GOVERNO » Legislação

Debate no Senado reforça cautela sobre mudanças na Lei da TV paga

Luís Osvaldo Grossmann ... 27/08/2019 ... Convergência Digital

Sob pressão da americana AT&T – e do governo Donald Trump – o Senado realizou nesta terça, 27/8, uma audiência pública para discutir o projeto de Lei 3832/19, uma resposta acelerada para a solução de um caso específico por propor a derrubada da barreira à propriedade cruzada no setor de TV por assinatura. 

Mas se o projeto do presidente da comissão de Ciência e Tecnologia, Vanderlan Cardoso (PP-GO), busca uma mudança rápida na Lei 12.485/11, que regula o chamado Serviço de Acesso Condicionado, as posições apresentadas na audiência por produtores de conteúdo, operadoras, especialistas, sociedade civil e até mesmo do governo federal são de muita calma nessa hora. 

“Tudo pode ser mudado. Mas é preciso discutir com calma, entender quem ganha, quem perde. Vejo que perde o consumidor, perde todo o setor de audiovisual, que hoje é financiado por esse modelo do Seac, perde o ICMS dos estados, que vão perder muita receita, perde a Cultura brasileira, que não vai mais receber TV Câmara, TV Senado, TV Justiça e todas as TVs comunitárias, porque no novo modelo proposto não há obrigações de carregar nenhum canal”, afirmou o vice presidente de relações institucionais da Claro, Fabio Andrade. 

E isso que a Claro é a favor das mudanças propostas no projeto. Já outros participantes, não tão entusiasmados assim com a proposta, reforçam que o potencial impacto – abrangente como indicou Andrade – exige um debate mais profundo e cuidadoso das mudanças nas regras da TV paga, mas que na prática sustentam todo um modelo de financiamento das produções audiovisuais no Brasil. 

“A urgência posta não vem dos agentes econômicos brasileiros. Não são os radiodifusores ou as empresas de telecomunicações que atuam no Brasil. Muito menos os produtores independentes. É um pleito da AT&T. O Senado não deve se dobrar a urgência de um agente econômico estrangeiro, ante o pleito dos atores do setor por um debate mais aprofundado. É importante deixar claro que a Lei do Seac não impede a fusão AT&T/Time Warner. O que a lei brasileira exige é o desinvestimento na Sky. Assim como ela exigiu o desinvestimento da Globo na Net, por exemplo, quando a Lei 12.485/11 foi aprovada”, destacou o pesquisador e ex-secretário executivo do Ministério da Cultura João Brant. 

Além disso, foi também reforçado o aspecto de que a proibição à propriedade cruzada entre programadores e distribuidores busca evitar a verticalização e seus efeitos prejudiciais à oferta de conteúdo. “Falar em revogação dos artigos 5o e 6o  é assumir a verticalização do setor. Hoje já temos concentração de mercado, com 83% nas mãos de um duopólio. Queremos evitar que a verticalização traga ainda mais força para essa situação que já enfrentamos hoje”, apontou o presidente da Abratel, Marcio Novaes. 

Afinal, nem o governo se mostrou muito convencido sobre o projeto de lei, mesmo sendo inicialmente favorável. “O Ministério da Economia vê com simpatia, mas não tem posição firmada sobre o projeto. E entende que devem ser avaliados os impactos das alterações propostas. Não há uma posição 100% fechada no governo sobre o PL, porque a lei é ampla, envolve cotas, envolve acessos”, arrematou o subsecretário de competitividade Claudio Carvalho.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Governo segue com privatização de Serpro, Dataprev e Telebras para 2021

O secretário de desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar, disse que não há mudança de planos do governo Bolsonaro, mesmo com o papel desempenhado pelas estatais de TI na pandemia, e está mantido o plano de vender 12 estatais no ano que vem.

Projetos estratégicos de TIC dependem do ajuste fino entre os 'novos' MCTI e Minicom

No 'novo' MCTI, ficam políticas de inovação, entre elas,  Inteligência Artificial. O Minicom assume a política de Telecom e a radiodifusão.

TSE manda Dataprev parar de usar dados da Justiça Eleitoral para avaliar auxílio emergencial

Pedido foi feito de forma oficial pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luiz Roberto Barroso. A alegação é que os BDs não informam o exercício de mandato eletivo.

Agência Espacial abre edital para lançamentos comerciais na base de Alcântara

AEB é responsável pelas tratativas iniciais com as empresas, nacionais ou estrangeiras, interessadas em utilizar a base brasileira para lançamento de veículos espaciais.

PL quer adiar venda do Serpro, Dataprev, Telebras e outras estatais

Proposta, que está em análise na Câmara dos Deputados, ressalta que o 'períodos de crise são um excelente momento para quem compra e péssimo para quem vende'. Privatizações estão agendadas para junho de 2021. Ideia é adiar as vendas para 12 meses após o fim da pandemia de Covid-19.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G