Convergência Digital - Home

Embratel projeta 16 micro datacenters para edge computing

Convergência Digital
Por Fábio Barros e Carlos Afonso - 04/11/2019

O edge computing - computação de borda - desponta como uma porta de entrada para suportar os dados que virão com  o 5G. Informações do mercado citam que, até 2023,  73% dos dados móveis serão baseados em conteúdo de vídeo e haverá 30 bilhões de dispositivos conectados pelo mundo. O tema foi debatido no Futurecom 2019, que aconteceu de 28 a 31 de outubro, em São Paulo.

Uma das operadoras que mais se prepara para o edge computing é a Embratel, que mantém datacenters tradicionais no País, mas já possui três micro datacenters e planeja chegar a 16, o mais rápido possível. A gerente de Desenvolvimento de Produtos da companhia, Diuliana França,  explicou que a aposta das empresas se dá por conta da demanda do mercado. Ela lembrou que, hoje, 91% dos dados são processados de forma centralizada em datacenters tradicionais. No entanto, até 2022, a previsão é de que 75% dos dados deverão ser processados na origem, ou seja, em micro datacenters, porque aplicações de IA e IoT, por exemplo, exigirão respostas autônomas e mais inteligentes.

“A variável latência vai ganhar relevância por causa desse tipo de aplicação e por isso vamos precisar desse tipo de entrega”, afirmou. Diuliana disse que, neste contexto, a Embratel pretende tirar proveito de sua rede e de sua capilaridade nacional para desenvolver sua própria rede de micro datacenters. A estas estruturas, a companhia pretende agregar armazenamento e inteligência. Para Diuliana França, da mesma forma que a computação em nuvem alavancou a transformação digital, a Internet das Coisas será estimulada pelo edge computing. “Ele vai fazer com que este mercado seja fomentado e que a inteligência das coisas se torne realidade.” Assistam à entrevista com Diuliana França, da Embratel.


ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Destaques
Destaques

Governo digital: qualidade do serviço passa pela integração dos dados

O bom resultado dos serviços digitalizados passa por uma infraestrutura de TI robusta, com dados interoperáveis em todas as camadas, aponta o VP da Oracle, Rodrigo Solon Chaves.

Empresas ambicionam mais Inteligência Artificial, mas sofrem com falta de talento

Um apesquisa global da Bain mostra que três em cada empresas, instigadas pela covid-19 e a aceleração da digitalização, se preparam para investir mais em inteligência artificial e machine learning. Mas assumem que as dificuldades não são poucas.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O que é o balanceamento de carga de alta disponibilidade?

Por Ivan Marzariolli *

A alta disponibilidade começa com a identificação e eliminação de pontos únicos de falha em sua infraestrutura que podem desencadear uma interrupção do serviço - por exemplo, implantando componentes redundantes para fornecer tolerância a falhas no caso de um dos dispositivos estiver com problemas.

Dados em tempo real fazem toda a diferença no e-commerce

Por Leandro Rodriguez*

O tempo se tornou o fator crítico no relacionamento entre vendedor e comprador. Levar informações em tempo real a uma filial local ou a gerentes de loja pode ser determinante para a aquisição de clientes e, consequentemente, aumentar as vendas.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site