GOVERNO » Legislação

Vetos confrontam Congresso e enfraquecem proteção dos Dados

Luís Osvaldo Grossmann ... 10/07/2019 ... Convergência Digital

Os nove vetos aplicados por Jair Bolsonaro reforçam o embate entre Executivo e Legislativo sobre a Lei Geral de Proteção de Dados. E na opinião de especialistas, advogados e entidades que militam na causa do direito à privacidade, novamente com cortes que enfraquecem a proteção de dados no Brasil. 

“Já tínhamos o problema, até aqui intransponível, de criar uma agência nacional de proteção de dados fraca. Mas os novos vetos acrescentaram mensagens bastante ruins. A começar pelas sanções baixas, reduzidas com o veto à suspensão das atividades”, avalia o advogado e professor Danilo Doneda. 

Doneda, que participou da elaboração do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/14) e do projeto de lei (5.276/16) que calcou a LGPD, teme que os vetos “possam enfraquecer o ‘compliance’ se a ANPD não meter medo em ninguém”. “Temos um histórico de que só 6% das sanções pecuniárias aplicadas por agências reguladoras são efetivamente pagas. Questões sérias vão acabar continuando por conta do Cade e do Judiciário.”

Além disso, ele acredita que ao remover a revisão por pessoa natural de decisões de algoritmos, criou-se a possibilidade de um “loop infinito” de questionamentos a essas revisões, visto também serem decisões automatizadas. “E sempre haverá margem de questionamento de decisões automatizadas, o que em última análise cria insegurança jurídica.”

Rafael Zanatta, pesquisador da USP e advogado do escritório Pereira Neto Macedo, também aponta para o risco de uma agência de proteção de dados “sem dentes”. “Retirar a perspectiva do porrete como parte da estrutura de regulação é um ponto polêmico, porque é um ponto que o Congresso aprovou e depois reafirmou”, afirma. 

Por isso, ele também aponta para outra insegurança, uma vez que o momento atual de relações ente governo e Parlamento sugere ser realista apostar na derrubada de pelo menos parte dos nove vetos de Bolsonaro à Lei 13.859/19. “É mais um quebra cabeça. Gera insegurança jurídica porque todos que precisam se adaptar à Legislação estão ansiosos”, acredita Zanatta.

“A aprovação começou em agosto do ano passado. A Medida Provisória [869] jogou para 2020, mas este primeiro semestre já foi tomado pelo projeto de lei de conversão, ainda sem definição, o que afeta o cronograma, não só das empresas, mas de todos que estão em vias de se adaptar.”

Entidades de defesa da privacidade reunidas na Coalizão Direitos na Rede apostam na derrubada dos vetos. Em nota, a Coalizão ressalta que as mudanças “desrespeitam todo o acúmulo de debates entre parlamentares e sociedade civil nos últimos dois anos” e aprofundam “algumas fragilidades para a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados, como a ausência de mecanismos de independência financeira e institucional, e um corpo técnico altamente profissionalizado”. 

“Não apenas repudiamos os vetos que o presidente impôs a uma legislação que foi amplamente debatida por muitos meses e aprovada por consenso no Congresso Nacional, como vamos trabalhar para derrubar esses vetos e garantir que a legislação mantenha sua identidade”, afirma Renata Mielli, coordenadora geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação e secretária geral do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, entidades participantes da Coalizão Direitos na Rede.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Adiamento de tributos do Simples termina em setembro

A partir de outubro voltam os prazos de recolhimento adiados como medida durante a pandemia de Covid-19.

STJ nega envio de 'Caixa de Pandora' para Justiça Eleitoral

Quarta Turma do Supertior Tribunal de Justiça autorizou, no entanto, nova perícia nos vídeos que flagraram, em 2009, empresários de tecnologia da informação pagando propina a integrantes do governo do Distrito Federal. 

MCTI e MCom vão compartilhar orçamento até 2021

Portaria interministerial foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. Até junho de 2021, os recursos serão compartilhados e será criado um Centro de Custos para a divisão dos gastos entre os dois ministérios, até a definição do orçamento de 2021.

TICs ganham fôlego com retirada do pedido de urgência da reforma tributária

Decisão agrada as empresas de software e serviços e ao mercado de telecomunicações. Isso porque a proposta de unificação do PIS e da Cofins, com elevação da alíquota para 12%, seria prejudicial para o setor, que pagaria ainda mais imposto.

Governo restringe o que ministros e secretários podem falar sobre estatais

Decreto altera o Código de Conduta da Alta Administração Federal para vedar divulgação de “informação que possa causar impacto” nas ações ou relações com consumidores, mercado e fornecedores. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G