TELECOM

Oi nega negociação com bancos para aumentar capital em R$ 2,5 bilhões

Ana Paula Lobo* ... 11/07/2019 ... Convergência Digital

Em comunicado ao mercado enviado nesta quinta-feira, 11/07, a Oi negou qualquer negociação com instituições financeira para a realização de um novo aumento de capital para a empresa no valor de R$ 2,5 bilhões. A manifestação ocorreu um dia após notícias veiculadas na imprensa apontarem que a operadora já estaria buscando um assessor financeiro para este fim.

Assinado pelo diretor de finanças e relações com investidores da Oi, Carlos Brandão, o comunicado lembra que o plano de recuperação judicial da empresa "prevê a possibilidade da Companhia buscar, caso necessário, além dos recursos obtidos com o aumento de capital já realizado em janeiro deste ano, novos recursos destinados à consecução das atividades do grupo Oi, no montante total de até R$2,5 bilhões". Contudo, a operadora pontua que "até a presente data não ocorreram tratativas para mandatar instituição financeira para atuar na alternativa prevista".

O plano de recuperação judicial da Oi foi homologado em fevereiro de 2018 e estabeleceu prazo de até dois anos para a realização de um eventual segundo aumento de capital (o primeiro totalizou R$ 4 bilhões), que poderia ser realizado "mediante a emissão de pública de ações ordinárias ou de novos instrumentos de dívida, incluindo dívidas com garantia". Recursos, de acordo com as especulações do mercado, seriam em torno da decisão estratégica da OI de direcionar suas atenções para a fibra óptica em detrimento da operação móvel - que poderia vir a ser vendida.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

PGR:Lei de Santa Catarina que proíbe cobrança de valor adicionado é inconstitucional

“Lei estadual que proíbe a oferta e a cobrança de serviços de valor adicionado pelas prestadoras de serviços de telecomunicações é inconstitucional por usurpação da competência material e legislativa da União”, sustenta o procurador-geral da Repúublica interino, Alcides Martins.

TJ-RJ mantém condenação da Oi em R$ 200 milhões por contrato na área de games

Por não enxergar nulidade no laudo pericial que atestou as perdas e danos sofridas pelo rompimento do contrato de prestação de serviços de jogos eletrônicos, a 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, negou o agravo da operadora.

Força-tarefa da Anatel interrompe 25 emissoras clandestinas em São Paulo

Operação estava interferindo no controle de tráfego aéreo do aeroporto de Guarulhos. Também foram desmantelados 20 pontos onde a energia elétrica que alimentava os equipamentos de transmissão era furtada, com apreensão de cerca de uma tonelada de cabos de energia, em conjunto com a distribuidora local.

Prazo para questionar serviço não contratado de telefonia é dez anos

Superior Tribunal de Justiça entendeu que se aplica o artigo 205 do Código Civil. Seguindo o voto do relator, ministro Og Fernandes, a Corte aplicou ao caso o entendimento que resultou na Súmula 412 para as tarifas de água e esgoto.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G