Home - Convergência Digital

Angelo Guerra e Rogério Reis assumem vice-presidências da NEC no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 10/09/2019

Dentro da reorganização promovida em novembro do ano passado, com a nomeação de Yasushi Tanabe como presidente da companhia, a NEC do Brasil anunciou nesta terça-feira, 10/09, a nomeação de Angelo Guerra como vice-presidente. O executivo chega com a responsabilidade de fortalecer as linhas de negócio, com uma coordenação muito próxima às equipes e foco total no mercado.

Guerra estava na Nokia há mais de 18 anos, e além de atuar no Brasil, construiu uma trajetória internacional marcada por posições de liderança dentro da organização, quando atuou como vice-presidente regional para a América Latina, incluindo Chile, Colômbia, Peru e Equador. A partir de 2016, Guerra passou a liderar a companhia para o mercado do México, Caribe e América Central, sendo responsável pelas operações nesses países. “Estou muito honrado em passar a fazer parte de uma organização como a NEC – centenária e, ao mesmo tempo, inovadora. Os desafios que temos pela frente, como equipe, são realmente motivadores e estou pronto para contribuir com minha experiência para atingir os objetivos”, afirma o vice-presidente.

Para a área de Segurança da multinacional, um dos pilares de seus negócios no mundo, Rogério Reis, executivo com 23 anos de experiência no mercado de segurança, com especialização em Cybersecurity pela Universidade de Harvard, foi definido como vice-presidente de segurança cibernética. Com a reestruturação do portfólio e a divisão entre os produtos voltados à segurança física, como sistemas de identificação e monitoramento, e a segurança cibernética, o executivo comandará as operações referentes ao segmento cibernético. Entre outras atribuições, Reis, que atuava anteriormente na diretoria da Arcon, empresa adquirida pela multinacional japonesa em 2016, tem a responsabilidade de liderar a equipe local e as operações do SOC (Security Operation Center) da NEC.

Responsável por uma visão macro dos números e de todas as atividades da empresa, bem como do alinhamento permanente com a matriz, no Japão, Yasushi Tanabe destaca que este novo momento da NEC é decorrente de um planejamento estrutural e de longo prazo desenhado para o Brasil. “Quando estabelecemos as diretrizes da companhia em cada país, analisamos cada fator, cada detalhe. Nesse contexto, é de extrema importância podermos contar com os profissionais ideais para as funções que vão desempenhar. Isso porque acreditamos que eles trazem uma bagagem que irá verdadeiramente contribuir para a nossa estrutura”, comenta Tanabe.

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

10/09/2019
Angelo Guerra e Rogério Reis assumem vice-presidências da NEC no Brasil

01/08/2019
NEC Brasil abre vagas na área de segurança da informação

23/10/2018
Totem da NEC faz reconhecimento facial sem acesso à internet

23/10/2018
Reconhecimento facial e IA agregam valor ao autoatendimento

22/10/2018
Para a NEC, telecom terá que fundir serviços com TI e inteligência artificial

18/10/2018
NEC substitui cartão pelo reconhecimento facial nos ATMs bancários

16/10/2018
NEC: corpo humano está virando a chave para falar com os sistemas

10/01/2018
NEC investe R$ 2 bi em empresa de serviços de TI

29/11/2017
Daniel Mirabile deixa o comando da NEC Brasil

06/10/2017
NEC: virtualização de rede agora é para valer

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

TICs vão demandar 700 mil novos profissionais na Indústria em cinco anos

Dados são do Mapa do Trabalho Industrial, feito pelo SENAI, que indicam ainda a urgência na qualificação de 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais por conta da indústria 4.0. Um dos especialistas em alta é o condutor de processos robotizados, com um incremento de 22% no número de vagas.

Dizer não é saudável para o ambiente de trabalho

A posição é defendida pelo diretor geral da Robert Half, Fernando Mantovani. Segundo ele, acumular tarefas e colocar prazos em conflito é um risco alto.

Técnicos são os que mais procuram especialização em Big Data

Cursos voltados para desenvolvimento Full Stack e Segurança Cibernética também são bastante demandados. No caso do big data, dos alunos formados nesta área, 45% possuem mais de 10 anos de experiência (sênior); 36% até nove anos (pleno) e 19% até três anos (recém-formados).

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site