TCU aponta irregularidades e suspende compra de segundo satélite pela Telebras

Ana Paula Lobo* ... 01/08/2019 ... Convergência Digital

O Tribunal de Contas da União (TCU), depois de encontrar irregularidades e até 'superficialidade', como aponta a relatora do processo no órgão, ministra Ana Arraes, determinou nesta quinta-feira, 01/08, a suspensão de qualquer ação com relação à contratação do segundo satélite geoestacionário do Brasil, o SGDC 2.

A relatora, que teve o endosso dos demais ministros do TCU, teceu críticas pesadas a atuação do comitê da Telebras, responsável por apresentar as justificativas para aquisição. Em março, a Telebras contratou a Visiona, por R$ 10,5 milhões, para o SGDC 2, em um processo considerado irregular. A estatal, agora, que apresentar, entre outros, um novo planejamento orçamentário-financeiro que justifique a construção do novo satélite, com dados 'atualizados e fidedignos".

"Propõe-se determinar ao Comitê Diretor e ao Grupo-Executivo do SGDC 1 que se abstenham de decidir acerca do projeto do SGDC2, por a situação atual estar em discordância com o princípio constitucional da legalidade, previsto no caput do art.  37 da Constituição Federal, com os princípios da finalidade, da motivação e do interesse público, previstos no caput do art. 2º da Lei 9.784/1999, e com os arts. 1º, 2º, 4º e 6º do Decreto7.769/2012.21", escreveu a relatora.

A ministra Ana Arraes aumenta o tom de crítica à Telebras ao longo do seu parecer. "O anteprojeto elaborado pelo Grupo-Executivo com o fim de nortear a proposta  comercial da Visiona, datado de 6/10/2017, teria  sido baseado em outro estudo de 2011, elaborado por ocasião do planejamento do primeiro satélite(peça 47,  p. 27,  29).(...)95.Enquanto  a nota  técnica  [de  2017] aponta que, até 2024, a demanda decorrente dos contratos com órgãos governamentais  ocuparia  no  máximo  21%  de toda a banda Ka do SGDC1, restando espaço para eventual crescimento  (peça  59,  p.  5,  12), o estudo do SGDC2 já aponta que, em 2020, toda a  capacidade  do  SGDC1 estará  sendo usada para atender a referida  demanda e, em 2022, haverá uma demanda governamental adicional e não atendida de 51,6  Gbps, o que representa 89%  de toda a banda Ka do SGDC1(peça  47,  p. 27-29).96. Inclusive, o cálculo dessa demanda adicional é feito de forma superficial, sem se apoiar em metodologia robusta".

A Telebras terá assim que, no prazo de 60 dias, encaminhar uma justificativa da precificação aceita no Contrato 11/2018/3820-TB, firmado com a Visiona por inexigibilidade de licitação, tendo em vista a insuficiência dos argumentos apresentados, em discordância com os princípios da finalidade, da motivação, da razoabilidade, do interesse público e da eficiência. O Convergência Digital publica a íntegra do relatório da ministra Ana Arraes.

*Com informações do TCU



Internet Móvel 3G 4G
Justiça dos EUA dá vitória à FCC para implantação ágil de small cells para 5G

Cidades norte-americanas contestavam a interferência da agência reguladora norte-americana por exigir agilidade na concessão de licenças para adoção de small cells para o aumento da cobertura 5G.

Anatel recria 10 colegiados após extinção por Decreto presidencial

Uso do Espectro, Defesa dos Usuários, Prestadoras de Pequeno Porte, Aferição da Qualidade, Ofertas de Atacado, Acompanhamento de Redes são alguns dos grupos reestabelecidos pela agência. 

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G