Convergência Digital - Home

Stefanini abre IA Sophie às PMEs como software como serviço

Convergência Digital
Convergência Digital - 02/12/2019

Uma pesquisa realizada pela consultoria americana DuckerFrontier, a pedido da Microsoft, mostra que o Produto Interno Bruno (PIB) do Brasil pode crescer 7,1% ano, até 2030, com a utilização de Inteligência Artificial, considerando os segmentos de serviços públicos, prestação de serviços corporativos, varejo, atacado, hotelaria e alimentação, construção, manufatura, mineração, água e energia, agricultura e pesca. Segundo o estudo, o aumento se daria em função da geração de novos empregos para profissionais qualificados que atuariam com novas tecnologias que, por sua vez, gerariam mais empregos em outros setores, injetando mais dinheiro na economia.

A perspectiva de crescimento do uso de AI também é compartilhada pela Stefanini, que trabalha há sete anos no desenvolvimento de sua  plataforma de inteligência cognitiva, batizada de Sophie, que agora ganha um novo formato: o modelo de software as a service (SaaS). Serão oferecidos diversos pacotes, com o objetivo de atender de pequenas e médias empresas (PMEs) a clientes corporativos, incluindo uma versão gratuita.

“A plataforma Sophie garante eficiência incomparável. É a nossa ‘Embraer’ dos bots. A experiência de centenas de implementações da plataforma mostra que as empresas que usam o nosso serviço – dentro e fora do Brasil - precisavam investir apenas 20,5 horas do agente para cada 1.000 interações (cerca de 7000 mensagens recebidas). Isso significa que nosso chatbot é 85% mais eficiente que as melhores abordagens tradicionais. É também a maneira mais barata de garantir uma experiência excelente para todos os clientes, o tempo todo”, afirma Alex Winetzki, diretor de P&D da Stefanini e “pai” da Sophie.

Experiência híbrida de atendimento digital, a Sophie pode ampliar o nível de satisfação dos clientes em 22% se comparada a um call center tradicional, reduzindo em 50% o volume de chamadas dos consumidores para hotline, além de ampliar em 35% a produtividade dos colaboradores. A solução é flexível, atende a dezenas de tipos de conteúdo e pode aprender qualquer tipo de informação.

A plataforma inteligente da Stefanini reduz custos com treinamento, turnover, organização de bases de conhecimento e retrabalho. “Trata-se de uma tecnologia robusta, usada e testada por algumas das maiores empresas do mundo, com resultados comprovados na melhoria de performance em call centers, service desks e outros sistemas que tenham por objetivo interagir com o consumidor ou usuário, seja por meio de voz, internet ou aplicativos móveis”, explica Winetzki.

Projetada com um conjunto original e premiado de algoritmos de Inteligência Artificial, a plataforma substitui o atendimento humano baseado em scripts por automação, e faz isso de maneira cada vez mais sofisticada, com investimentos ambiciosos em processamento de voz e auto-aprendizado. O objetivo é permitir velocidade e eficiência cada vez maiores na implantação e gestão da plataforma.

“Há seis anos, a instalação da plataforma Sophie levava alguns dias. Hoje é feita em poucas horas. A partir do lançamento da versão SaaS, um bot será criado em segundos. Com isso, nossos clientes, parceiros e usuários têm cada vez mais liberdade para usar a tecnologia e criar soluções com ela. Aliás, a busca de parceiros para a construção de soluções especializadas com a plataforma é uma das grandes prioridades da nova fase da Sophie”, destaca.

“Queremos democratizar a utilização dos chatbots no Brasil. Embora tenha sido feita para atender as maiores corporações do mundo, a plataforma agora pode ser utilizada por qualquer empresa, de qualquer tamanho. A Sophie as a service (SaaS) é implementada de forma simples, intuitiva e segura”, destaca Marco Stefanini, CEO global da Stefanini.

Um dos principais diferenciais da solução é o uso de tecnologia própria. “A maioria dos nossos concorrentes não são nativos em bots. Nós controlamos o núcleo, o ‘cérebro’ da Sophie, o que torna a ferramenta mais rápida de treinar, e mais de simples de manter. A partir de agora, ela também tem o melhor custo benefício do mercado, com uma interação com a Sophie custando menos de um centavo”, completa o diretor de P&D da Stefanini. Para conferir mais sobre a Sophie SaaS, clique aqui: https://sophie.chat/.


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

CSU avança de empresa de BPO para uma companhia de tecnologia

Com diferentes atividades, entre elas, processamento de transações eletrônicas de meios de pagamento e serviços de relacionamento com clientes, a CSU contratou o NICE Nexidia para melhorar os resultados dos negócios com uma abordagem consultiva e analítica.

Desafio nacional: identificar os dados efetivamente valiosos ao negócio

Pesquisa da IDC mostra que quase a metade companhias pesquisadas no Brasil admitiu ter dificuldade para encontrar talentos e recursos responsáveis pelas análises das informações.

Destaques
Destaques

Quase metade das empresas vai investir em edge computing na América Latina

Pesquisa da IDC Brasil, realizada para a Oi Soluções, revela ainda que 66% das empresas deverão ativar digitalmente seus modelos operacionais e terão o trabalho remoto incluído de forma permanente em suas políticas de recursos humanos.

Eletrobras contrata Analytics para acelerar jornada digital

Estatal, responsável por 1/3 da capacidade elétrica do Brasil, quer usar os dados para manter as melhores práticas de governança e investir em IoT, chatbots e robôs.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site