GOVERNO

Economia pressiona, mas Telebras diz que União não opinou sobre fechar capital

Luís Osvaldo Grossmann ... 17/12/2019 ... Convergência Digital

O Ministério da Economia mantém a pressão para que a Telebras faça uma oferta pública de aquisição de ações e em novo ofício reforça que a estatal deve recomprar os papeis em mãos de acionistas minoritários e proceder com o fechamento de capital. 

Como tem ações em bolsa, a Telebras relatou a nova investida da secretaria de coordenação e governança das estatais (SEST) ao mercado. E aproveitou para responder que a avaliação sobre o fechamento de capital segue à espera da manifestação daquele a quem  caberá pagar a conta, a União, acionista controlador. As mais de 49 milhões de ações na Bolsa têm valor de mercado estimado em R$ 5,5 bilhões. 

“O Conselho de Administração da Telebras deliberou consultar seu acionista controlador, a União, acerca de eventual intenção de fechar o capital da companhia. Referida consulta foi efetivada, mas não houve resposta até o momento”, lembra o presidente da estatal no comunicado ao mercado datado desta terça, 17/10. 

O Ministério da Economia sustenta que a Telebras é uma “estatal dependente”, uma vez que recebe da União dinheiro para pessoal e custeio. E que isso significa que ao manter a empresa operando o Estado beneficia imotivadamente os acionistas minoritários. 

“[S]ob pena de transferir recursos públicos, indiretamente para acionistas minoritários, entende-se aparentemente incompatível, quando caracterizada a situação de dependência da Telebras, a permanência do capital em negociação na Bolsa de Valores (atualmente, 3,47% das ações). No mesmo sentido, também é aparentemente incompatível a manutenção, no atual quadro societário da Telebras, da FINEP (6,51%), do Banco Cruzeiro do Sul (2,29%) e do Sr. Paulo Almeida Nobre (0,43%)”, alega a SEST. 

Também em resposta, “a Telebras reitera que encaminhou carta ao Tribunal de Contas da União (TCU) ponderando os critérios adotados para enquadramento como empresa estatal dependente, o procedimento adotado para referido enquadramento e o curto lapso temporal para inclusão da Telebras nos Orçamentos Fiscal e de Seguridade Social da União para o exercício de 2020. Até o momento não houve posicionamento do TCU sobre os argumentos de mérito apontados pela Telebras.”


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

PGFN concede poderes ao BNDES vender o Serpro

A fim de privatizar a maior empresa de TI do país, a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional delegou competência ao banco de fomento para alienar a participação da União na estatal. 

Governo publica orçamento sem vetos, com menos recursos para MCTIC

Como aprovado em dezembro, Orçamento estipula R$ 11,81 bilhões para a pasta, 22% a menos do que a Lei Orçamentária original de 2019, depois contingenciada para R$ 13 bilhões. 

Governo diz que não vai vender dados de Serpro e Dataprev, mas pode terceirizar custódia

“Vários países não têm empresas de governo mas custodiam dados. Pode fazer isso internamente ou subcontratar”, diz o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel. 

Microcity recebe certificação CertiGov

Selo de compliance garante a integridade, a conformidade da empresa e a qualifica a vender ao governo reduzindo riscos nas transações.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G