GESTÃO

Correntistas 100% digitais desafiam atendimento bancário

Por Fábio Barros e Fabio Santos ... 13/06/2019 ... Convergência Digital

Um dos reflexos da transformação digital da sociedade é o modo como as pessoas querem se relacionar com seus bancos, cada vez mais online e mais distantes do atendimento frio e burocrático das agências. Como se adaptar a este novo consumidor foi o tema de discussão no CIAB Febraban 2019, realizado de 11 a 13 de junho, em São Paulo.

O tema é importante porque, segundo uma pesquisa da KPMG, o custo de aquisição de um cliente na Europa, por exemplo, fica na casa das dezenas de milhares de dólares. Se esse cliente se perde, o valor se multiplica, podendo representar milhões.

O diretor de Serviços Financeiros da Unisys, Luciano Quintela, citou uma pesquisa da empresa, que aponta que 33% dos clientes têm intenção de abrir uma conta digitalmente, mas apenas 9% tiveram sucesso ao abrir uma conta inteiramente online. “Como o legado ainda é a principal preocupação dos times de tecnologia e de negócios, tornar o onboarding mais dinâmico e acessível acaba sendo impactado”, disse.

Mas é importante que os bancos comecem a prestar atenção nisso. Segundo Quintela, até 2022, 90% dos clientes terão o celular como principal canal de relacionamento com seus bancos. Mais do que atender à expectativa dos clientes, os bancos terão que se equilibrar entre cumprir os requisitos da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) e adequar seus sistemas ao open banking. “Eles precisarão encontrar um meio de compartilhar dados para promover inovação e proteger os dados e o interesse dos clientes”, disse.

E algumas instituições já estão neste caminho. O Santander, por exemplo, montou um time multidisciplinar para criar um processo online para abertura de contas. O superintendente de Negócios Digitais da instituição, Rafael Mercadante, lembrou que inicialmente o processo não funcionou e muitos clientes paravam pelo caminho.

“Percebemos que faltava algo e incluímos no time especialistas em risco de crédito, fraudes e segurança”, explicou, lembrando que estes profissionais os ajudaram a descobrir novos desafios, como a validação da identidade do cliente, de sua capacidade de pagamento etc.

Com o novo time, o processo digital passou a contar com novas variáveis para modelos de crédito e fraude; os comprovantes foram substituídos por modelos, como o uso de geolocalização ao invés de comprovação de endereço;  e a verificação de documentos passou a ser feita com o uso de Inteligência Artificial.

Com o novo processo digital, o número de adesões cresceu. Segundo Mercadante, as contas abertas de forma online cresceram dez vezes, o custo de abertura destas contas foi reduzido em 52%, o payback caiu 50%, a rentabilidade cresceu 60% e a receita/conta aumentou 10%. “Percebemos que uma experiência simples e segura facilita muito o processo para o cliente”, afirmou.

O Itaú Unibanco também  realizou um processo de criação de um app móvel para abertura de conta. O superintendente de Design da instituição, Alexander Guazzelli, reconheceu que ainda há muito a melhorar e que, para isso, o banco vem utilizando o setor de varejo como benchmark. “Mesmo com os desafios de regulação que enfrentamos, temos que ser simples e ágeis como eles.”

Seguindo este conceito, o novo app de abertura de conta foi projetado para atender um perfil de cliente de baixa renda. Guazzelli lembrou que a premissa era que ele fosse simples e seguro. Com isso, o banco apostou em um design enxuto, com conteúdo simplificado, ilustrações que interagem com o cliente e micro interações com a marca.

“Como resultado, saímos de 33% para 49% de conclusão na primeira etapa. Esses resultados devem crescer, porque há mais dois ou três releases a caminho”, comemorou, lembrando que não se trata de implementar funcionalidades, mas resolver problemas.

Em entrevista à CDTV, do Convergência Digital, o diretor de Serviços Financeiros da Unisys Brasil, Luciano Quintela, afirmou que viabilizar o sucesso do canal 100% online aos clientes requisita dedicação. “O onboarding digital é prioridade”, observou. Assistam à entrevista.


Carreira
Cientista de Dados, desenvolvedor, CTO e analista de segurança da Informação são os mais procurados em TI

Essa é a constatação do Guia Salarial 2020, produzido pela consultoria Robert Half, com atenção às pequenas, médias e grandes empresas. Cientista de Dados pode ter salário inicial em torno de R$ 13 mil nas pequenas empresas e de R$ 26 mil nas grandes corporações.

Cartilha do MCTIC ao Congresso lista 150 programas que precisam de orçamento

Documento reúne sugestões como Gesac, redes de fibra óptica no Norte, Nordeste, base de Alcântara, satélite, entre outros. 

Teles adotam Código de Conduta de Telemarketing

São seis princípios básicos, entre eles ligações apenas em horários adequados e respeitar o desejo do consumidor que não quiser receber ligações. Segundo a Anatel,desde julho, quando foi criada a plataforma 'Não me Pertube', mais de dois milhões de telefones foram bloqueados para as operadoras.

Britânia adere à inteligência artificial na gestão e nos produtos

"A nossa ideia é ter pessoas qualificadas pensando em produtos melhores e não em funções repetitivas", diz a gerente de Marketing, E-commerce e parcerias da indústria, Samanta Puglia. A executiva admitiu que essa guinada já trouxe dores, entre elas, a mudança do quadro de pessoal.

Paraná adota Inteligência Artificial em serviços ao cidadão

Os serviços desenvolvidos pela Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar)são as ferramentas eleitas pelo Governo do Estado para ampliar a digitalização dos serviços, revela André Telles, assessor especial de Gestão Inteligente e Inovação.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G