GOVERNO

Sem dinheiro, Telebras desiste de comprar capacidade em cabo submarino

Ana Paula Lobo* ... 06/01/2020 ... Convergência Digital

Sem dinheiro e mais uma vez marcando posição contrária ao fato de ter se tornado uma 'estatal dependente da União, apesar de todos os esforços despendidos para reverter a situação", a Telebras comunicou ao mercado a decisão de rescindir, de forma amigável, o contrato firmado em janeiro de 2019 com a Ellalink Ireland para conectar, via cabo submarino, o Brasil a Europa.

"Dentre outros motivos, a razão para o envio da carta está consolidada no fato de que não foram  apresentadas as garantias contratuais acordadas e necessárias ao pagamento das contra prestações assumidas pela Telebras ainda em 2019. Com isso, as partes iniciaram tratativas para postergar o cumprimento de suas obrigações para 2020", aponta o fato relevante encaminhado à Comissão de Valores Mobiliários no dia 26 de dezembro.

Como a situação financeira da Telebras piorou - e a estatal passará a integrar o Orçamento Fiscal e da Seguridade Social (OFSS) este ano com status de empresa dependente - e como não há uma rubrica orçamentária do governo federal para viabilizar o negócio, a Telebras informa que o melhor a fazer é rescindir amigavelmente o contrato.

Agora, reporta ainda a estatal, "aguarda-se o posicionamento da Ellakink Ireland com relação à proposta". O fato relevante foi assinado pelo presidente e diretor de Relações com Investidores, Waldemar Ortunho Junior. A falta de dinheiro na Telebras é recorrente.

Em outubro de 2018, no governo Temer, e como André Borges à frente do MCTIC, a estatal  informava a decisão de não mais investir, como acionista, na construção de um novo cabo submarino que ligaria Brasil e Europa, exatamente o projeto da Ellalink Ireland. A estatal decidiu ser compradora de capacidade, a partir da ativação da ligação, prevista para o começo deste ano de 2020. Mas o dinheiro acabou tanto para ser acionista, como para comprar capacidade.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

MCTI e MCom vão compartilhar orçamento até 2021

Portaria interministerial foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. Até junho de 2021, os recursos serão compartilhados e será criado um Centro de Custos para a divisão dos gastos entre os dois ministérios, até a definição do orçamento de 2021.

TICs ganham fôlego com retirada do pedido de urgência da reforma tributária

Decisão agrada as empresas de software e serviços e ao mercado de telecomunicações. Isso porque a proposta de unificação do PIS e da Cofins, com elevação da alíquota para 12%, seria prejudicial para o setor, que pagaria ainda mais imposto.

Governo restringe o que ministros e secretários podem falar sobre estatais

Decreto altera o Código de Conduta da Alta Administração Federal para vedar divulgação de “informação que possa causar impacto” nas ações ou relações com consumidores, mercado e fornecedores. 

Consulta sobre estratégia nacional de propriedade intelectual é prorrogada até 13 de setembro

Proposta aborda uso da PI na competitividade e disseminação do conhecimento, além da governança institucional, marcos legais, segurança jurídica, inteligência e a inserção do Brasil no sistema global.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G