SEGURANÇA

Serasa Experian: na corrida de gato e rato da segurança, software faz a diferença

Ana Paula Lobo e Rafael Mariano ... 17/06/2019 ... Convergência Digital

O balanço entre conveniência e segurança é uma corrida diária e fundamental na indústria da segurança da informação, observa o head do DataLabs da Serasa Experian para a América Latina, Marcelo Pimenta.

As novas demandas devidas ao uso das tecnologias de ponta exigem novas linhas de pesquisas, como o uso de tecnologia para a prova de vida, para a redução de falsos positivos e para análise de comportamento de uso físico do dispositivo.

"Há tecnologias que interpretam hábitos de uso físico. Por exemplo, a inclinação do aparelho na hora em que o usuário digita algo ou a forma como ele segura o dispositivo", contou Pimenta. Segundo ele, o software faz a diferença na identificação de fraudes e do comportamento humano. Uma das ações da Serasa Experian, por meio de uso das novas tecnologias, é eliminar o hacker que tenta ficar entre o usuário e a instituição financeira, com o uso da combinação do big data e dos algoritmos de Inteligência Artificial.

Em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital, concedida durante o CIAB Febraban 2019, realizado de 11 a 13 de junho, em São Paulo, Marcelo Pimenta descreveu quem é o hacker das novas tecnologias e advertiu: ao criar facilidades, as empresas abrem brechas para serem quebradas. O desafio é construir sistemas capazes de impedir as fraudes. Assistam à entrevista com o head Latam do DataLabs da Serasa Experian, Marcelo Pimenta.


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Clonagem do WhatsApp já atingiu 8,5 milhões de brasileiros

Segundo pesquisa realizada pela PSafe, essa modalidade de golpe faz 23 novas vítimas todos os dias no Brasil. Quase 30% dos entrevistados colocaram o vazamento das conversas como o principal prejuízo da clonagem.

Custo médio de uma violação de dados é de R$ 5,4 milhões no Brasil

Empresas brasileiras levam em, média, 250 dias para identificar a violação dos dados. De acordo com o diretor de Cibersecurity da IBM, João Rocha, as organizações enfrentaram a perda ou o roubo de mais de 11,7 bilhões de registros nos últimos três anos. Ataques maliciosos custam mais do que as violações por falhas humanas.

Em maio, Brasil teve mais de 140 milhões de ameaças disseminadas por e-mail

País fica no top 3 do ranking mundial, perdendo apenas para os Estados Unidos e a China, revela estudo feito pela Trend Micro.

Duas em cada três empresas querem Inteligência Artificial para evitar ataques hackers

Quase 70% das corporações admitem que não serão capazes de responder aos ataques cibernéticos sem o uso da IA. O levantamento global da Capgemini revela ainda que uma em cada cinco empresas admitem o impacto dos hackers e um prejuízo significativo nos negócios.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G