GESTÃO

eSocial: infraestrutura precária; retrabalho e maquiagem de dados

Convergência Digital ... 18/07/2019 ... Convergência Digital

Nem o governo sabe o que vai fazer com o eSocial, diante da promessa de uma mudança no regime para 2020. Essa é a conclusão de especialistas ouvidos pelo Portal Dedução. O Gerente de Recursos Humanos da ROIT Consultoria e Contabilidade, Fábio Fernandes, explica que, quando surgiu, a ideia do eSocial era recepcionar as informações e distribuir para os órgãos públicos, então o empregador teria que enviar apenas uma vez e para um só local os dados dos trabalhadores.

A ideia era ótima, observa o especialista, o problema é que, na prática, isso não aconteceu. “O eSocial tinha o propósito de unificar as atividades contábeis, mas, a título de transição, acabou vindo como uma obrigação a mais e não substituiu as anteriores. Então, hoje mandamos basicamente a mesma informação para cinco órgãos distintos”, explica Fábio Fernandes.

Outro fator negativo foram os problemas em acessar o portal: “Muitas vezes, perto do prazo oficial de envio da folha de pagamento, o portal fica fora do ar e não conseguimos enviar as guias, demora muito”, conta Margarida Ávila, especialista de Recursos Humanos da ROIT.

Ela lembra que cada empresa tem um percentual de recolhimento previdenciário, de acordo com o seu perfil. "Sem o eSocial, a empresa conseguia maquiar, recolher menos, recolher errado. Às vezes com intenção e às vezes por engano. Com o eSocial isso não é possível, pois a informação dos percentuais e códigos são rejeitados”, acresenta.

O governo promete um novo eSocial, para entrar em vigor em 2020, mas ainda falta divulgar como ele será feito.
No dia 12 de julho, o Secretário Especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, anunciou que o eSocial seria substituído por dois sistemas a partir de janeiro de 2020, um responsável pelas informações trabalhistas e previdenciárias e outro pelas tributárias. Mas assegurou que o investimento feito pelas empresas e profissionais seria respeitado, ou seja, seria mantida a forma de transmissão de dados via web service e haveria aproveitamento da identificação dos eventos e sua integração.

Fonte: portal Dedução


Carreira
Apps proibidos acirram confronto entre patrões e empregados no home office

Pesquisa mostra que mais de  50% da chamada geração Millenium e da geração Z ignoram as políticas de segurança dos empregadores. Levantamento da PWC, porém, também aponta que pouco mais de 20% das empresas, de fato, estabeleceram regras para o trabalho remoto.

Órgãos públicos estão obrigados a fazer relatórios trimestrais de transformação digital

Monitoramento será acompanhado pela Secretaria Especial de Modernização do Estado da Secretaria Geral da Presidência da República. Norma também aprova 23 planos de transformação digital dos órgãos do governo federal que estão em execução.

Teletrabalho: Brasil somou 8,7 milhões de trabalhadores em home office em junho

Estudo do IPEA mostra que o índice da adesão ao home office no serviço público é mais de três vezes a proporção do setor privado. Em junho, 24,7% dos trabalhadores do setor público exerciam atividade remota, mas, no setor privado, eram apenas 8%.

TCU dispensa papel e adota protocolo 100% digital

Documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da união, para qualquer finaldiade, agora devem ser encaminhados, exclusivamente, por meio dos serviços via internet. 

Trabalho remoto reduziu R$ 466 milhões em despesas de custeio do governo

Levantamento divulgado nesta segunda, 3/8, pelo Ministério da Economia, lista deslocamentos e viagens, além dos serviços de energia elétrica e comunicação como principais cortes com a pandemia de Covid-19.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G