Convergência Digital - Home

Blockchains x 'envenenamento por privacidade'

Convergência Digital
Convergência Digital - 22/07/2019

Até 2022, 75% dos Blockchains públicos sofrerão “envenenamento por privacidade” – dados pessoais inseridos que tornam o blockchain incompatível com as leis de privacidade, adverte estudo do Gartner. O Blockchain é uma tecnologia promissora; no entanto, as empresas que desejam implementá-la devem determinar se os dados em uso estão sujeitos a qualquer lei de privacidade.

Por exemplo, Blockchains públicos precisam de uma estrutura de dados imutável, o que significa que uma vez que os dados são gravados, não podem ser facilmente modificados ou excluídos. Os direitos de privacidade concedidos a indivíduos incluem a opção de os clientes invocarem o “direito de serem esquecidos”. Em muitos desses casos, os dados pessoais processados devem ser excluídos – o que pode ser impossível.

Isso levanta preocupações imediatas, já que as entradas em um Blockchain público podem ser envenenadas com informações pessoais que não podem ser substituídas ou excluídas estruturalmente. Essa situação fará com que as empresas não possam atender à necessidade de manter registros em conformidade com suas obrigações para cumprir as leis de privacidade. Organizações que implementarem sistemas Blockchain sem gerenciar problemas de privacidade por projeto correrão o risco de armazenar dados pessoais que não poderão ser excluídos sem comprometer a integridade da cadeia.

“Vários países estão implementando regulamentações inspiradas nos princípios do GDPR, um movimento que provavelmente continuará no futuro”, diz Bart Willemsen, Analista Sênior do Gartner. “Esses requisitos de privacidade afetam drasticamente a estratégia das empresas, a finalidade e os métodos de uma organização para o processamento de dados pessoais. Além disso, as violações desses requisitos acarretam implicações financeiras, de reputação e regulatórias”,acrescenta.

Ainda de acordo com o Gartner, até 2023, mais de 25% das implementações de prova de consentimento baseadas no GDPR irão envolver a tecnologia Blockchain, em comparação com menos de 2% em 2018. Embora as diretrizes do GDPR estejam em vigor desde maio de 2018, as organizações estão em diferentes níveis de conformidade. A pressão para cumprir plenamente a legislação está aumentando, levando as companhias europeias e as que fazem negócios com a União Europeia a avaliarem melhor seus processos de coleta de dados. No entanto, a maioria dessas empresas ainda está lutando com custos de integração de tecnologias que possam ajudar a acelerar o ajuste para a conformidade com a privacidade.

“A aplicação do Blockchain para o gerenciamento de consentimento é um cenário emergente em um estágio inicial de experimentação”, diz Willemsen. “Várias organizações começaram a explorar o uso do Blockchain para o gerenciamento de consentimento, porque a imutabilidade potencial e o rastreamento de Blockchains ortodoxos poderiam fornecer o acompanhamento e a auditoria necessários para cumprir a legislação de proteção de dados e privacidade”.

 


LEIA TAMBÉM:
Cientista de dados vai muito além de um analista de BI

São os cientistas de dados que têm capacidade de levar milhares de variáveis em consideração para definir a melhor tomada de decisão, pontua Luiz Malere, gerente de customer advisor e inovação do SAS.

Destaques
Destaques

Metade das empresas no Brasil não confia na própria análise dos dados

Levantamento da Serasa Experian mostra ainda que 42% das companhias brasileiras admitem perder dinheiro com a má qualidade das informações. Má governança é vista como um desafio a ser superado. O mais grave: mais de 70% destão sem estratégia para superar essa etapa.

Dataprev vai comprar Inteligência Artificial e exige uso da nuvem pública

Estatal de TI não revela o montante a ser pago, mas diz que contrato será de 24 meses e inclui capacitação técnica dos funcionários, no modelo de serviços por demanda. Propostas devem ser enviadas até o dia 20 de julho.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Transformação digital exige eficiência no gerenciamento

Por Luiz Fernando Souza*

Prevenir é sempre melhor do que remediar. Essa é uma máxima que precisa ser aplicada à transformação digital, e vale quando falamos da gestão dos servidores. E as razões são simples: é menos sofrido, menos dolorido e mais barato manter uma rotina de trabalho focada na manutenção, preservando com inteligência dados e sistemas.

Jornada para a nuvem: evite as armadilhas e faça a coisa certa

Por Fábio Kuhl*

Até bem pouco tempo, a nuvem era inovação, hoje me arrisco a dizer que, em breve, uma commodity.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site