cloud first

12/06/2019
Governos precisam de CIOs para liderar a incorporação das inovações

10/06/2019
Plataforma gratuita CODE-IoT da Samsung qualifica mais de 50 mil pessoas no Brasil

06/06/2019
Google compra rival do Tableau e do Power BI, da Microsoft, por US$ 2,6 bilhões

06/06/2019
Grupo SADA faz transformação digital com serviços compartilhados e nuvem da Salesforce

05/06/2019
Microsoft e Oracle se unem contra AWS e Google Cloud por nuvem governamental

03/06/2019
Containerização vira prioridade na oferta de IaaS no mercado nacional

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

Falta de mão de obra qualificada espanta investidores no Brasil

Mais de 50% dos jovens brasileiros podem ficar fora do mercado de trabalho por falta de qualificação e de habilidades digitais. A advertência foi feita por especialistas que debateram sobre educação e capacitação digital no Painel Telebrasil 2019.

Assespro é contra a regulamentação da profissão de TICs

Entidade das empresas de TI se posiciona contrária ao PLS 317/17. que passa a exigir diploma de profissões como Analista de Sistemas, desenvolvedor, engenheiro de sistemas, analistas de redes, administrador de banco de ados, suporte e profissões correlatas.

Mais de meio milhão de brasileiros trabalham com TICs

Raio-X do mercado de trabalho nos últimos 10 anos, feito pela Softex, mostra que o salário médio de R$ 6 mil.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site