TELECOM

Anatel prepara nova proposta de projeto de lei para reduzir taxas de telecom

Luís Osvaldo Grossmann ... 17/10/2019 ... Convergência Digital

Ano e meio depois de uma primeira tentativa, o conselheiro Aníbal Diniz, da Anatel, apresentou nesta quinta, 17/10, uma nova proposta que pretende encaminhar ao governo federal para ser transformado em eventual projeto de lei para modificar a cobrança de taxas no setor de telecomunicações. 

Desta vez, sugestão é de juntar Fust, Funtel, Fistel, Condecine e CFRP em uma única Cide-Telecom, a ser gerida apenas pela Anatel, e cobrar apenas das empresas que registrarem faturamento acima de R$ 5 milhões por ano. 

“Essa proposta prevê uma redução do número de contribuintes de 146 mil para menos de 1 mil, mantendo-se apenas as prestadoras de telecom que exploram com fins comerciais e concentram 98,9% da arrecadação das taxas vigentes, tendo como único fato gerador, prestação de serviço de telecomunicação de interesse coletivo”, defendeu Diniz. 

Segundo ele, nessa proposta “não foi possível manter a neutralidade tributária, mas permite uma redução gradual da carga”. E se houve crescimento do setor, o efeito deverá ser nulo para a arrecadação. “A perda de arrecadação será completamente eliminada se o crescimento anual do setor ficar acima de 4%”, disse.

Uma primeira sugestão de PL foi encaminhado pela agência ao Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações em meados de 2018, as a proposta não avançou. A nova versão é reflexo de conversas com o setor sobre ajustes naquela ideia primeira. Um pedido de vista do presidente Leonardo de Morais deixou uma decisão para o futuro. 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Anatel vai licitar posições de satélite, mas muda termos para atender Claro e Hispamar

Proposta de leilão de 15 posições orbitais entrará em consulta pública por 20 dias. Mas como aumentou o prazo das atuais licenças dessas empresas, foi preciso alterar o edital. 

Orquestração de rede 5G é prioridade da Ciena

Fabricante descarta uma produção local no curto prazo, mas se surgirem oportunidades, a avaliação será feita, conta o gerente geral da Ciena no Brasil, Fernando Capella.

American Tower: "Seguimos olhando todo ativo compartilhável"

O CEO da companhia, Flavio Cardoso, diz que o investimento redundante em fibra óptica por conta do 5G não é eficiente e que é preciso pensar na economia comparitlhada. "Nós queremos ser os gestores desses ativos para evitar conflitos como o do uso dos postes nas grandes cidades."

Vivo investe em franquia para expandir rede de fibra ótica no Brasil

A estratégia envolve uma parceria com a gestora de infraestrutura American Tower e também um modelo de franquias sob a marca Terra, voltado para empresas de Internet. Vivo quer somar 1 milhão de domicílios cobertos com fibra pelos franqueados até 2021.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G