Convergência Digital - Home

Clientes não querem reescrever aplicações ao migrar para nuvem

Convergência Digital
Por Roberta Prescott - 07/10/2019

"Os nossos clientes têm uma necessidade de conectar as aplicações que nascem em clouds, multiclouds e clouds híbridas e acessar os dados que estão dentro do mainframe. Na plataforma z15, nos endereçamos este problema, ou seja, disponibilizar os dados armazenados de forma segura para as aplicações deste mundo novo. O z15 visa a se encaixar na estratégia de cloud dos nossos clientes", reforçou Anibal Strianese, diretor de soluções de servidores para o Brasil na IBM. Os equipamentos da linha z15 foram apresentados no Brasil, em evento realizado em São Paulo, no dia 03 de outubro.

Strianese explicou que os clientes não querem ter de reescrever as suas aplicações para movê-las para nuvem — e que esta foi uma necessidade atendida pelo z15. O desenvolvimento da plataforma mainframe foi cocriada pela IBM junto com 300 clientes e uma das demandas foi justamente em como disponibilizar os dados do mainframe e do legado de forma segura. "Apenas 20% dos workloads migraram para a nuvem, temos 80% das aplicações residindo em infraestrutura tradicionais; há uma necessidade em se conectar as aplicações. O z15 se encaixa na estratégia de transformação digital dos nossos clientes", explicou.

Citando a visão da IBM, Strianese destacou que o futuro será marcado pela infraestrutura de nuvem híbrida. "No começo, todos tinham ideia de que tudo iria para nuvem, mas vemos que isto não é realidade para a maioria das empresas, que, hoje, possuem uma estratégia de cloud híbrida, colocando dados rodando em infraestrutura on-premise e com outras aplicações na nuvem", disse, acrescentando que os clientes também não ficam com apenas um provedor de computação em nuvem. "É preciso que as aplicações se integrem e possam usar os dados de forma transparente e garantindo a segurança dos dados." Confira a entrevista na íntegra:


ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Destaques
Destaques

Empresas ambicionam mais Inteligência Artificial, mas sofrem com falta de talento

Um apesquisa global da Bain mostra que três em cada empresas, instigadas pela covid-19 e a aceleração da digitalização, se preparam para investir mais em inteligência artificial e machine learning. Mas assumem que as dificuldades não são poucas.

Eneva investe R$ 3 milhões para unir gás à energia com a IA ALINE

Software, que utiliza algoritmos de machine learning, foi desenvolvido em parceria com o Instituto Tecgraf da PUC/Rio e está sendo testado no Maranhão. Próxima etapa é um projeto de pesquisa com foco na integração da produção do gás onshore com a geração de energia, o que significa usar IA em um projeto 100% conectado.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O que é o balanceamento de carga de alta disponibilidade?

Por Ivan Marzariolli *

A alta disponibilidade começa com a identificação e eliminação de pontos únicos de falha em sua infraestrutura que podem desencadear uma interrupção do serviço - por exemplo, implantando componentes redundantes para fornecer tolerância a falhas no caso de um dos dispositivos estiver com problemas.

Dados em tempo real fazem toda a diferença no e-commerce

Por Leandro Rodriguez*

O tempo se tornou o fator crítico no relacionamento entre vendedor e comprador. Levar informações em tempo real a uma filial local ou a gerentes de loja pode ser determinante para a aquisição de clientes e, consequentemente, aumentar as vendas.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site